NOSSAS REDES

ACRE

Aedes aegypti: casos prováveis de dengue no Acre aumentaram em quase 150% em um ano

PUBLICADO

em

Até o último dia 22 de maio, o Acre registrou 10.164 casos prováveis de dengue, que estão entre confirmados e em investigação. Esse número é quase que 150% maior que o número computado no mesmo período de 2020, que foi de 4.078.

Os dados são do Núcleo de Doenças de Transmissão Vetorial, da Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) divulgados ao G1.

O levantamento mostra também que duas pessoas já morreram com dengue no estado este ano. Uma das vítimas morava em Cruzeiro do Sul e a outra em Brasileia, cidades do interior do Acre.

Dos mais de 10,1 mil casos atendidos pelas equipes da vigilância, 9.562 deram positivos para dengue no Acre. Destes, 183 são casos com sinais de alerta, que são de pessoas que apresentam sintomas mais graves, como hemorragia, dores abdominais intensas, entre outros.

Cidades com mais incidência

Os dados mostram também que, atualmente, o Acre tem 13 cidades com alta incidência de casos por 100 mil habitantes. Entre as cidades listadas em situação de alerta, estão:

  1. Acrelândia – 1.103,9;
  2. Assis Brasil – 371,6;
  3. Brasileia – 1.258,3;
  4. Cruzeiro do Sul – 635,4;
  5. Epitaciolândia – 834,4;
  6. Mâncio Lima – 533,4;
  7. Manoel Urbano – 918,5;
  8. Marechal Thaumaturgo – 839,4;
  9. Rio Branco – 1.335,5;
  10. Rodrigues Alves – 914,7;
  11. Sena Madureira – 767,1;
  12. Tarauacá – 3.358,0
  13. Xapuri – 4.220,2

A cidade de Santa Rosa do Purus é única do estado que ainda não registrou casos de dengue em 2021. Já os municípios de Jordão e Porto Walter, ambos isolados com acesso apenas por avião ou barco, estão em situação de baixa incidência. As duas têm um e cinco casos, respectivamente.

Com incidência média estão: Capixaba, Bujari, Feijó, Plácido de Castro, Porto Acre e Senador Guiomard.

Equipes de endemias vão continuar trabalho de vigilância durante o período seco no Acre para evitar mais criadouros — Foto: Divulgação/Prefeitura de Rio Branco/Arquivo

Equipes de endemias vão continuar trabalho de vigilância durante o período seco no Acre para evitar mais criadouros — Foto: Divulgação/Prefeitura de Rio Branco/Arquivo

A capital acreana, Rio Branco, obtém o maior número de casos registrados. São ao todo 5.385 até o último dia 22 de maio. A segunda com mais registros é Tarauacá, com 1.355.

Dificuldades no acesso

O chefe da Divisão de Vigilância Ambiental do Núcleo, Gabriel Mesquita, disse que o alto número de casos de dengue registrados no estado reflete as dificuldades enfrentadas pelas equipes da vigilância durante a pandemia.

Ele explicou que os moradores têm medo de receber os agentes de endemias temendo se contaminar com o novo coronavírus. Sem acesso aos quintais e residências das pessoas, o combate não é feito de forma adequada.

“Tivemos momentos que a população estava com medo, e acabou que não procurou a unidade de saúde, não permitiu o trabalho do agente de saúde dentro de sua casa. Isso é um reflexo do que foi ano passado. Este ano já tivemos uma reflexão maior, a população já se sente mais segura em procurar a unidade de saúde quando tem outro sintoma além da Covid; a dengue acaba que sendo muito parecido com a Covid também, então, há segurança para a população buscar o atendimento também. Isso aumenta nossos casos”, destacou.

Mesquita acrescentou que as equipes do Estado têm mantido contato com a vigilância de cada cidade para ajudar no combate ao Aedes aegypti. Ele frisou que, com a aproximação do período de seca, as equipes vão continuar com os trabalhos de casa em casa para evitar a instalação de criadouros do mosquito no inverno.

“Historicamente, em nosso estado, tinha uma cultura interessante de que os agentes diminuíam o trabalho no período de seca porque não tinha muitos casos. De um tempo pra cá isso acabou, é um momento em que intensifica o trabalho justamente para evitar que no período sazonal da doença não tenha tanto criadouro. As equipes do município continuam nas ruas fazendo a sensibilização da população em atender os agentes, em colaborar porque, afinal, não podemos fazer muita coisa se o morador não permitir a entrada do agente”, pontuou.

O chefe da divisão relembrou também que a população tem um papel fundamental no combate à doença e reforça o pedido de ajuda. “Pedimos que a população colabore, a gente faz um trabalho gigante, nem sempre o município tem agente suficiente para estar trabalhando, é um esforço gigantesco de quem trabalha nesse serviço. A população precisa valorizar e fazer a parte dela”, concluiu.

Área do Leitor

Receba as publicações diárias por e-mail

REDES SOCIAIS

MAIS LIDAS

WhatsApp chat