NOSSAS REDES

ACRE

Bebê que nasceu após parto induzido de grávida em coma em UTI não resiste

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Pai contou que bebê nasceu vivo, mas teve uma parada cardíaca e ainda foi reanimado por quase uma hora. Grávida segue entubada e ainda não sabe que filho morreu.

Internada na UTI com Covid-19, grávida de seis meses foi submetida a parto induzido no Acre — Foto: Arquivo pessoal.

O bebê da acadêmica de psicologia Patydan Castro, de 34 anos, que veio ao mundo com a mãe em coma por meio de um parto induzido não resistiu e morreu nesta segunda-feira (15) na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do pronto-socorro de Rio Branco.

A paciente, que estava no sexto mês de gravidez e com Covid-19, está internada há 10 dias na UTI e a medida foi tomada para não colocar em risco a vida da mãe e do bebê. Segundo o marido dela, o médico Raimundo Castro, o bebê nasceu vivo, mas, em seguida teve uma parada cardíaca e chegou a ser reanimado por quase uma hora pela equipe médica.

“Ele nasceu 22h10, foram cerca de dez horas após a medicação, foi feito bem tranquilo para não maltratar também a mãe. Ela não suportava a cesárea. Nasceu vivo, foi reanimado por bastante tempo, fizeram de tudo. Mas foi feita a vontade de Deus, agora eu tenho um anjinho do lado dela, um anjo da guarda”, disse o pai.

Patydan está internada há 20 dias com a doença no pronto-socorro de Rio Branco. Inicialmente, ela ficou na enfermaria de emergência e depois foi levada para a UTI da unidade. Há oito dias, ela está entubada.

Após o parto induzido, a paciente chegou a ficar em um estado clínico mais crítico, mas, segundo o marido, nesta terça-feira (16), ela está estável. Ela ainda não sabe da perda do bebê.

“Continua entubada, mas estabilizou tudo e hoje vai sair o resultado das culturas, vamos saber quais bactérias estão dentro do pulmão. Ela não sabe o que aconteceu, a sedação foi bem profunda. Ela ainda não tem estrutura para sair do ventilador, mas Deus é grande e até sábado [20] ela vai sair”, afirmou Castro.

Quem também não recebeu a notícia foi a filha do casal de apenas 4 anos. O médico contou que a irmã estava ansiosa para conhecer o bebê, que seria o seu amigo para brincadeiras.

“Não estou bem, é muito trauma, mas sou um homem que tem muita fé em Deus, não recuo não. Agora tem ela, tem minha filha em casa que precisa de mim. Minha filha estava sonhando com o irmão, que ia ser o amiguinho dela, ficava todo tempo falando. Nem a mãe sabe, a gente vai contar para a Pathy só quando ela tiver em casa e bem estável. Ela sonhava todo dia com ele, mas Deus vai confortar”, disse o marido.

Medo de pegar a doença

Por conta da profissão do marido, a acadêmica redobrou os cuidados na gravidez. O médico conta que nem estava dormindo em casa para evitar a contaminação.

Ele também pegou a Covid-19, mas diz que a mulher teria contraído a doença de uma secretária que continuava trabalhando na casa da família durante a quarentena.

“Eu estava em um hotel e quem estava em casa ajudando minha esposa era a secretária. Ela pegou a Covid-19 e com quatro dias depois a minha esposa pegou também. Desde quando tudo começou, em março, ela ficou muito assustada e se isolou no quarto, com muito medo de pegar por conta do bebê que a gente planejou, ela estava se cuidando muito. Mas, infelizmente, essa doença é assim. Agora temos que buscar forças em Deus”, contou.

Na última sexta-feira (12), o médico foi para frente do pronto-socorro e fez uma oração pedindo pela vida da mulher. “Acredito em Deus, fiz essa oração não só para ela, mas para todo o hospital, todos que estão nessa luta, a gente está numa guerra”, lamentou.

O marido chegou a fazer uma campanha pedindo a doação de plasma de pessoas que tiveram a Covid-19 e já são consideradas curadas para ajudar no tratamento da mulher. Se trata de um tratamento experimental em pacientes internados com a doença.

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS VISUALIZADAS

WhatsApp chat