NOSSAS REDES

ELEIÇÕES 2018

Acompanhe: Bolsonaro é esfaqueado em campanha em Juiz de Fora; estado é estável, mas inspira cuidados

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) foi esfaqueado na tarde desta quinta-feira (6) em ato de campanha na cidade de Juiz de Fora, na zona da mata de Minas Gerais, segundo a Polícia Militar do estado.

O candidato era carregado por apoiadores na rua Halfeld, centro na cidade, quando foi atingido por um homem com uma faca. Depois do ataque, Bolsonaro foi retirado do local e levado à Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora, em estado grave.

Segundo apurou a reportagem, Bolsonaro passou por uma laparotomia que descartou um lesão no fígado do candidato, mas constatou outra cinco lesões: na artéria mesentérica superior (que sai da aorta e irriga o intestino e outros órgão dos abdômen), no intestino grosso e três lesões no intestino delegado.

Todas as lesões foram reparadas com sucesso. No início da noite, Bolsonaro estava estável, com pressão arterial normal, hemorragia controlada e sem risco iminente de morte.

No entanto, traumas como os sofridos pelo capitão reformado são marcados por um período crítico de recuperação nas primeiras 48 horas.

Suspeito de ter esfaqueado Bolsonaro, Adelio Bispo de Oliveira, 40, foi filiado ao PSOL de Uberaba (MG) de 2007 a 2014 e em julho divulgou em sua página no Facebook que esteve em uma escola especializada no treinamento com arma de fogo, em Santa Catarina. Ele está detido e vai ser ouvido em audiência nesta sexta-feira. Folha SP.

Que tipo de dano a facada causou ao candidato Jair Bolsonaro? Foi apenas uma facada, mas bem profunda, que, no seu trajeto, lesou várias partes do intestino e uma veia, que foi responsável pela queda de pressão. É uma veia do mesentério, que irriga o abdômen. 

Qual era o estado do candidato quando ele chegou ao hospital? Ele chegou num estado muito grave, com a pressão baixa devido ao sangramento – um estado que chamamos de choque. Ou seja, a situação era gravíssima. 

Qual foi o procedimento adotado? Ele passou por uma avaliação inicial médica e uma tomografia e, imediatamente, ao centro cirúrgico. O sangramento era interno. 

Por isso que era impossível ver o sangue nos vídeos? Exatamente. 

Houve alguma suspeita de lesão no fígado? Não. Isso foi boato. 

Por que a equipe optou pela colostomia? Devido a gravidade da lesão, o intestino poderia infectar e causar vários danos para o paciente. 

Qual é o prognóstico do candidato? Ele está numa situação grave e corre risco de vida, mas tem tudo para sair bem. O prognóstico é muito bom. A expectativa de recuperação é boa. Ele está consciente e já conversou com os filhos. A cirurgia foi muito bem-sucedida.

https://i1.wp.com/f.i.uol.com.br/fotografia/2018/09/06/15362676005b91955001990_1536267600_3x2_md.jpg?w=740&ssl=1

https://f.i.uol.com.br/fotografia/2018/09/06/15362746665b91b0ea9a4fd_1536274666_5x2_th.jpg

https://f.i.uol.com.br/fotografia/2018/09/06/15362656395b918da7154e6_1536265639_5x2_th.jpg

5h12 7.set

Por hoje é só

Termina por aqui a atualização da cobertura.

2h08 7.set

Possível transferência de Bolsonaro para SP será avaliada nesta sexta

Segundo o gastroenterologista Antônio Macedo, do Hospital Albert Einstein de São Paulo, o deputado Jair Bolsonaro será avaliado por volta das 8h para definir sua remoção para São Paulo.

Bolsonaro deverá ser internado na UTI do Einstein, segundo Macedo disse a apoiadores de Bolsonaro. A transferência será feita, se autorizada, por avião-UTI, que está sendo viabilizado por empresários amigos do presidenciável na capital paulista.

Macedo, assim como médicos do hospital rival Sirio-Libanês, está em Juiz de Fora e avaliou Bolsonaro, a quem considerou em estado satisfatório. (Igor Gielow)

  • 1h59 7.set

    Apoiadores de Bolsonaro rechaçam ideia de que agressor é ‘maluco’

    Políticos apoiadores de Jair Bolsonaro rejeitam a ideia de que o agressor tem problemas psicológicos e pedem investigações rigorosas para apurar “se houve mandante do crime”.

    “A história de que o Adelio é maluco não cola”, afirmou o deputado Fernando Francischini, líder do PSL na Câmara, ao deixar o hospital Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora (MG). “Requeri à direção da PF investigar se houve mandante do crime.”

    “Esse cara não é um maluco, não é vítima da sociedade, é um cara preparado, um militante político, um demagogo que deve ter sido incentivado por diversos demagogos. A Polícia Federal vai chegar”, disse o senador Magno Malta (PR-ES).

    Responsável por ter esfaqueado o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), Adelio Bispo de Oliveira, 40, afirmou que a ação foi feita por motivos pessoais e declarou que o agrediu a mando de Deus, segundo informações da Polícia Militar.

    Em depoimento na delegacia, Oliveira afirmou que saiu de casa com uma faca escondida para acompanhar a comitiva, já com a ideia de utilizá-la contra o deputado.

    Uma sobrinha de Oliveira afirmou à Folha que o tio mudou seu comportamento nos últimos três anos. Jussara Ramos disse que ele já havia tido um episódio de surto, falava palavras desconexas e ficava dias preso no quarto.

    “Foi um susto. A gente não entendeu o que aconteceu com ele. Ele mudou muito nos últimos anos, não falava coisa com coisa”, disse, por telefone. (Júlia Barbon)

  • 1h47 7.set

    Preso em flagrante, agressor de Bolsonaro foi autuado pela lei de segurança nacional, diz PF

    Adelio Bispo, 40, que deu uma facada no candidato a presidência pelo PSL nesta quinta-feira (6), foi preso em flagrante por homens da Polícia Federal que faziam a segurança do presidenciável após a agressão.

    Adelio Bispo foi transferido da delegacia da PF em Juiz de Fora para um presídio local às 2h desta sexta

    O flagrante foi lavrado na delegacia de Polícia Federal em Juiz de Fora, no centro da cidade mineira.

    Há a expectativa de que ele seja ouvido já nesta sexta (7) em uma audiência de custódia na Justiça Federal no município. Em tese, a audiência só ocorreria no próximo dia útil, mas a PF e correligionário de Bolsonaro tentam acelerar o processo.

    As informações são de um agente da PF que integra a equipe que cuida do inquérito e que conversou com a Folha sob condição de que seu nome não fosse divulgado.

    De acordo com esse agente, Bispo confessou a agressão.

    Ele foi autuado no artigo 20 da Lei de Segurança Nacional.

    O artigo diz que é crime com oena de reclusão de três a 10 anos quem “devastar, saquear, extorquir, roubar, sequestrar, manter em cárcere privado, incendiar, depredar, provocar explosão, praticar atentado pessoal ou atos de terrorismo, por inconformismo político ou para obtenção de fundos destinados à manutenção de organizações políticas clandestinas ou subversivas”.

    A lei diz ainda que “se do fato resulta lesão corporal grave, a pena aumenta-se até o dobro”. Em caso de morte, a pena pode ser aumentada em até o triplo da pena inicial. (Lucas Vettorazzo)

    1h44 7.set

    Após facada, Bolsonaro fala em vídeo gravado por senador no hospital

    Em um vídeo gravado no hospital em Juiz de Fora, o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) disse que “nunca fez mal a ninguém” e que no momento em que foi esfaqueado achou que parecia “apenas uma pancada”.

    Ele comparou com uma bolada em um jogo de futebol. “A dor era insuportável. E parecia que tinha algo mais grave acontecendo”, disse ele.

    O vídeo foi feito no leito do hospital pelo senador Magno Malta (PR-ES), que foi visitá-lo junto com filhos do candidato a presidente.

