NOSSAS REDES

COTIDIANO

Um dos detentos que fugiu rastejando de presídio em Rio Branco é acusado de matar mulher com mais de 20 facadas

PUBLICADO

em

Um dos nove detentos que conseguiu fugir se rastejando do Presídio Francisco d’ Oliveira Conde, em Rio Branco, na última quarta-feira (28), é oprimeiro condenado pelo crime de feminicídio em Sena Madureira, no interior do Acre.

Célio da Silva Cunha, de 33 anos, é acusado de matar a mulher com mais de 20 facadas em maio de 2015.

Cunha foi a julgamento em novembro de 2016 e foi condenado a 27 anos de prisão em regime fechado pelo assassinato da esposa Ocineide da Silva Menezes. O homem era casado com a vítima há seis anos e teria agredido a companheira após uma discussão.

De acordo com o promotor de Justiça substituto Carlos Pescador, que atuou no caso diante do júri popular, Ocineide foi morta com 23 facadas, sendo oito nas costas. O acusado alegou que teria matado a esposa após descobrir uma traição.

Na época da morte da mulher, Cunha já tinha passagem pela polícia por homicídio e cárcere privado e estava no regime aberto. O casal se conheceu quando Cunha cumpria pena no presídio do município, em 2008, quando foi condenado, segundo a polícia.

Iapen confirma lista dos nove presos que fugiram, na quarta-feira (28), de penitenciária em Rio Branco (Foto: Divulgação/Iapen-AC)

Iapen confirma lista dos nove presos que fugiram, na quarta-feira (28), de penitenciária em Rio Branco (Foto: Divulgação/Iapen-AC)

Duas fugas em quatro dias

Ao todo, 14 presos fugiram da penitenciária em Rio Branco em quatro dias. Na primeira fuga, cinco presos conseguiram deixar a unidade e na segunda, nove detentos fugiram, entre eles Cunha.

Na fuga do último dia 25, cinco presos conseguiram deixar o complexo prisional usando um andaime para escalar o muro. O andaime estava próximo do muro e era utilizado na reforma do Presídio de Segurança Máxima Antônio Amaro, que fica dentro do FOC.

Os foragidos do dia 25 de março são: Mikael Augusto Alves Leal; Thiago Ferreira de Araújo; Francisco dos Santos Braga; Dheyci de Angelo de Lima e Lima e Michael Douglas Vieira Pinheiro.

Após quatro dias da fuga, o presídio registrou uma nova fuga na noite de quarta-feira (28). Dessa vez, nove presos fugiram se rastejando pelo canto do muro para não serem vistos pelos sentinelas.

Os detentos que fugiram na quarta-feira (28) são: Adriano Vieira de Freitas, Almir Dias Virgínio, Antônio Acácio dos Santos, Antônio Diego Pereira Castelo, Antônio Jakson Silva e Silva, Célio da Silva Cunha, Dalys Diego da Conceição, Getúlio de Souza Pinheiro Junior e Ismaylan de Castro.

Da esquerda para a direita: Mikael Augusto Alves Leal; Thiago Ferreira de Araújo; Francisco dos Santos Braga; Dheyci de Angelo de Lima e Lima e Michael Douglas Vieira Pinheiro (Foto: Divulgação/Iapen)

Fonte G1-AC

ACRE

Mulher dá facada em namorado para se defender e bombeiros entram em área de difícil acesso para socorrê-lo no AC

PUBLICADO

em

Polícia Civil informou que mulher deu facada no suspeito para se defender. Caso ocorreu no Seringal Novo Berlim, zona rural de Feijó, nesse domingo (21). Homem foi preso e liberado após pagar fiança.

Capa: Bombeiros percorreram 10 km de ramal para prestar primeiros socorros no suspeito — Foto Arquivo 9º Batalhão do Corpo de Bombeiros do Acre

Um homem, de 29 anos, levou uma facada na coxa esquerda após supostamente ter batido na namorada na tarde de domingo (21) na zona rural de Feijó, interior do Acre. Segundo a Polícia Civil, a mulher desferiu a facada em legítima defesa após apanhar do suspeito.

O suspeito teve uma hemorragia e precisou ser resgatado por bombeiros da cidade. A equipe de resgate percorreu dez quilômetros de ramal para chegar até o Seringal Novo Berlim, zona rural, para prestar os primeiros socorros e levar o homem para a cidade.

O resgate foi divulgado pelo 9º Batalhão do Corpo de Bombeiros nesta segunda-feira (22). O irmão do homem ligou para a Polícia Militar (PM-AC) para pedir socorro. Com ajuda da PM-AC e de quadriciclos, as equipes foram até o seringal e estancaram o sangramento.

Suspeito foi socorrido por bombeiros e levado para hospital de Feijó — Foto: Arquivo/9º Batalhão do Corpo de Bombeiros do Acre

Suspeito foi socorrido por bombeiros e levado para hospital de Feijó — Foto: Arquivo/9º Batalhão do Corpo de Bombeiros do Acre

O rapaz foi colocado em cima de um dos quadriciclos e levado para o Hospital Geral de Feijó. Após o atendimento médico, o homem foi preso por violência doméstica, pagou fiança e foi liberado.

A mulher foi ouvida e pediu medida protetiva contra o suspeito.

Continue lendo

BRASIL

Com 29%, região Norte tem o maior percentual de trabalhadores em regime de home office do país

PUBLICADO

em

Levantamento encomendado por plataforma imobiliária aponta ainda que, se forem considerados trabalhadores em regime híbrido, percentual sobe para 33%.

capa: Norte também tem maior percentual de trabalhadores que mudariam de emprego se fossem obrigados a trabalhar presencialmente — Foto: Getty Images via BBC.

