NOSSAS REDES

POLÍTICA

TARAUACÁ: O que será do PT ? Dirigentes locais tentam manter filiados. Pedidos de desfiliação ocorrem em nível local e nacional.

PUBLICADO

em

Espelho do seu principal líder, o partido vira sinônimo de corrupção, perde o protagonismo na esquerda, desidrata e vê o futuro repetir o passado. Radical, desconectada da realidade e sem rumo, a legenda tende a ser reprovada nas urnas.

Lula /Condenado

A fragorosa derrota de Lula no julgamento de quarta-feira 24 por três votos a zero – com o agravamento da pena – foi acachapante não só para a icônica liderança, que num passado não tão longínquo arrastou multidões e se tornou um dos presidentes mais populares da história do Brasil – hoje sabemos a que custo e a partir de quais métodos. O infortúnio de Lula levou de roldão o partido idealizado e criado por ele para, pretensamente, conferir voz aos trabalhadores, mas que acabou por sucumbir às mais abomináveis práticas políticas, às quais um dia prometeu eliminar da vida pública. Não só não exterminou como as aprofundou.

É impossível dissociar Lula do PT. Um é o espelho do outro. Por isso, devastado por denúncias de corrupção e com sua principal liderança inelegível, nos termos da lei eleitoral, e na iminência de parar na cadeia, o PT definha e enxerga um cenário que se descortina sombrio no horizonte. Senão vejamos. Prestes a completar 38 anos, o partido, que nasceu sob o signo da ética e virou sinônimo de corrupção, deixou de ser o principal protagonista da esquerda, perdeu a primazia das ruas e, hoje, carece de um rumo. Na verdade, a sigla jamais será a mesma. Se o PT que alcançou o poder, e para chegar lá aderiu ao pragmatismo pernicioso das alianças a qualquer custo, já era bem distinto daquele que desabrochou do sindicalismo e dos movimentos eclesiais de base, o filhote do pós-Lula se revela ainda pior. Principalmente se prevalecerem lideranças mais radicais, encabeçadas pela senadora e presidente nacional da legenda, Gleisi Hoffmann, que, partindo de premissas equivocadas, prega o enfrentamento à Justiça e ao ordenamento jurídico a todo custo. Outro grupo, que inclui os ex-governadores Tarso Genro e Olívio Dutra, adota uma visão realista e admite que o PT precisa se reinventar e fazer uma autocrítica se quiser sobreviver. Mas a corrente que poderia representar uma lufada de renovação aparenta ser minoritária.



“O PT precisa se reinventar se não quiser desaparecer. É a única saída para não se tornar nanico” David Fleischer, cientista político.

Irrelevância

A situação, como se nota, é crítica e o PT vê seu capital político virar pó. Além da batalha judicial para salvar a pele de Lula, o primeiro ex-presidente a ser condenado por corrupção, o PT tem tudo para sair das urnas em 2018 como um partido irrelevante. Em 2014, no rastro da reeleição de Dilma Rousseff, o PT conseguiu eleger cinco governadores, 57 deputados federais, a segunda maior bancada da Câmara, e onze senadores. Como perdeu Marta Suplicy para o PMDB e Delcídio Amaral foi cassado, restaram-lhe nove senadores. Mas sete se aproximam do fim dos oito anos de mandato. As chances de a legenda repetir o mesmo desempenho nas eleições de 7 de outubro? Zero. Até os cômodos reformados do tríplex no Guarujá pela OAS sabem que o PT vai encolher, aconteça o que acontecer com Lula. A dúvida é: o que vai sobrar do partido?

Segundo o mapeamento de David Fleischer, cientista político e professor da Universidade de Brasília, o partido sofrerá uma drástica redução no número de deputados federais, senadores e governadores. “Em 2016, o PT elegeu menos da metade de prefeitos que em 2012. Isso vai se repetir neste ano. A bancada na Câmara deve cair para cerca de 30 deputados”, disse. Se reunia 530 prefeituras antes da eleição de 2016, a legenda hoje comanda apenas 212 municípios, uma redução de 60%. De acordo com Fleischer, um novo fiasco nas eleições deste ano ligará o sinal de alerta na legenda: “Há petistas mais sensatos, como Tarso Genro, que estão preocupados com o destino do PT. Essas pessoas querem reformular o partido, expulsar os bichos sujos, mudar estatuto, bandeira, sigla. Só que eles são minoria”.

De fato, Tarso Genro, que desistiu de concorrer a um novo mandato de governador do Rio Grande do Sul, já está sentindo os tremores do desastre eleitoral. “Estamos vivendo um período em que proximamente se esgotará a hegemonia absoluta do PT, com sua liderança na esquerda”, admite o ex- ministro da Justiça de Lula. Para Genro, “o PT só voltará ao cenário nacional com força política renovada, se compartilhar sua hegemonia com outras forças à sua esquerda”. David Fleischer concorda com Genro, mas vislumbra um destino bem mais sombrio do que a simples perda da hegemonia. “O PT precisa se reinventar se não quiser desaparecer da política brasileira. É a única saída para não se tornar um partido nanico”, avaliou.

Tanto a hecatombe é inevitável que muita gente já abandona o barco, sob as mais variadas alegações. No sábado 21, por exemplo, em ato público na Faculdade Zumbi dos Palmares, em São Paulo, os dirigentes da União da Juventude Brasileira anunciaram seu desligamento do PT. Decidiram mudar de malas e bagagens para o PSB. Em setembro, houve uma debandada de cerca de 300 militantes no Mato Grosso do Sul, igualmente descontentes com os rumos do partido. No Rio de Janeiro, a dissidência também salta aos olhos. Petistas que participaram da fundação do PT se transferiram o PSOL, legenda que passou a atrair a maior parte da juventude de esquerda. Sangrando com as seguidas denúncias do Ministério Público Federal, o PT é rejeitado por moças e rapazes que defendem mudanças de fundo na economia e na política. Para eles, o sonho petista pertence ao passado. Ficou no retrovisor.

O reflexo será sentido nas eleições de outubro. Na corrida ao Senado, diante da possibilidade de alguns parlamentares abrirem mão da reeleição, como é o caso da senadora Gleisi Hoffmann (PR), a própria legenda reconhece que haverá um sensível encolhimento. De nove para cinco senadores na melhor das hipóteses. Nos estados, o PT sonha em manter a quantidade de governadores. São cinco. Devem sobrar no máximo dois.

Por isso, mesmo a par do resultado no julgamento do TRF-4, o diretório nacional do partido vai insistir na candidatura de Lula como estratégia, mesmo que ela não vá para frente. “Ele ajuda nos palanques regionais. Por isso, o partido vai esticar ao máximo, porque sabe que terá mais problemas nos estados sem a presença do ex-presidente”, afirmou o diretor do Instituto Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo. Ele cita o exemplo da Bahia, em que o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), está liderando as pesquisas ao governo.

Segundo Hidalgo, o atual chefe do Executivo local, o petista Rui Costa, terá enorme dificuldade para se reeleger sem a figura de Lula ao lado. “A condição do PT atualmente é diferente de anos atrás, quando ainda tinha um discurso forte do ‘contra tudo e contra todos’. Agora, para sobreviver, o partido terá que rediscutir procedimentos e parcerias”, acrescentou o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi.

“O PT atualmente é diferente de anos atrás. Para sobreviver, terá de rediscutir procedimentos e parcerias”Carlos Lupi, presidente do PDT.

Sem meias palavras, o PT deixou de ser hegemônico. Agora, partidos que antes caminhavam de braços dados com Lula estão lançando candidatos próprios. O que fica é a imagem de um PT muito menor do que já foi. O partido deixou o centro do palco. Se Lula está visivelmente desgastado e envelhecido, sua criatura também. Se antes enchiam praças e estádios, o PT hoje consegue reunir apenas os militantes gatos-pingados que vivem das glórias do passado. Poucos são os que respondem às convocações. Para disfarçar as aparências e negar as evidências do esvaziamento, houve, na semana passada, quem recorresse a fotos antigas como se fossem registros de mobilizações atuais. A foto estava amarelada, desbotada de velha. O PT também é uma foto que perdeu o brilho.

Por Tábata Viapiana. 25.01.18 – 20h51.

Advertisement

GOVERNO GLADSON CAMELI

Gladson Cameli nomeia Fábio Rueda como representante do governo do AC em Brasília

PUBLICADO

em

Nomeação do médico e suplente de deputado federal foi oficializada no Diário Oficial do Estado (DOE) desta quarta-feira (22).

Capa: Fábio Rueda, do União Brasil, é nomeado chefe da Representação do Governo do Acre em Brasília — Foto: Arquivo/Câmara dos Deputados. 

O político Fábio Rueda, do União Brasil, foi nomeado para o cargo de chefe de Representação do governo do Acre em Brasília. A oficialização foi publicada nesta quarta-feira (22) no Diário Oficial do Acre (DOE).

A nomeação ocorreu duas semanas após a aprovação de um projeto de lei, de autoria do governo, que visava à reconstituição deste cargo a partir do desmembramento da Diretoria de Relações Federativas da Secretaria de Estado de Planejamento. A ideia, segundo o projeto, é fortalecer as articulações entre o governo local e o federal.

Naquela ocasião, a matéria foi apreciada e aprovada pelos deputados das comissões de Constituição de Justiça (CCJ), Orçamento e Finanças e Serviço Público da Aleac. A proposta destacou que esta Representação do Governo em Brasília não acarretaria em aumento da despesa global com pessoal do Poder Executivo.