    Falando com dificuldade, ele agradeceu à equipe de médicos e enfermeiros que, disse, impediu que o pior acontecesse.

    Ele lamentou ainda que não poderá comparecer a um desfile de Sete de Setembro, no Rio. “Eu me preparava para um momento como esse, porque você corre riscos”, disse.

    Na gravação, Magno Malta aparece fazendo uma oração sobre o leito de Bolsonaro e pede a Deus pela recuperação do candidato.

    1h32 7.set

    Filho de Bolsonaro fala sobre a extensão do ferimento

    Em um vídeo gravado no hospital em Juiz de Fora, na madrugada desta sexta-feira, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC-SP), filho de Jair Bolsonaro, disse que a faca “entrou 12 centímetros dentro dele”.

    “Foi por um milagre que ele tá vivo. Se ele demorasse mais cinco minutos para chegar no hospital, ele teria morrido”, disse Eduardo, que acrescentou que a primeira equipe de atendimento foi responsável por salvá-lo.

    O filho afirmou que o pai está consciente, se recuperando da cirurgia e falando. “A gente tem evitado chegar perto para não cansá-lo.”

    No vídeo, Eduardo levantou suspeitas sobre a participação de outras pessoas no crime. “Muitos já falam que existem investigações que a faca não veio somente na mão do criminoso que deu a facada. Ela rolou na mão de outras pessoas antes.”

Apoiadores de Bolsonaro divulgam foto do capitão reformado

Apoiadores de Jair Bolsonaro (PSL) divulgaram foto na qual o capitão reformado aparece em uma maca. O candidato à Presidência pelo PSL foi esfaqueado durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG) na tarde de quinta (6).

Reprodução
Foto divulgada por apoiadores de Jair Bolsonaro (PSL) mostra o presidenciável após passar por cirurgia em hospital de Juiz de Fora (MG)
Foto divulgada por apoiadores de Jair Bolsonaro (PSL) mostra o presidenciável após passar por cirurgia em hospital de Juiz de Fora (MG)
  • 1h21 7.set

    Bolsonaro está falando com dificuldade, diz senador Magno Malta

    Segundo o senador Magno Malta (PR-ES), que visitou Jair Bolsonaro (PSL-RJ) no hospital dez Juiz de Fora na noite desta quinta (6), o candidato está falando com dificuldade.

    “Os médicos não querem que ele fale mas ele é teimoso. A única coisa que ele sentiu foi o sentimento de um soco no estômago. Você perde a fala e dói, e dali pra frente ele não viu muita coisa, não sabia o que estava acontecendo. O médico diz que foi por um triz.” (Júlia Barbon)

    Pedro Prado/Farpa/Folhapress
    O senador Magno Malta (PR-ES) fala com a imprensa após deixar hospital em Juiz de Fora MG onde Bolsonaro está internado
    O senador Magno Malta (PR-ES) fala com a imprensa após deixar hospital em Juiz de Fora MG onde Bolsonaro está internado
    1h14 7.set

    Autor do atentado a Bolsonaro diz que agiu por motivos pessoais e a mando de Deus

    Responsável por ter esfaqueado o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), Adelio Bispo de Oliveira, 40, afirmou que a ação foi feita por motivos pessoais e declarou que o agrediu a mando de Deus, segundo informações da Polícia Militar.

    Em depoimento na delegacia, Oliveira afirmou que saiu de casa com uma faca escondida para acompanhar a comitiva, já com a ideia de utilizá-la contra o deputado.

    Leia mais

    0h55 7.set

    ‘Acabaram de eleger o presidente, vai ser no primeiro turno’, diz filho de Bolsonaro

    “Ele está mais forte do que nunca, consciente, conversando, bem humorado. Um recado para esses bandidos que tentaram arruinar a vida de um cara que é um pai de família, que é esperança para todos os brasileiros: vocês acabaram de eleger o presidente, vai ser no primeiro turno”, disse Flávio Bolsonaro.

    O filho do candidato Jair Bolsonaro, atualmente deputado estadual e candidato do PSL a senador pelo Rio, deu a declaração ao deixar o hospital Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora (MG) e foi aplaudido por apoiadores. (Júlia Barbon)

    Pedro Prado/Farpa/Folhapress
    Flavio Bolsonaro fala na porta do hospital em Juiz de Fora,onde o pai, Jair, está internado depois de levar uma facada
    Flavio Bolsonaro fala na porta do hospital em Juiz de Fora,onde o pai, Jair, está internado depois de levar uma facada

    Marina Silva ‘roga a Deus’ pela vida de Bolsonaro e pede que brasileiros mantenham a calma

    Em vídeo divulgado nas redes sociais na madrugada desta sexta-feira (7), a candidata da Rede, Marina Silva, afirmou que roga a Deus pela recuperação de Jair Bolsonaro (PSL), pediu investigação do atentado contra o deputado e “calma” aos brasileiros.

    “Em primeiro lugar, rogo a Deus pela vida e pela plena recuperação da saúde do deputado Jair Bolsonaro, pela sua segurança e de sua família. Segundo, quero repudiar a violência que deve ser condenada venha de onde vier, seja contra quem for”, afirmou, em vídeo de cerca de um minuto e meio publicado no Twitter.

    Ela continua: “Terceiro, exigir do governo federal que investigue com vigor esse crime para mostrar com clareza tudo que aconteceu de modo a não deixar população brasileira a mercê de boatos e sem informação confiável e que o culpado ou culpados sejam punidos na forma da lei.”

    “Finalmente, quero pedir a todos os brasileiros e brasileiros, vamos impedir que a violência tome conta do nosso país começando por não permitir que ela tome conta de nós mesmos. Nossos sentimentos, nossas palavras e nossos atos devem ser para promover a paz, manter a calma, confiar na justiça. quanto ao processo eleitoral desejo que o candidato Jair Bolsonaro se recupere e a campanha siga seu curso sem sobressaltos nem ameaças à democracia. que deus acalme nossos corações e ilume o coração de cada um de nós brasileiros”, disse Marina.

    A candidata divulgou após o atentado a faca contra o deputado que não fará agendas nesta sexta. Ela deve permanecer em São Paulo ou voltar para Brasília, sede de sua campanha.

    Também está sob avaliação a manutenção de caminhada pela rua 25 de Março, na capital paulista, no sábado (8). Integrantes da campanha avaliam que os ânimos deverão estar muito acirrados para uma agenda pública em uma das ruas mais movimentadas de São Paulo. (Angela Boldrini)

  • Homem que esfaqueou Bolsonaro é contido por apoiadores do candidato

    Felipe Couri/Tribuna de Minas/Reuters
    Apoiadores de Bolsonaro detém homem que esfaqueou o candidato à Presidência pelo PSL durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG)
    Apoiadores de Bolsonaro detém homem que esfaqueou o candidato à Presidência pelo PSL durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG)

    Mulher de Bolsonaro chega a hospital

    A mulher do candidato Jair Bolsonaro, Michelle Bolsonaro, chegou ao hospital sem falar com a imprensa.

    Policiais militares, policiais federais e seguranças particulares do hospital reforçam a segurança. (Júlia Barbon)

    Leo Correa/AP
    Michelle Bolsonaro, a mulher do candidato Jair Bolsonaro, chega ao hospital em Juiz de Fora
    Michelle Bolsonaro, a mulher do candidato Jair Bolsonaro, chega ao hospital em Juiz de Fora

    Vice de Bolsonaro vai manter agenda na sexta

    O general Hamilton Mourão (PRTB), vice na chapa de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência, anunciou que vai manter a agenda prevista para esta sexta (7), apesar do ataque sofrido pelo presidenciável do PSL durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG).

    Mourão deve sair de Porto Alegre e chegar ao Rio de Janeiro por volta das 14h. Ele vai conceder uma entrevista ao vivo para a GloboNews às 22h30.