A expressão do idioma inglês home-office passou a fazer parte do vocabulário de muitos trabalhadores brasileiros especialmente durante a pandemia de Covid-19, quando foi preciso reduzir a aglomeração de pessoas em locais fechados. Com o fim da maior parte das restrições para evitar o contágio pela doença, a maioria voltou aos tradicionais escritórios para o trabalho presencial. A maioria, mas não todos.

Uma pesquisa apontou que Rio Branco, Belém, Boa Vista, Macapá, Manaus, Palmas e Porto Velho, capitais da região Norte, ainda têm 29% dos trabalhadores mantém exclusivamente o regime de trabalho remoto. O índice, segundo a pesquisa, é o maior do país.

O levantamento encomendado pela plataforma imobiliária QuintoAndar mostra ainda que, se considerados os trabalhadores que aderiram ao regime híbrido, o percentual sobe para 33%. Nesse esquema, os funcionários dividem os dias entre o trabalho presencial e remoto.

“Esse é o maior percentual entre as regiões. E mostra que, apesar de as empresas estarem optando por voltar paulatinamente ao presencial, há muito mais flexibilidade e mais compreensão por parte delas dessa nova dinâmica, onde a casa tem um novo significado”, ressalta o gerente de Dados do Grupo QuintoAndar, Thiago Reis.

Ainda segundo a pesquisa, 57% dos trabalhadores ouvidos são funcionários de empresas menores, com até nove funcionários. Segundo a plataforma, essas empresas costumam ter mais trabalhadores em regimes não presenciais.

159 pessoas foram ouvidas no Norte do país. Os números também mostram que a segunda-feira é o dia em que mais pessoas costumam trabalhar em casa na região: 32% dos entrevistados. Por outro lado, a quarta-feira é o dia em que mais pessoas vão ao escritório, com 51%.

Questionados sobre a hipótese de serem obrigados a trabalhar exclusivamente no regime presencial, 47% dos trabalhadores afirmam que procurariam outro emprego caso fossem, o que também é o maior percentual entre as regiões, segundo a pesquisa.

“As pessoas criaram toda uma rotina de trabalho em casa. Algumas acharam um cantinho novo, outras deram o famoso ‘jeitinho brasileiro’ para conseguir continuar no home office. E a maioria, agora, não quer deixar isso para trás“, finaliza Reis.

Continue lendo

COTIDIANO

Mais de 100 animais de estimação ainda estão em abrigo no Parque de Exposições após enchente em Rio Branco

PUBLICADO

em

São 84 cães e 35 gatos que continuam no abrigo que foi montado para famílias desabrigadas pela cheia. Departamento de Zoonoses diz que alguns animais aguardam seus tutores irem buscá-los.

Foto: Mais de 100 animais de estimação ainda estão em abrigo no Parque de Exposições após enchente em Rio Branco — Foto: Arquivo/Departamento de Zoonoses.

Mesmo com a vazante do Rio Acre, em Rio Branco, e muitas famílias que ficaram desabrigadas já retornando para suas casas, mais de 100 animais de estimação continuam no abrigo montado no Parque de Exposições Wildy Viana, em Rio Branco. Segundo o Departamento de Zoonoses da capital, são 84 cães e 35 gatos que estão no local.

O gerente do departamento, Herbert Teixeira diz que muitas pessoas perderam tudo que tinham e, por isso, não conseguiram voltar para buscar seus bichinhos. Além disso, tem os animais que estavam abandonados nas áreas alagadas e foram levados ao abrigo. As equipes estão entrando em contato com os tutores para que comecem a retirar os pets.

“Temos vários gatos e cães que estamos aguardando ainda as pessoas virem buscar, algumas perderam casa, perderam tudo e essas não vão conseguir buscar mesmo, mas algumas a gente está ligando para arrumarem um meio de vir buscar e, se for o caso, estamos até entregando para elas. Devagar eles estão saindo, nesta quarta [19] saíram uns 8, e estamos com 120, juntando gato e cachorro”, disse o gerente.

São 84 cães e 35 gatos que continuam no abrigo que foi montado para atingidos pela enchente do Rio Acre — Foto: Arquivo/Departamento de Zoonoses

São 84 cães e 35 gatos que continuam no abrigo que foi montado para atingidos pela enchente do Rio Acre — Foto: Arquivo/Departamento de Zoonoses

Desde que o abrigo foi montado, o local já chegou a receber 687 animais de estimação, entre cães e gatos.

O local foi adaptado para receber os animais: ‘gatils’ para os gatos, e alojamentos para os cachorros. Eles são identificados, alimentados e recebem acompanhamento. Se a família tiver mais de um animal e que convivam bem, eles ficam juntos. Os que, porventura, foram abandonados e se encontram no abrigo, serão disponibilizados para adoção.

Enchente em Rio Branco

A capital acreana vivenciou a terceira maior enchente da história em 2023 e esta foi a mais rápida em termos de alcance de cotas históricas. O manancial chegou à marca de 17,72 metros no dia 2 de abril, são 3,72 metros acima da cota de transbordo, que é de 14 metros.

Pelo menos 75 mil pessoas foram atingidas, 42 bairros alagados e mais de 3,3 mil famílias que precisaram ser levadas a abrigos públicos. No total, mais de 15,4 mil moradores tiveram que deixar suas casas por conta da cheia do manancial. Além disso, 27 comunidades rurais estão isoladas, com 7,5 mil pessoas de mais de 1,8 mil famílias.

Continue lendo

MAIS LIDAS