Rueda é médico, com especialidades em cirurgia geral e cardiovascular e chegou a assumir o cargo de deputado federal por quatro meses, em razão do afastamento de Eduardo Velloso (União), em dezembro de 2023, por problemas pessoais. Após a volta de Velloso, Rueda saiu do cargo em 12 de abril.

Nas eleições de 2022, ele conseguiu 12.608 votos, ficando como 1º suplente.

Continue lendo

ACRE

Operação Ptolomeu: análise de denúncia do MPF contra Gladson Cameli é suspensa pelo STJ

PUBLICADO

em

Ministra acolheu argumento da defesa sobre falta de acesso às provas colhidas durante investigação. MPF e Polícia Federal têm prazo de 48h para apresentar material à Justiça.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) suspendeu a análise da denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra o governador do Acre, Gladson Cameli, agendada para o próximo dia 22, e pediu a apresentação de provas por parte do órgão federal. A decisão foi divulgada nesta quinta-feira (8) e atende a uma petição impetrada pelos advogados do governador junto à Corte de Justiça.

No dia 30 de novembro do ano passado, a Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu ao STJ que o governador do Acre, Gladson Cameli (PP), fosse imediatamente afastado do cargo. O pedido também seria analisado no próximo dia 22.

Além da suspensão do prazo, a ministra determinou que seja enviado um ofício ao MPF para que apresente, no prazo de 48 horas, fontes de e-mails apresentados como provas contra o governador.

Também foi requisitado, por meio de ofício, que a Polícia Federal encaminhe, no mesmo período, ‘a íntegra, em meio digital, dos laudos periciais mencionados pelo acusado, das quebras de sigilo bancário, fiscal e demais procedimentos cautelares relacionados ao caso Murano’.

Em dezembro do ano passado, a Corte Especial do STJ decidiu pelo desmembramento da denúncia apresentada pelo MPF sobre suposto esquema criminoso liderado pelo governador do Acre, Gladson Cameli, envolvendo crimes de peculato, corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

g1 tenta contato com a Procuradoria-Geral da República (PGR) e com a Polícia Federal.

Argumentos

 

Na petição, os advogados do governador alegaram que a denúncia é baseada em supostos “prints” de ‘conversas mantidas por “e-mail” e aplicativo de mensagens e que a integralidade do conteúdo extraído dos aparelhos apreendidos na fase inquisitorial não foi juntada aos autos.

A defesa afirma também que não teve acesso a laudos, aos conteúdos extraídos também de computadores e outras mídias apreendidas e nem ao conteúdo da quebra do sigilo bancário.

“No entanto, o inteiro teor dos supostos diálogos e a integralidade do conteúdo extraído de tais aparelhos celulares não foram juntados aos autos, impedindo esta defesa técnica de analisar, por exemplo, o contexto em que teriam ocorrido as aludidas conversas e a preservação da cadeia de custódia dos equipamentos apreendidos e de seu conteúdo”, destacaram os advogados do gestor.

Denúncia

 

A denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o governador Gladson Cameli aponta que a empresa Murano Construções – sendo o irmão do governador, Gledson Cameli, um dos sócios dessa empresa – e empresas subcontratadas teriam pago propina ao chefe do executivo estadual em valores que superam os R$ 6,1 milhões, por meio do pagamento de parcelas de um apartamento em bairro nobre de São Paulo e de um carro de luxo.

“Embora a denúncia trate apenas dos crimes praticados no âmbito do contrato firmado pelo governo estadual do Acre com a empresa Murano, há provas de que o esquema se manteve mesmo após o encerramento da contratação. Foram identificados oito contratos com ilegalidades, e a estimativa é que os prejuízos aos cofres públicos alcancem quase R$ 150 milhões”, diz o Ministério Público Federal (MPF).

Ao longo de quase 200 páginas, o MPF apresentou amplo material probatório dos crimes praticados e que tiveram como ponto de partida a fraude licitatória, o que consistiu na adesão da Secretaria de Infraestrutura e Desenvolvimento Urbano do Estado do Acre a uma ata de registro de preços vencida pela empresa Murano, que tem sede em Brasília (DF), e nunca havia prestado serviços no Estado do Acre.

O objeto da licitação feita pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano (campus Ceres /GO) era a prestação de “serviços comuns de engenharia referentes à manutenção predial”. Já no Acre, a empresa foi responsável pela execução de grandes obras rodoviárias, tarefas executadas, conforme a denúncia, por companhias subcontratadas, uma delas a Rio Negro Construções, que tem como sócio Gledson Cameli, irmão do governador.

Em nota divulgada na época, o governador disse que confiava na justiça, se mantinha à disposição para quaisquer esclarecimentos.

“Diante das publicações recentes veiculadas na imprensa acreana e nacional acerca de denúncia da Procuradoria-Geral da República, e, consequente, pedido de afastamento do exercício do mandato, o governador Gladson Cameli mantém sua confiança na Justiça, mantendo-se à disposição para quaisquer esclarecimento, bem como permanece cumprindo suas obrigações como chefe do Poder Executivo do Estado do Acre”.

Gladson de Lima Cameli (PP) e outras doze pessoas são suspeitas pelos crimes de organização criminosa, corrupção nas modalidades ativa e passiva, peculato, lavagem de dinheiro e fraude a licitação. Iniciadas em 2019, as práticas ilícitas descritas na denúncia teriam causado prejuízos de quase R$ 11,7 milhões aos cofres públicos.

Além da condenação de forma proporcional à participação individual no esquema criminoso, o subprocurador-geral da República Carlos Frederico Santos pediu o afastamento do governador até o fim da instrução criminal. Somadas, as penas pelos crimes podem ultrapassar 40 anos de reclusão.

A denúncia foi apresentada ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), foro para processamento de autoridades como governadores, e está restrita a um dos fatos apurados na Operação Ptolomeu: irregularidades envolvendo a contratação fraudulenta da empresa Murano Construções LTDA, que teria recebido R$ 18 milhões dos cofres públicos para a realização de obras de engenharia viária e de edificação. Além do governador, também foram denunciados a ex-mulher de Cameli, dois irmãos do chefe do Poder Executivo, servidores públicos, empresários e pessoas que teriam atuado como “laranjas” no esquema.

Se efetivado o afastamento de Cameli, a vice-governadora Mailza Assis assume o comando do estado e se torna a segunda governadora do Acre após 40 anos.

Continue lendo

DENÚNCIA

Agente de trânsito é flagrado dormindo dentro de viatura em horário de trabalho no Acre; RBTrans investiga

PUBLICADO

em

Flagrante ocorreu na noite dessa quarta-feira (10) na Avenida Getúlio Vargas, em Rio Branco. RBTrans disse que vai abrir um Processo Administrativo Disciplinar (PAD).

Capa: Veículo estava parado na Avenida Getúlio Vargas, no Centro de Rio Branco — Foto: Reprodução.

Um agente de trânsito foi flagrado por um pedestre dormindo dentro de uma viatura da Superintendência de Transportes e Trânsito de Rio Branco (RBTrans) na noite dessa quarta (10). O veículo estava estacionado na Avenida Getúlio Vargas, em frente à Praça da Revolução, onde foi montada a decoração natalina.

A área é interditada no período da noite para o acesso dos moradores à ornamentação na praça.

As imagens foram compartilhadas e viralizaram nas redes sociais. A reportagem não conseguiu falar com o pedestre que flagrou a situação. No vídeo, ele diz que o veículo e o ar-condicionado estavam ligados e o condutor dormindo tranquilamente.

Olha aí o que flagrei lá na praça. Caminhonete e o ar-condicionado ligados e o cara dormindo, apagado. Cheguei na frente da caminhonete, tirei essas fotos todas e ele dormindo, apagado. Depois, o parceiro dele foi lá, cutucou ele e mandou acordar. Cheguei na tora (sic) no agente: ‘ei, amigão! tem como pedir pra ele desligar o carro ali porque vocês não estão em ação, isso é dinheiro público jogado fora“, descreveu.

Segundo o denunciante, o colega do agente que estava dormindo afirmou que não tinha nada a ver com a situação. O pedestre disse que ainda questionou o servidor público sobre a participação no ocorrido. “Como não tem, está na viatura também. Quando sai uns dez metros, ele cutucou o cara para acordar. Vou divulgar nos grupos tudinho, onde der para fazer a denúncia, vou fazer“, alertou.

Procedimento administrativo será aberto

Em nota, a RBTrans disse que ‘não compactua com o comportamento do servidor flagrado dormindo no interior da viatura. Esse incidente é considerado um fato isolado e não representa a conduta dos demais agentes desta instituição’.

Servidor público estava dormindo dentro da viatura da RBTrans na noite dessa quarta-feira (11) — Foto: Reprodução

Servidor público estava dormindo dentro da viatura da RBTrans na noite dessa quarta-feira (11) — Foto: Reprodução

O comunicado diz ainda que serão tomadas as providências necessárias para a instauração de um Processo Administrativo Disciplinar (PAD). “Também investigará se o agente em questão enfrenta algum problema de saúde física, mental ou psicológica. A autarquia prioriza o bem- estar integral de seus servidores e assegura o cumprimento do devido processo legal”, conclui.

 

Continue lendo

MAIS LIDAS