NOSSAS REDES

Rio Branco

Após anúncio de contaminação em açaí de Rio Branco, exames dão negativo para doença de chagas

Redação do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Dos 4.150 consumidores que fizeram exames, 3.934 deram negativo e outros 218 ainda aguardam análise. Saúde convocou população que consumiu açaí do Mercado Elias Mansour para fazer exame.

Depois de anunciar contaminação no açaí vendido no Mercado Elias Mansour e convocar a população para fazer exame, a Secretaria Municipal de Saúde de Rio Branco afirmou, nesta quinta-feira (21), que 94,8% dos exames deram negativos. Outros 218 exames ainda estão em análise e devem ser divulgados posteriormente.

Ao todo foram feitos 4.150 exames na população que consumiu o açaí do mercado de Rio Branco entre novembro do ano passado e janeiro deste ano. Desses, 3.934 deram negativos e os demais ainda estão em análise, segundo o secretário Oteniel Almeida.

“Nossa intenção desde o início era resguardar a saúde da população. Garantimos que todas as pessoas que nos procuraram realizaram o exame. Até o momento, nós não tivemos nenhum resultado positivo. Temos ainda 218 exames que estarão sendo concluídos até o final do mês e a gente espera que seja dentro dessa normalidade”, disse Almeida,

Os exames começaram a ser feitos no último dia 4 de fevereiro e se estenderam até o dia 18 de fevereiro no Centro de Apoio e Diagnóstico (CAD), ao lado Laboratório de Saúde do Estado (Lacen), atrás do Teatrão.

“É importante a gente ressaltar à população que a gente seguiu o protocolo do Ministério da Saúde ao identificar o protozoário naquela região do Mercado Elias Mansour. As providências foram tomadas e a nossa atribuição foi cumprida”, afirmou o secretário.

A Saúde orienta ainda que a população que venha a consumir produtos como o açaí, procurem comprar de estabelecimentos que tenham alvará sanitário. Segundo o secretário, o plano emergencial que regulariza os comerciantes que estão na “informalidade” está em fase de conclusão.

“Para que a gente possa garantir que as pessoas que queiram desenvolver a atividade econômica, possam desenvolver com qualidade e garantia que o produto vai chegar com a melhor qualidade na mesa do consumidor final. Nesta sexta [22] vai ser concluída uma proposta normativa para o município de Rio Branco para regulamentar os batedores”, concluiu.

Anúncio de contaminação

A Secretaria de Saúde de Rio Branco convocou, no dia 1º de fevereiro, a população de Rio Branco, que comprou e tomou açaí dos fornecedores do Mercado Elias Mansour, para fazer o exame de diagnóstico para doença de chagas.

A convocação ocorreu após fiscalização nos boxes do mercado, onde as amostras do local deram positivas para a doença.

A prefeitura de Rio Branco, através Vigilância Sanitária, fez inspeção, no final do ano nos mercados Elias Mansour, do Quinze, Ceasa e pontos de comércio popular do Manoel Julião. Nestes pontos foram levantadas as amostras do açaí e foi identificado qual a procedência do processamento.

As amostras foram satisfatórias na maioria dos estabelecimentos, com exceção dos pontos de vendas do mercado Elias Mansour, que fica na área central da cidade. Então, quem tomou açaí desse local entre novembro do ano passado e janeiro desse ano, precisou fazer os exames.

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Igreja que ignorou quarentena e reuniu mais de 100 fiéis no AC é alvo de representações do MPF

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Representações cível e criminal foram enviadas para MP-AC investigar prática.

CAPA: Reunião com mais de 100 fiéis na Assembleia de Deus virou alvo de representações do MPF — Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre.

A Igreja Evangélica Assembleia de Deus virou alvo de uma representação do Ministério Público Federal (MPF), após ter reunido mais de 100 fiéis em uma reunião durante a quarentena, na Avenida Antônio da Rocha Viana, em Rio Branco.

O encontro de líderes religiosos foi flagrado por uma equipe da Rede Amazônica Acre, no último dia 18. Em contato com a reportagem no dia seguinte, o presidente do templo sede da Assembleia de Deus, pastor Luiz Gonzaga, confirmou que reuniu entre 100 a 120 fiéis no templo.

O G1 tentou contato com o pastor nesta segunda-feira (29), mas não obteve resposta até a última atualização desta matéria.

O MPF divulgou que enviou, por meio de uma Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC), uma representação cível e criminal contra a igreja e também o pastor Luiz Gonzaga, por desrespeitarem o decreto governamental que proíbe encontros religiosos durante a pandemia do novo coronavírus.

O número de infectados pelo novo coronavírus passou de 13,1 mil, segundo o boletim da Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) desta segunda.

Mais 360 pessoas já morreram vítima da Covid-19 no estado. Outras 7.188 mil pessoas se curaram da doença.

Em nota, o MPF destacou que além de crime, a reunião também é um ilícito contra a saúde pública.

Outro ponto detalhado é que a igreja já teria promovido dois encontros durante a quarentena por causa da pandemia do novo coronavírus.

Ainda na divulgação, o órgão federal detalha que as aglomerações ajudam na propagação e proliferação do novo coronavírus. Além disso, os religiosos têm praticado encontros virtuais e cultos pela web para continuar atendendo os fieis durante a quarentena.

Devido à pandemia do novo coronavírus, cultos e outros encontros religiosos, que possam gerar aglomerações, estão proibidos desde março no estado, quando o governo publicou decreto de suspensão das atividades não essenciais.

Continue lendo

Luto

Advogado que atuou contra o racismo estrutural no Acre morre vítima de câncer

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

José Rodrigues Arimatéia atuou na promoção da igualdade racial no estado. Oab divulgou nota de pesar.

CAPA: Advogado ativista contra o racismo morre vítima de câncer no Acre — Foto: Arquivo pessoal.

Um dos ativistas mais conhecidos na luta contra o racismo estrutural no Acre morreu nesta quarta-feira (24) em Rio Branco. O advogado José Rodrigues Arimatéia, conhecido Ogan Arimatéia, morreu após perder a luta contra o câncer.

Além de advogado, ele foi professor do ensino público e foi chefe do Departamento de Promoção da Igualdade Racial da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos em outras gestões.

Em nota, à Ordem dos Advogados do Brasil seccional Acre (OAB-AC) lembrou a luta de Arimatéia contra o racismo e também contra as religiões de matrizes africanas.

“Ogan deixa um legado em prol da luta contra o racismo estrutural e pela promoção do empoderamento da população negra”, destacou em nota.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias