NOSSAS REDES

Brasília

Bancada evangélica aclama novo presidente e renova apoio a Bolsonaro

Folha de São Paulo, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Silas Câmara (PRB-AM) é escolhido por aclamação em reunião-culto na Câmara

Após uma disputa marcada por rachas internos, a bancada evangélica da Câmara chegou a um consenso nesta quarta-feira (27) e elegeu como seu novo presidente o deputado Silas Câmara (PRB-AM). A escolha, por aclamação, ocorreu em uma reunião-culto na Câmara. 

Com isso, a bancada deixa o processo fortalecida e com um discurso renovado de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), isso em meio a uma crise política que afeta a base do governo no Legislativo, atinge diferentes ministérios e trava a pauta econômica no Congresso

Entre os assuntos sensíveis à bancada evangélica estão o projeto Escola sem Partido (para eliminar suposta doutrinação ideológica nas escolas), o Estatuto do Nascituro, o Estatuto da Família (que reconhece como família apenas a união “entre um homem e uma mulher”) e a abordagem pela educação de temas ligados a gênero.

O bloco evangélico vinha se engalfinhando em um racha inédito entre seus integrantes, que em geral se uniam em torno de um único nome, sem candidatos. Neste ano se inscreveram seis: os novatos Cezinha de Madureira (PSD-SP), Glaustin Fokus (PSC-GO), Flordelis (PSD-RJ) e Abílio Santana (PR-BA), além dos veteranos Silas Câmara e Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), ligado ao pastor Silas Malafaia.

Na reta final, porém, todos renunciaram com um discurso de que a frente precisava de unidade. É como o deputado Fokus disse ao retirar seu nome do páreo: “Estou vendo clima de disputa, para não dizer hostil. Que papai do céu possa trazer paz a esse ambiente”.

Precederam a eleição pistas de que Silas Câmara, deputado há duas décadas, seria mesmo o nome capaz de pacificar o clima descrito dias antes por uma assessora como de “tiro, porrada e bomba”. 

Silas Câmara tem um histórico de problemas com a Justiça. Em 2018, por exemplo, ele e a esposa tiverem a perda dos direitos políticos decretada pela Justiça Federal no Acre. A deputada Antonia Lúcia usou por anos o celular corporativo do marido para atividades extraparlamentares. A sentença ainda não é definitiva, já que ambos, acusados de improbidade administrativa, recorreram.

Em 2010, o STF (Supremo Tribunal Federal) recebeu uma ação penal contra ele. Acusação: peculato. Ele é suspeito de desviar recursos que deveriam ir para o pagamento de servidores de seu gabinete. O dinheiro estariam servindo para bancar o salário de funcionários que trabalhavam em sua casa entre 2000 e 2001.

Marco Feliciano (PODE-SP), ausente por causa de uma cirurgia na boca, divulgou uma carta aberta em que ameaçava deixar a bancada religiosa “no caso da escolha não ser consensual”, com um adendo: “Não serei o único”.

“Temos inimigos suficientes lá fora que já nos rotulam de fisiologistas, sugerem luta pelo poder por parte de líderes religiosos, chegam ao extremo de maldosamente falarem que o DEM já tão prestigiado no governo quer também assumir até a frente.”

DEM é o partido de Sóstenes, que tem Malafaia como cabo eleitoral. Seu nome perdeu força após colegas encrencarem com um dos pontos que ele defendia em sua campanha, o de “promover reuniões com os cônjuges dos parlamentares”.

Esses seriam encontros que levariam, de tempos em tempos, esposas e maridos até Brasília. Para o democrata, a medida diminuiria a traição dos companheiros, que muitas vezes ficam nos estados de origem do parlamentar. Pegou mal.

APOIO A BOLSONARO

Pastor da Assembleia de Deus, o novo líder do bloco é casado com outra deputada, Antônia Lucia (PSC-AC). Quando ela estreou no Congresso, 12 anos após o marido, não abriu mão do auxílio-moradia, ainda que os dois morassem juntos num apartamento funcional em Brasília.

Silas se comprometeu a lutar para que a bancada volte “à sua origem, que é defender os costumes ligados aos céus, à família”. Em seguida, disse que a assessoria do bloco evangélico detectou 1.798 proposições que “afetam diretamente nossa fé”.

Se os evangélicos não se unirem, disse, projetos como o 122, uma proposta de combate à homofobia, virariam lei. “Todas aquelas batalhas que fez o povo chorar e sangrar.”

À Folha o comandante dos evangélicos na Câmara contemporizou uma queixa comum entre eles, a demora para que o presidente Bolsonaro anuncie de uma vez por todas a transferência da embaixada em Israel para Jerusalém, tida como Terra Sagrada.

“Não ouvi o governo dizer que não vai fazer ainda. Vai cumprir a palavra. Estou crendo que [Bolsonaro] está preparando a economia para o momento mais adequado [para oficializar a retirado do corpo diplomático de Tel Aviv]”, afirmou.

Se evangélicos respaldam em massa o governo Bolsonaro, um contraponto à queda de 15 pontos na aprovação do presidente detectada por uma pesquisa Ibope, os deputados que representam o segmento não ficam atrás. Dizem-se Bolsonaro desde criancinhas.

Fora dos microfones há reclamação de falta de diálogo e de espaço no Executivo. Na reunião desta quarta, contudo, todos aplaudiram quando Lincoln Portela (PR-MG), o presidente interino que passou o bastão para Silas, rejeitou que a bancada pressione o governo por cargos e que qualquer deputado fale em nome de todos, sobretudo após circular a notícia de que o bloco prepara um manifesto declarando independência no governo. Não se pode “fazer chantagem” com o presidente, afirmou.

Na sua vez de falar, Silas Câmara disse que não se pode discutir cargos ou coisa que o valha, não se pode discutir “absolutamente nada a não ser o reino [de Deus]”.

Foi dia de casa cheia e cantoria gospel, com voz e violão da deputada estreante Lauriete (PR-ES), ex-mulher do ex-senador Magno Malta (PR-ES), que entoou versos como “eu contigo pisarei”.

Acompanhavam em coro, da primeira fila, Benedita da Silva (PT-RJ) e o mais animado naquele plenário da Câmara, o Pastor Sargento Isidório (Avante-BA). Vinha dele, autodeclarado ex-gay e recordista de votos em seu estado, os gritos mais altos de “glória a Deus”.

A curiosidade pelo pleito atraiu um amplo leque partidário, de Kim Kataguiri (DEM-SP), que é protestante, a Alexandre Padilha (PT-SP), que disse ter pai metodista.

A união da frente parlamentar, que oficialmente tem cerca de 170 integrantes, mas na ativa mesmo menos de 40, será selada com uma Santa Ceia, um hábito em começo e fim de mandatos. A organização costuma ficar a cargo de uma assessora de Paulo Freire (PR-SP), que sempre leva pão e suco de uva no lugar do cálice de vinho da narrativa bíblica.

Antes de puxar uma oração pela bancada, Pastor Eurico (Patri-PE) deu o tom do que seria a manhã desta quarta no plenário 6 da Câmara: “Que o mundo possa ver que nós somos uma coisa diferente, porque Deus não escolheu uma coisa qualquer”. Por Anna Virginia Balloussier.

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!
WhatsApp chat