    Via assessoria, o vice de Bolsonaro disse estará envolvido ao longo do dia com uma possível transferência de Bolsonaro para um hospital em São Paulo. Ele também informou que não vai atender outros veículos de comunicação nesta sexta. (Rodrigo Borges Delfim)

    Três médicos do Sírio-Libanês chegam a Juiz de Fora e avaliam Bolsonaro

    Três médicos do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo, chegaram a Juiz de Fora (MG) no fim da noite desta quinta (6) e se juntaram a dois médicos da Santa Casa de Misericórdia da cidade para avaliar se o senador Jair Bolsonaro (PSL-RJ) poderia ser transferido a outro hospital.

    A conclusão foi que eles farão uma nova avaliação às 8h desta sexta (7). Segundo a assessoria do hospital, ainda não se sabe para onde ele seria transferido nem quando.

    Os médicos do Sírio são Ludhmila Abrahão Hajjar, Filomena Galas e Juliano Pinheiro de Almeida. Eles se juntam ao cirurgião do aparelho digestivo Luiz Henrique Borsato e a cardiologista Eduardo Borato.

    Foi avaliado que ele não tem estabilidade hemodinâmica para ser transferido neste momento. (Júlia Barbon)

    Haddad diz que não é preciso obrigar o PT a escrever outra carta ao mercado

    Candidato a vice na chapa do PT ao Planalto, Fernando Haddad afirmou nesta quinta-feira (6) que não é preciso obrigar seu partido a escrever outra carta ao mercado.

    Em referência à Carta aos Brasileiros, divulgada em 2002 para tentar mostrar uma face mais moderada do ex-presidente Lula, Haddad afirma que o programa econômico petista será radical caso o partido seja eleito em outubro.

    “A única intervenção que estamos propondo é em relação ao cartel de bancos”, disse Haddad em entrevista à GloboNews. “Estão querendo obrigar o PT a escrever outra carta ao mercado, e não precisa”, completou.

    O candidato a vice na chapa de Lula –que teve sua candidatura barrada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na semana passada– admitiu erros na condução da política econômica do governo Dilma Rousseff entre 2013 e 2014, mas evitou contabilizá-los como a causa para o impeachment da petista.

    “A crise política tem que ser colocada na conta da recessão econômica”, afirmou. Para ele, uma espécie de “sabotagem” dos adversários de Dilma a impedia de aprovar medidas importantes para a estabilidade econômica.

    Haddad deve ser anunciado como o substituto de Lula na chapa do PT ao Planalto na terça-feira (11), mas evitou, como sempre tem feito, colocar-se como candidato. (Marina Dias)

    Impacto do atentado levará Bolsonaro ao segundo turno, diz Doria

    O candidato ao governo de São Paulo pelo PSDB, João Doria, comentou em encontro com líderes empresariais na capital paulista o impacto político do atentado a Jair Bolsonaro, esfaqueado nesta quinta (6). Ele faz uma previsão sombria para o candidato a presidente do seu partido, o PSDB. “A meu ver”, diz Doria, “Jair Bolsonaro está no segundo turno das eleições por força do atentado que sofreu hoje”.

    A fala de Doria foi registrada em vídeo pelos convidados. No trecho a que Daniela Lima teve acesso, o candidato parece falar sobre o revés para a estratégia de Alckmin no horário eleitoral. “Ao contrário do que ele desejava, ele só vai estimular e vai favorecer o Jair Bolsonaro”, diz. O presidenciável tucano vem atacando Bolsonaro na TV. (Painel)

    Eduardo Anizelli – 16.ago.2018/Folhapress
    O candidato João Doria (PSDB) durante debate entre candidato ao governo de São Paulo
    O candidato João Doria (PSDB) durante debate entre candidato ao governo de São Paulo

    ‘Ministério Público nunca ganhou nem vai ganhar uma ação contra mim’, diz Haddad

    Candidato a vice na chapa do PT ao Planalto, Fernando Haddad atacou o Ministério Público nesta quinta-feira (6) e disse que a promotoria “nunca ganhou nem vai ganhar” uma ação contra ele.

    O MP acusa o petista de improbidade por suposto recebimento de caixa dois. Segundo o órgão, Haddad soube de repasse para pagar dívidas de sua campanha pela empreiteira UTC já durante seu mandato como prefeito de São Paulo.

    Haddad negou as acusações e argumentou que as ações do MP apareceram somente depois que ele foi indicado a vice na chapa do ex-presidente Lula, que teve sua candidatura barrada na semana passada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

    O ex-prefeito de São Paulo deve ser o substituto de Lula na chapa a partir de terça-feira (11).

    “Quantas ações o MP perdeu para mim? O MP nunca ganhou uma ação movida contra mim e nem vai ganhar. E essas ações foram protocoladas agora, coincidentemente quando me tornei vice do Lula”, afirmou o petista em entrevista à GloboNews. “Porque cancelei uma obra superfaturada pela UTC”, completou.

    Haddad admitiu ainda que houve erro na condução da política econômica do governo Dilma Rousseff em 2013 e 2014. Argumentou, porém, que em 2015 e 2016 a crise foi causada por uma “sabotagem” política praticada pela oposição ao PT, que levou ao impeachment da presidente. (Marina Dias)

    ‘Polarização não trouxe prejuízo institucional ao país’, diz Haddad

    O candidato a vice na chapa do PT ao Planalto, Fernando Haddad, afirmou nesta quinta-feira (6) que a polarização entre direita e esquerda “não trouxe prejuízo institucional para o país”.

    Na opinião do petista, o agravamento do cenário aconteceu somente quando a vitória de Dilma Rousseff (PT), em 2014, foi contestada pelo PSDB.

    Durante entrevista à GloboNews, Haddad rechaçou a ideia de que a tese de “uns contra os outros”, habitualmente alardeada pelo ex-presidente Lula durante as campanhas eleitorais, levou à radicalização do processo político.

    “Uns contra os outros, na qualidade de inimigos, sim [incita radicalização]. Na qualidade de adversário é benefício”, completou.

    A declaração do candidato a vice foi feita horas depois de um atentado ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), que foi esfaqueado durante evento em Juiz de Fora (MG) nesta quinta.

    Haddad lamentou o ocorrido e disse que, em respeito à audiência do programa, não havia desmarcado o compromisso. Mais cedo, o petista classificou o ataque a Bolsonaro como “absurdo” e “lamentável”.

    O petista afirmou ainda que estava ali na condição de vice na chapa de Lula –o ex-presidente teve sua candidatura barrada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na semana passada e o PT tem até terça-feira (11) para indicar uma substituição na chapa. (Marina Dias)

    Paulo Whitaker – 5.set.2018/Reuters
    O candidato a vice na chapa do PT ao Planalto, Fernando Haddad
    O candidato a vice na chapa do PT ao Planalto, Fernando Haddad
    23h12 6.set

    Doze agentes da PF faziam a segurança de Bolsonaro na hora do ataque

    A Folha apurou que 12 policiais federais atuavam na segurança do deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) no momento em que ele sofreu o atentado numa rua de Juiz de Fora (MG).

    A equipe total destinada ao candidato é de 21 policiais federais, coordenada pelo delegado Daniel França.

    A PF informou que considera o nível empregado na segurança do candidato “o mais alto”, até maior do que o destinado a chefes de Estado durante as Olimpíadas do Rio de Janeiro em 2016.

    A Polícia Federal não confirma que esteja investigando uma segunda pessoa por eventual participação no atentado contra o candidato.

    Para a PF, a suposta prisão deve ser esclarecida pela Polícia Civil de Minas Gerais. O inquérito é conduzido pela PF.

    Quatro delegados de Brasília foram enviados a Juiz de Fora, de avião, na tarde de hoje, para reforçar a equipe da PF de Juiz de Fora. (Rubens Valente)

Presidente do PSL e Frota estiveram no hospital à noite

Após tomar uma facada em comício em Juiz de Fora (MG), o candidato à Presidência Jair Bolsonaro foi operado e pode ficar até dez dias hospitalizado. Segundo a Santa Casa, seu quadro de saúde é estável.

Renato Vilella Loures, presidente da instituição, afirmou que o deputado teve uma lesão em uma veia do mesentério, no abdômen, e no intestino delgado, além de ter o cólon transverso, no intestino grosso, atingido.

“Optamos por fazer uma ressecção da lesão e colocamos uma colostomia dada à gravidade do paciente.”, diz Cícero Rena, chefe do departamento de cirurgia. O procedimento levou cerca de duas horas.

Ainda segundo Rena, Bolsonaro chegou ao hospital consciente e desenvolveu um quadro de choque hemorrágico. “Nestes casos, o tempo é função primordial para o sucesso do atendimento. Em caso de ferimentos por arma branca, o que mata é a hemorragia. A partir do momento em que a hemorragia é coibida, as coisas começam a melhorar”, disse, considerando que a lesão colocou a vida do presidenciável em risco.

A situação de Bolsonaro era considerada grave ao chegar ao hospital. “Neste momento, o paciente não tem condições de ser transferido”, disse o cirurgião Gláucio Souza. Ainda não há previsão de alta. “Pode levar duas semanas. Depende de como ele vai evoluir. A evolução na UTI tem sido muito boa”, completou.

Uma equipe do Hospital Sírio-Libanês vem a cidade para monitorar o caso. A previsão é de que os profissionais cheguem a Juiz de Fora à meia-noite. O médico Cícero Rena afirmou que a recuperação da cirurgia é relativamente boa e deve ocorrer em um prazo de tempo consideravelmente curto. “Se amanhã ele estiver bem, acredito que possa ser transferido à tarde, se assim a família quiser.”

Foi feita a emenda do intestino, com a opção temporária pela colostomia. Inicialmente, a colostomia pode permanecer por um período de até dois meses. Depois o candidato deverá passar por uma nova cirurgia para a retirada do procedimento. Para Gláucio, o tempo mínimo de hospitalização deve ser de uma semana a dez dias. “Mas é muito subjetivo”, afirma.

Após a hospitalização, pode ser necessário um repouso relativo e um período de recuperação. Como há risco de infecção, o candidato está sendo tratado com antibióticos. O atendimento foi feito por uma equipe médica local formada por dois cirurgiões vasculares, três cirurgiões gerais e outros médicos atuando na retaguarda dos trabalhos.

Quando recobrou a consciência após a cirurgia, Bolsonaro recebeu a visita de dois filhos. O candidato deve passar a noite com uma sedação leve.

Já próximo das 22h, o presidente nacional do PSL, Gustavo Bebiano, esteve no hospital e classificou o ataque como uma covardia. “Os médicos tiveram que abrir do peito até a parte baixa da barriga procurando lesões nos órgãos. Ele está lúcido e murmurando; está estável.”

Ao lado do ator Alexandre Frota, que também esteve no local, Bebiano disse ainda que a candidatura de Bolsonaro à Presidência da República está mantida. “Ele vai continuar a campanha onde é forte, nas redes sociais, virtualmente. Ele está recebendo apoio de milhões e milhões do Brasil inteiro que não param de mandar mensagem.” (Renato Salles)

23h00 6.set

Campanha de Amoêdo cancela agenda de sexta

A campanha do candidato à Presidência João Amoêdo (Novo) suspendeu as caminhadas e passeatas previstas para esta sexta (7).

O cancelamento, segundo sua assessoria de comunicação, é “devido aos acontecimentos de hoje e por solidariedade ao candidato Bolsonaro”, que foi esfaqueado durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG), nesta quinta (6). (Rodrigo Borges Delfim)

22h55 6.set

Mourão compara ataque a Bolsonaro a assassinato de Marielle

Candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB) comparou o ataque ataque a faca sofrido pelo deputado em Juiz de Fora (MG) ao atentado sofrido pela ex-vereadora do Rio Marielle Franco, assassinada em março.

“Qual é a tese em relação à morte da Marielle? Que ela foi assassinada em função da atividade que tinha em determinadas comunidades do Rio de Janeiro e que feriu os interesses das milícias. O Bolsonaro, no momento em que está em uma posição de destaque na campanha e tem uma palavra diferente daquilo que o establishment brasileiro considera que hoje seria a necessidade, pode ser exposto por um ato desta natureza”.

O militar esteve em Porto Alegre (RS) na noite deste quinta-feira (6), onde falou na abertura do 33º Congresso Brasileiro de Neurocirurgia, no qual foi aplaudido de pé.

“É um momento em que a gente tem que agir com calma, tem que baixar as tensões. É um processo político, não é uma guerra civil”, disse. “Ódios e paixões não vão de acordo com as nossas tradições”, ponderou.

De acordo com o militar, Bolsonaro não estava usando colete à prova de balas no comício da cidade mineira.

Ele disse que ainda é cedo para avaliar o impacto do ocorrido sobre a chapa, mas estimou que Bolsonaro possa ser obrigado a se afastar da campanha, período no qual Mourão deve assumir os compromissos eleitorais

“Bolsonaro sairá desse processo maior do que entrou”, afirmou.

Mourão também comentou o estilo agressivo do político do PSL, mas negou que o discurso do militar alimente o ódio, pois seria apenas “figura de retórica”. (Alexandre Elmi)

21h54 6.set

Autor de ataque a Bolsonaro participava de manifestações em Uberaba

Durante o período em que viveu em Uberaba (MG), Adélio Bispo de Oliveira, que atacou com uma faca o candidato à Presidência Jair Bolsonaro, trabalhou como servente de pedreiro e mudou diversas vezes de endereço, morando em pelo menos três bairros da periferia local.

As informações são do dirigente do PSOL na cidade mineira, Eustáquio Reis, partido ao qual Oliveira foi filiado entre maio de 2007 e dezembro de 2014.

“Ele foi filiado do partido, sim. Mas era daqueles que se filiam e depois somem”, afirmou.

O dirigente lembra que conheceu Adélio durante uma série de manifestações em Uberaba contra o ex-ministro Anderson Adauto, absolvido no mensalão, em 2005, e prefeito do município na época.

A liderança da sigla aceitou o pedido de filiação porque Oliveira era uma pessoa ativa no cenário político local. “Nós o víamos sempre na Câmara. Era uma pessoa que falava de forma direta”, acrescenta Reis. (Gisele Barcelos)

  • 21h48 6.set

    Governador do Rio de Janeiro envia mensagem de solidariedade a Bolsonaro

    O governador do Estado do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, enviou uma mensagem de solidariedade ao Bolsonaro e família.

    “Manifesto minha solidariedade ao deputado federal eleito pelo Rio de Janeiro Jair Bolsonaro, e também à sua família, atacado hoje a faca em ato de campanha eleitoral, e desejo sua pronta recuperação. O ato representa um ataque à democracia, inaceitável. Repudio qualquer manifestação de violência, ódio e intolerância contra os cidadãos”.

  • 21h47 6.set

    Bolsonaro ainda corre risco, mas chances de recuperação são muito boas, diz médico

    O médico Glaucio Souza, um dos cirurgiões que operou Jair Bolsonaro, afirmou à Folha que o candidato do PSL ainda corre risco de morte, mas suas chances de recuperação são muito boas. (Raquel Landim)

    Leia mais

21h44 6.set

Atentado a Bolsonaro deve ser repudiado por todos, diz Carlos Marun

O ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun, disse que a tentativa de assassinato sofrida por Jair Bolsonaro é uma ação pusilânime que tem que ser repudiada por todos.

“Trata-se de ato nefasto que agride o candidato e a nossa Democracia. Ao mesmo tempo deve servir de alerta contra a doutrina do ódio que vêm dominando a vida brasileira. Por isto concluo desejando plena e pronta recuperação ao colega deputado e clamando pela sensatez e pelo respeito a nossa tradição de eleições pacíficas e democráticas.” (Daniel Carvalho)

21h30 6.set

Pessoas fazem vigília por Bolsonaro em Juiz de Fora (MG)

Andre Penner/AP
Pessoas acendem velas durante vigília em Juiz de Fora (MG) em apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), que foi esfaqueado durante ato de campanha na cidade
Pessoas acendem velas durante vigília em Juiz de Fora (MG) em apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), que foi esfaqueado durante ato de campanha na cidade
  • 21h18 6.set

    Haddad cancela agenda eleitoral após atentado a Bolsonaro

    Vice na chapa de Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-prefeito Fernando Haddad cancelou a agenda do dia 7 de setembro.

    Ele participaria da 24 edição do Grito dos Excluídos, em São Paulo. (Catia Seabra)

21h15 6.set

Nível de segurança aos candidatos é ‘o mais alto’ e não havia informação sobre ataque, diz PF

A Polícia Federal considerou, após uma avaliação preliminar, que não houve erros na escolta dada pelo órgão ao candidato Jair Bolsonaro em Juiz de Fora (MG).

O setor de inteligência não havia recebido nenhuma informação que indicasse a iminência de um ataque, segundo o órgão. Informações desse tipo podem levar a PF a tentar convencer um político ou uma autoridade sob escolta a cancelar compromissos. Os policiais não têm poder de veto sobre a agenda do protegido.

A PF afirma que os níveis de segurança empregados não só para Bolsonaro, mas para todos os presidenciáveis nestas eleições “são os mais altos, até acima dos oferecidos aos chefes de Estado que participaram das Olimpíadas no Rio de Janeiro” em 2016.

Mesmo considerando que “os rígidos padrões recomendados” foram mantidos na escolta de Bolsonaro, a PF deverá reforçar a segurança de todos os candidatos nos próximos dias, como forma de precaução. Não foi revelado, por razões de segurança, o número de policiais federais que atuavam na escolta de Bolsonaro.

A direção-geral da PF, em Brasília, disse que vai convidar os coordenadores das campanhas presidenciais para reuniões sobre a segurança dos candidatos. Provavelmente, diz a PF, nessas reuniões serão reforçadas as recomendações para que os candidatos evitem exposições desnecessárias e riscos físicos em suas atividades de campanha.

A PF reconheceu que trabalha com limites legais para a atividade de escolta. “O policial da escolta pode advertir, alertar, recomendar, mas o candidato é livre para fazer sua campanha. É um risco que se corre o tempo todo”, informou um policial. (Rubens Valente)

21h07 6.set

Bolsonaro não tem condições de ser transferido

Em coletiva na Santa Casa de Juiz de Fora, onde Jair Bolsonaro está internado, Cícero Rena, chefe de departamento de cirurgia, afirma que Bolsonaro não tem condições de ser transferido do hospital no momento.

“As lesões causadas por armas brancas têm em tese risco para a vida. Neste momento o paciente não tem condições de ser transferido”, afirma.

A cirurgia demorou cerca de duas horas. Ainda há risco de infecção no abdômen e ele está sendo tratado com antibióticos.

Uma equipe do Hospital Sírio Libanês vai à cidade para monitorar o caso. “[Uma transferência] pode levar duas semanas. Depende de como ele vai evoluir. A evolução na UTI tem sido muito boa”, completa Rena.

Segundo o cirurgião Gláucio Souza, o estado de saúde de Jair Bolsonaro compromete a agenda de campanha e afirmou que o tempo de hospitalização deve ser de pelo menos uma semana ou dez dias. “Depois, ainda será preciso um período de repouso”, diz.

O hospital informa que, inicialmente, a colostomia de Jair Bolsonaro pode permanecer por um período de até dois meses. Depois o candidato deverá passar por uma nova cirurgia para a retirada do procedimento. (Renato Salles)

21h06 6.set

Equipe médica diz que Bolsonaro chegou em choque e agora está estável

Renato Vilella Loures presidente da Santa Casa apresentou a equipe médica que atendeu Jair Bolsonaro em Juiz de Fora.

Cícero Rena, chefe de departamento de cirurgia, foi o responsável pela equipe que prestou atendimento ao paciente. Luiz Henrique Borsato da equipe de cirurgia afirmou que o candidato deu entrada com sinais de choque, com grande hemorragia.

Ele teve lesão de um veia do abdômen, lesão grave no cólon transverso e no intestino grosso.

“Optamos por fazer uma ressecção da lesão e colocamos uma colostomia, dada à gravidade do paciente. As lesões que colocavam em risco o vida do paciente foram tratadas e ele está estável no momento”, diz o médico. (Renato Salles)

21h00 6.set

Agressor diz à polícia que esfaqueou Bolsonaro por motivos pessoais e a mando de Deus

Após esfaquear o candidato à Presidência Jair Bolsonaro em comício em Juiz de Fora (MG), Adélio Bispo de Oliveira afirmou que a ação foi feita por motivos pessoais e, em certos momentos, declarou que agrediu o deputado a mando de Deus, segundo informações da Polícia Militar.

Em depoimento na delegacia, Oliveira afirmou que saiu de casa com uma faca de uso pessoal escondida para acompanhar a comitiva, já com a ideia de utilizá-la contra o deputado. O ato ocorreu na rua Halfeld, no centro da cidade mineira, por volta das 15h45.

No momento, o candidato estava cercado por simpatizantes de sua candidatura, no ombro de membros de sua equipe.

Segundo a Polícia Militar, a segurança do evento seria feita pela Polícia Federal —a PM ficaria responsável por garantir a fluidez do trânsito e a segurança dos pedestres.

Após a facada, Oliveira foi contido e agredido pelos próprios manifestantes. Um cabo da Polícia Militar que avistou o ataque imobilizou o agressor e o encaminhou para o interior de um edifício na própria rua para garantir a sua integridade física até que outros policiais chegassem ao local.

Enquanto Bolsonaro foi encaminhado à Santa Casa de Juiz de Fora, Oliveira foi encaminhado à delegacia da Polícia Federal para ser ouvido.

20h58 6.set

Mortes e atentados fazem parte do histórico de ações contra políticos no Brasil

Ataques a políticos no Brasil, que chamam a atenção da mídia e da população, estão presentes no Brasil com mais repercussão desde o século retrasado. Assassinatos, tiros, brigas e até bolinha de papel fazem parte do histórico de ações contra políticos.

Um levantamento feito por pesquisadores da UniRio (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro) mostra que foram assassinados 79 candidatos que concorreram às eleições ocorridas entre 2000 e 2016 -os casos diferem da execução da vereadora Marielle Franco (PSOL), que não estava em campanha, mas indicam os riscos da atuação política, que se concentram, mas vão além do período eleitoral. (Banco de Dados – Acervo)

Leia mais

  • 20h35 6.set

    Alckmin suspende agenda eleitoral nesta sexta

    O presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin, informou que suspenderá sua agenda eleitoral desta sexta-feira (7) por causa do ataque sofrido por seu adversário Jair Bolsonaro (PSL).

    “Em respeito ao deputado Jair Bolsonaro, que se recupera do atentado sofrido nesta quinta-feira (6), a campanha de Geraldo Alckmin suspendeu suas atividades nesta sexta-feira (7), adiando os compromissos previamente agendados”, informou a campanha tucana em nota.

    Ele visitaria a obra social Fazenda da Esperança em Guaratinguetá (SP). (Daniel Carvalho)

  • 20h31 6.set

    Ataque a Bolsonaro obriga campanha de Alckmin a mudar estratégia

    O ataque sofrido por Jair Bolsonaro (PSL) nesta quinta-feira (6) obrigou a equipe de Geraldo Alckmin (PSDB) a fazer mudanças de última hora na estratégia que vinha adotando para desconstruir o adversário e tentar fazer o candidato tucano crescer nas pesquisas de intenção de voto.

    Segundo um integrante da campanha de Alckmin, as peças publicitárias com críticas ao capitão reformado do Exército serão suspensas até nova avaliação dos coordenadores que assessoram o tucano.

    As inserções –vídeos de 30 segundos que passam na TV ao longo do dia– serão substituídas por material que já está pronto.

    No entanto, não houve tempo de fazer uma mudança imediata e peças que têm Bolsonaro como alvo ainda estão sendo veiculadas.

    No início da noite desta quinta, foi ao ar o vídeo em que Bolsonaro aparece xingando a deputada Maria do Rosário (PT-RS). (Daniel Carvalho)

    Leia mais

20h28 6.set

Candidatos ao governo do Rio repudiam ataque a Bolsonaro e pedem punição exemplar

Os candidatos ao governo do Rio de Janeiro Eduardo Paes (DEM) e Romário (Podemos) também usaram as redes sociais para manifestar repúdio ao ataque a Jair Bolsonaro. O capitão reformado é deputado federal eleito pelo estado.

Ambos também pediram punição exemplar ao responsável pelo atentado. (Rodrigo Borges Delfim)

  • 20h23 6.set

    Após atentado, Marina Silva não terá agenda de campanha no feriado

    A candidata Marina Silva, da Rede, divulgou em nota nesta quinta-feira (6) que não terá agenda de campanha nesta sexta-feira (7) em razão do atentado sofrido pelo concorrente Jair Bolsonaro (PSL).

    “Devido às circunstâncias excepcionais, Marina Silva não terá agenda nesta sexta-feira (7), até segunda ordem”, diz a nota.

    A candidata permanecerá em São Paulo, onde deve participar de debate no domingo (9). Não havia evento de campanha definidos para o feriado da Independência. (Angela Boldrini)

  • 20h20 6.set

    Violência contra candidato atinge a democracia, diz procuradora-geral

    “A violência contra candidato e eleitores é violência contra a democracia, que exige convivência pacífica, direito de reunião e liberdade de expressão. As eleições devem ser livres e justas, para que a vontade popular seja exercida sem qualquer coerção, pelo que são inteiramente incompatíveis com atos de violência”, diz em nota a procuradora-geral, Raquel Dodge.

  • 20h18 6.set

    Em instantes, hospital falará com jornalistas sobre Bolsonaro

    A coletiva de imprensa que vai divulgar informações atualizadas sobre o estado de saúde de Jair Bolsonaro e os procedimentos médicos a que o candidato foi submetido começará em instantes na Santa Casa de Juiz de Fora (MG).

  • 20h10 6.set

    Autor de facada contra Bolsonaro não demonstrava perfil violento, diz líder do PSOL em Uberaba

    O dirigente do PSOL em Uberaba, Eustáquio Reis, afirma que Adélio Bispo de Oliveira, acusado do atentado contra Jair Bolsonaro nesta quinta-feira (6) em Juiz de Fora (MG), não demonstrava ter perfil violento no período que foi filiado à sigla. No entanto, o líder da sigla diz que teve pouco contato com o ex-filiado, pois ele não se envolvia com as atividades partidárias e nem frequentava as reuniões da sigla.

    Conforme informações do sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o homem acusado de esfaquear Bolsonaro em Juiz de Fora (MG) foi filiado ao PSOL de Uberaba (MG), no Triângulo Mineiro, entre maio de 2007 e dezembro de 2014, quando pediu para deixar o partido. (Gisele Barcelos)

    20h03 6.set

    Frente Parlamentar da Agropecuária recrimina a violência no processo eleitoral

    A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), composta por 262 parlamentares, lamenta o ocorrido com o candidato a presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL).

    “Recriminamos todo e qualquer tipo de violência dentro do processo eleitoral brasileiro e pedimos às autoridades que punam os responsáveis por tal episódio, sob pena de grave ataque à democracia do Brasil. Nossos desejos de um pronto reestabelecimento do candidato Jair Bolsonaro.” (Catia Seabra)

    20h03 6.set

    Primeiras 48 horas serão decisivas para Bolsonaro; riscos vão de hemorragia a infecções

    Traumas como o do presidenciável Jair Bolsonaro, que atingiu grandes vasos sanguíneos e órgãos no abdome, são marcados por um período crítico de recuperação nas primeiras 48 horas.

    Os maiores riscos nessa fase, explica Ludhmila Hajjar, especialista em terapia intensiva e em medicina de emergência e professora da USP, são de hemorragia, inflamação, coágulos, insuficiência renal e infecções.

    Alguns fatores da cirurgia de Bolsonaro contribuem para que o risco seja amplificado: trata-se de uma grande cirurgia, de emergência, com necessidade de transfusão de sangue e com lesão vascular.

    Na primeira semana ainda existe risco de morte. O candidato deve permanecer na UTI por cerca de uma semana. Se tudo correr bem, em três ou quatro semanas ele poderá, em tese, voltar às atividades cotidianas.

    O boletim médico divulgado descartou a possibilidade de lesão no fígado. A artéria mesentérica superior, que leva sangue para parte do intestino, foi lesada e reparada, assim como as lesões no intestino grosso e no intestino delgado.

    Segundo o hospital, há a chance de Jair Bolsonaro ficar com uma ileostomia, ou seja, uma comunicação do intestino e o exterior através da barriga, mas a decisão ficou para o futuro. (Gabriel Alves)

  • 19h55 6.set

    Termina a cirurgia de Jair Bolsonaro

    O candidato Jair Bolsonaro (PSL) acabou de sair do centro cirúrgico e está sendo encaminhado para a UTI. A cirurgia terminou. (Raquel Landim)

  • 19h54 6.set

    Ciro cancela agenda de campanha em solidariedade a Bolsonaro

    O candidato do PDT à sucessão presidencial, Ciro Gomes, cancelou a sua agenda de campanha nesta quinta-feira (6) em solidariedade ao adversário do PSL, Jair Bolsonaro.

    Em mensagem nas redes sociais, ele desejou uma boa recuperação ao presidenciável que levou uma facada. “Desejo que ele se recupere, possa superar este momento e, prontamente, volte ao debate brasileiro”, disse. (Gustavo Uribe)

    Ele falava palavras desconexas e se trancava no quarto, diz sobrinha de suspeito

    Uma sobrinha do homem apontado como o agressor de Jair Bolsonaro (PSL-RJ) afirmou que o tio mudou seu comportamento nos últimos três anos. Jussara Ramos disse que Adélio Bispo de Oliveira já havia tido um episódio de surto, falava palavras desconexas e ficava dias preso no quarto.

    “Foi um susto pra gente. A gente não entendeu o que aconteceu com ele. Ele mudou muito nos últimos anos, não falava coisa com coisa”, disse, por telefone. De acordo com a sobrinha, o suspeito de esfaquear o presidenciável era missionário da igreja evangélica.

    “Estamos sofrendo represálias nas redes sociais. A gente quer que vocês deem oportunidade para ele falar, pra gente poder entender o que aconteceu com ele”, completou.

    Segundo Jussara, o tio não falava muito de política e a família não sabia da filiação ao PSOL -ele foi da legenda de 2007 a 2014.

    “Ele sempre foi muito discreto na questão política, nunca relatou nada em relação a isso. Ele só falava que ele queria um mundo melhor, é o que todo mundo quer, né?”.

    A sobrinha ainda afirmou que Adélio Bispo de Oliveira fala dois idiomas fluentemente, inglês e espanhol. (Camila Mattoso e Ranier Bragon)

    Divulgação – 06.set.2018/PM-MG
    Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos, responsável pelo ataque contra Jair Bolsonaro (PSL)
    Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos, responsável pelo ataque contra Jair Bolsonaro (PSL)
    19h51 6.set

    Bolsonaro teve lesão em artéria e nos intestinos grosso e delgado, mas está estável

    O candidato Jair Bolsonaro (PSL) foi submetido nesta quinta-feira (6) à tarde a uma laparotomia exploratória no hospital Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora, após ser atingido por uma facada durante um evento da campanha na cidade mineira.

    Segundo informações ainda não confirmadas, a laparotomia constatou lesões na artéria mesentérica superior (que sai da aorta e irriga o intestino e outros órgão dos abdômen), no intestino grosso e no delgado.

    Todas as lesões foram reparadas com sucesso. No início da noite, Bolsonaro estava estável, com pressão arterial normal, hemorragia controlada e sem risco iminente de morte.

    Bolsonaro chegou à Santa Casa de Juiz de Fora em estado grave. Por causa da extensa perda de sangue, ficou hipotenso (com pressão baixa) e chegou a entrar em choque, um estado crítico com baixas funções vitais. Segundo publicação de seu filho, Flávio Bolsonaro, no Twitter, a pressão do candidato teria chegado a 10 por 7, quando o normal é 12 por 8.

    Depois da realização de um exame de ultrassom, os médicos optaram pela cirurgia para verificar a extensão dos danos. Bolsonaro foi operado pelo médico Cícero de Lima Rena, cirurgião coloproctologista (intestino), e por Glaucio Silva de Souza, cirurgião especialista em fígado, além de uma extensa equipe.

    O candidato saiu do centro cirúrgico perto das 20h e foi encaminhado para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) (Raquel Landim)

    Raysa Leite/AP
    O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) foi esfaqueado durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG)
    O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) foi esfaqueado durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG)

    19h49 6.set

    Polícia de Minas Gerais disponibiliza avião para a transferência de Bolsonaro

    Segundo o coronel Nocelli, a Polícia Militar de Minas Gerais colocou um avião à disposição de Bolsonaro, caso o candidato necessite de ser transferido de Juiz de Fora. “Estamos dando todo apoio que a situação requer”. Ainda não há confirmação do hospital sobre a necessidade de transferência. (Renato Salles)

  • 19h46 6.set

    ‘A semana da Pátria tem sido triste para o Brasil’, diz príncipe aliado de Bolsonaro

    Tetraneto de Pedro 2º e que chegou a ser cotado para vice de Bolsonaro, Luiz Philippe de Orleans e Bragança divulgou nota na qual manifestou repúdio ao ataque ao presidenciável.

    “Muito triste com o que ocorreu com o Jair. Me solidarizo com sua família neste momento difícil. Eu e minha família estamos orando por ele. Infelizmente a semana da Pátria tem sido triste para o Brasil”. (Anna Virgínia Balloussier)

  • 19h39 6.set

    Cúpula militar vê risco de ataque a Bolsonaro acirrar ânimos

    A cúpula das Forças Armadas avalia que o ataque ao candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) pode levar ao acirramento dos ânimos no processo eleitoral.

    Os comandantes militares estavam reunidos no Ministério da Defesa quando foram avisados que Bolsonaro foi esfaqueado na tarde desta quinta-feira (6) em ato de campanha na cidade de Juiz de Fora (MG).

    Eles receberam a notícia com preocupação e destacaram o ineditismo do ataque a um presidenciável durante evento de campanha. A avaliação foi de que os ânimos já exaltados no país durante a campanha podem se acirrar.

    Em março, quando a campanha presidencial ainda não havia começado, dois ônibus da caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foram atingidos por tiros. Ninguém foi ferido.

    O ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, estava em reunião com os comandantes Eduardo Villas Bôas (Exército), Eduardo Bacellar Leal Ferreira (Marinha) e Nivaldo Luiz Rossato (Aeronáutica) e com o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, Ademir Sobrinho. O encontro, que começou às 15h, estava marcado previamente.

    A análise dos militares é que o homem que atacou Bolsonaro provavelmente agiu por fanatismo, em ato isolado, que não tem relação com outros candidatos ou partidos. (Laís Alegretti)

    19h39 6.set

    Ong Human Rights Watch, que atua em defesa de direitos humanos, condena ataque a Jair Bolsonaro

    Uma das principais organizações não governamentais de defesa dos direitos humanos e crítica das ações das Forças Armadas no Rio de Janeiro, a Human Rights Watch “condena veementemente o ataque criminoso sofrido pelo candidato Jair Bolsonaro”, segundo nota distribuída há pouco.

    “Diferenças políticas ou ideológicas devem ser resolvidas por meio de diálogo e nunca da violência. As autoridades brasileiras devem realizar uma investigação imediata, imparcial e completa sobre o ataque contra Bolsonaro, e garantir que o responsável ou os responsáveis respodam perante a lei”, afirmou a ONG.

    Bolsonaro é crítico frequente das ONGs que atuam em defesa dos direitos humanos. (Rubens Valente)

    Em 2006, ACM Neto também levou facada

    O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), foi vítima de uma facada em 2006 nas costas, na altura do pulmão.

    Devido ao sangramento volumoso, sua pressão caiu. Ele ficou em estado de choque e tomou adrenalina ao chegar ao hospital.

    Em uma semana, ele se recuperou. (Thais Bilenky)

    18h03 6.set

    FHC fiz que facada fere a democracia e é inaceitável

    O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso usou as redes sociais para lamentar o ataque ao candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL).

    “Há tempos menciono e critico o ódio que se difunde na sociedade. A facada em Bolsonaro fere a democracia. É inaceitável humana e politicamente”, escreveu. (Talita Fernandes)

    • 9h34 6.set

      Governador do ES diz em nota que repudia a violência contra Bolsonaro

      “Repudio a violência praticada contra o candidato a presidente Jair Bolsonaro. Eu tenho mostrado já há algum tempo minha preocupação com a radicalização que temos vivenciado na política brasileira. Esse ato absurdo de violência fere a democracia e precisa ser também um sinal de alerta às maiores lideranças do nosso país para que a gente saia dessa verdadeira marcha da insensatez.”

       

      19h34 6.set

      Bolsonaro passa por cirurgia e médicos estabilizam estado de saúde

      O candidato Jair Bolsonaro (PSL) foi submetido nesta sexta-feira (3) a uma laparotomia exploratória no hospital Santa Casa após ser atingido por uma facada durante um evento da campanha em Juiz de Fora.

      A cirurgia de emergência – com a abertura do abdômen – foi realizada para verificar a extensão dos danos causados pelo ferimento. Os médicos verificaram a necessidade da cirurgia após exames de ultrassom.

      Segundo apurou a reportagem, a facada atingiu o fígado e, possivelmente, a artéria mesentérica, que sai da aorta e irriga o intestino e outros órgãos do abdômen. Os detalhes serão divulgados em coletiva de imprensa pelo hospital em breve.

      Bolsonaro chegou à Santa Casa de Juiz de Fora em estado grave. Por causa da extensa perda de sangue, ficou hipotenso (com pressão baixa) e chegou a entrar em choque, uma estado crítico com baixas funções vitais.

      Segundo publicação de seu filho, Flávio Bolsonaro, a pressão do candidato teria chegado a 10 por 7, quando o normal é 12 por 8. Ele também afirmou que a facada teria atingido, além do fígado, o pulmão e parte do intestino, mas essa informação ainda não foi confirmada.

      Bolsonaro foi operado pelo Dr Cícero de Lima Rena, cirurgião coloproctologista (intestino), e pelo Dr Glaucio Silva de Souza, cirurgião especialista em fígado, além de uma extensa equipe. Os médicos conseguiram estabilizar o estado de saúde dele e a cirurgia estava prevista para acabar em poucos minutos. (Raquel Landim)

      19h33 6.set

      ‘Bolsonaro sairá disso maior do que entrou’, diz vice Mourão

      O que não mata, fortalece: o atentado a facas que sofreu fará Jair Bolsonaro (PSL) crescer, disse à Folha seu vice, o general Antonio Hamilton Mourão (PRTB).

      “Ele sairá disso aí maior do que entrou. Talvez aquelas pessoas qe tinham dúvida [em votar ou não nele] agora não terão dúvida”, afirmou o militar por telefone.

      Mourão só ficou sabendo do ataque após pousar em Porto Alegre, onde participará de um evento, mais de duas horas após o presidenciável ser esfaqueado durante um ato em Juiz de Fora (MG).

      O general criticou Dilma Rousseff (PT), que declarou sobre o atentado daquele que, dias antes, afirmou que iria “fuzilar a petralhada”. “Aí se vê [o que é] o pessoal ligado ao PT. Isso é declaração de presidente da República? Observa-se nitidamente a péssima escolha que fizemos ao eleger esta cidadã.”

      Em seguida, prescreveu “muita calma” à nação. “Temos que acalmar os radicais de ambos os lados. Se as Forças Armadas não mantiveram estabilidade e calma, aí mesmo é que vamos ficar no caos.”

      O general já defendeu uma intervenção militar caso o país saísse dos trilhos —seja pela corrupção não punida, como disse em 2017, num evento maçom, seja por uma eventual turbulência social provocada tanto pelo veto quanto pela autorização a uma candidatura do petista Lula. Desta vez, disse, não há necessidade para tanto, pois “o caso já está elucidado”, com a prisão do homem acusado de atacar o presidenciável.

      Em nota divulgada à imprensa minutos antes, Mourão havia culpado um “militante do Partido dos Trabalhadores” pela ofensiva. Não é o caso. Adélio Bispo de Oliveira foi, isso sim, filiado ao PSOL, do qual já se desligou.

      Não é fake news afirmar que Adélio é petista, segundo Mourão. “O dado que se tem é que ele fazia parte da campanha da Dilma em Juiz de Fora”, disse. Não citou fontes. (Anna Virginia Balloussier)

      19h31 6.set

      Eunício defende que agressor de Bolsonaro seja exemplarmente punido

      O presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira (MDB-CE), afirmou nesta quinta-feira (6) que agressões a qualquer cidadão que expõe suas ideias “são inaceitáveis e atentam contra a democracia”.

      O parlamentar divulgou nota para comentar o ataque sofrido pelo candidato Jair Bolsonaro (PSL) nesta quinta em Minas Gerais.

      “Não se pode transigir com atos que ponham em risco a liberdade, nem com a violência e a criminalidade em geral.

      O agressor tem de ser exemplarmente punido”, disse. (Bernardo Caram)

      19h30 6.set

      Pessoas se concentram em frente à Santa Casa de Juiz de Fora, onde Bolsonaro foi atendido

      Renato Salles – 06.set.2018/Folhapress
      Pessoas se concentram em frente à Santa Casa de Juiz de Fora, onde Bolsonaro recebeu atendimento
      Pessoas se concentram em frente à Santa Casa de Juiz de Fora, onde Bolsonaro recebeu atendimento
      19h30 6.set

      Pessoas se concentram em frente à Santa Casa de Juiz de Fora, onde Bolsonaro foi atendido

      Renato Salles – 06.set.2018/Folhapress
      Pessoas se concentram em frente à Santa Casa de Juiz de Fora, onde Bolsonaro recebeu atendimento
      Pessoas se concentram em frente à Santa Casa de Juiz de Fora, onde Bolsonaro recebeu atendimento
      19h25 6.set

      Doria e Skaf se embolam em disputa por governo de SP; França cresce em terceiro

      Uma semana depois do início do horário eleitoral gratuito, o candidato a governador paulista João Doria (PSDB) se manteve com 25% das intenções de voto e Paulo Skaf (MDB) oscilou positivamente de 20% para 23%, mostra o Datafolha. Os dois estão tecnicamente empatados.

      Com o segundo maior tempo de televisão atrás do tucano, o governador Márcio França (PSB) foi o único que cresceu na pesquisa, de 4% para 8%. Ele está em terceiro, empatado tecnicamente com Luiz Marinho (PT), que registrou 5%.

      A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O instituto ouviu 2.030 pessoas no estado de São Paulo de terça (4) a esta quinta (6). A pesquisa, encomendada pela Folha e a TV Globo, está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (nº SP 07990/2018).(Thais Bilenky)

      Leia mais

      19h25 6.set

      Temer decide reforçar segurança de presidenciáveis

      O presidente Michel Temer decidiu reforçar a segurança dos candidatos à sucessão presidencial. Em reunião com o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, ele definiu que aumentará o número de policiais federais. O efetivo será definido pela Polícia Federal de acordo com uma avaliação das necessidade. (Gustavo Uribe)

      19h22 6.set

      Segundo suspeito de envolvimento em facada foi abordado, diz Polícia Civil de Minas

      A Polícia Civil de Minas Gerais informou que há um segundo suspeito de envolvimento no episódio da facada contra Jair Bolsonaro (PSL) em Juiz de Fora (MG), nesta quinta (6). O homem identificado como agressor, Adelio Bispo de Oliveira, 40, foi preso.

      O segundo suspeito foi abordado e, segundo o procedimento padrão, deve ser encaminhado à Polícia Federal, responsável pela investigação do caso. Segundo o superintendente de Investigação e Polícia Judiciária da Polícia Civil de Minas Gerais, Carlos Capistrano, somente a investigação vai dizer se e como o segundo suspeito teria participado.

      Capistrano afirmou apenas que a polícia recebeu a informação sobre a existência de segundo envolvido, que chegou a ser abordado, mas que não há maiores detalhes.

      A Polícia Civil se colocou à disposição para auxiliar a Polícia Federal, que tem a prerrogativa de cuidar da segurança dos candidatos à Presidência. Um delegado da Polícia Civil mineira está acompanhando o caso na delegacia da Polícia Federal e outro está no hospital, acompanhando a cirurgia.

      A Polícia Militar, por sua vez, auxiliou a Polícia Federal na prisão de Oliveira, que foi feita por agentes da PF que integram a escolta pessoal de Bolsonaro. A PM tem a prerrogativa de garantir a segurança do público presente em atos de campanha, já que a segurança dos candidatos fica a cargo da PF. (Carolina Linhares)

      19h19 6.set

      PF alertou Bolsonaro sobre riscos exagerados na campanha

      A Polícia Federal já havia alertado Jair Bolsonaro sobre o que considerava exposição excessiva do candidato em eventos de rua da campanha.

      Segundo a Folha apurou, os filhos do deputado e o próprio haviam sido advertidos, mas eram, conforme o relato, refratários aos avisos.

      Bolsonaro chegou a usar colete à prova de bala em alguns eventos anteriores, mas nas caminhadas de rua andava desprotegido.

      Havia 12 policiais federais e cerca de 40 PMs em ação na segurança do evento desta quinta em Juiz de Fora. (Igor Gielow)

      19h19 6.set
      Datafolha

      No Rio, Paes cresce e se isola na disputa pelo governo

      O ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes (DEM), alcançou a liderança isolada na disputa pelo governo do Rio, segundo pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta (6).
      No primeiro levantamento do instituto após o início da propaganda eleitoral em rádio e TV, Paes aparece com 24% das intenções de voto, vantagem de 10 pontos percentuais sobre o senador Romário (Podemos), que tem 14%.

      Na pesquisa realizada entre 20 e 21 de agosto, Paes tinha 18% e estava tecnicamente empatado com Romário, que tinha 16% das intenções de voto. A pesquisa divulgada nesta quinta foi feita entre os dias 4 e 6 de setembro, com 1.357 entrevistas em 35 municípios do estado.

      O ex-governador Anthony Garotinho (PRP), que teve o registro de candidatura negado pelo TRE-RJ (Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro) nesta quinta, aparece na terceira colocação, com 10% das intenções – tinha 12% na pesquisa anterior.

      No limite da margem de erro, que é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos, está empatado com Romário.

      O levantamento foi feito nos dias 4, 5 e 6 de setembro de 2018. Foram realizadas 1.357 entrevistas presenciais em 35 municípios.

      O nível de confiança de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número – RJ 06668/2018.

      19h18 6.set
      Datafolha

      Paulo Câmara (PSB) amplia vantagem em Pernambuco, aponta Datafolha

      O governador de Pernambuco e candidato à reeleição Paulo Câmara (PSB) cresceu quatro pontos percentuais e consolidou-se na liderança na disputa pelo governo de Pernambuco, aponta pesquisa Datafolha.

      Paulo Câmara, que tinha 30% das intenções de voto na pesquisa realizada nos dias 20 e 21 de agosto, agora tem 34%. Seu principal oponente, o senador Armando Monteiro Neto (PTB) tinha 24% e oscilou positivamente para 25%.

      Julio Losso (Rede) e Mauricio Rands (PROS) marcaram 2%. Ana Patricia Alves (PCO), Simone Fontana (PSTU) e Dani Portela (PSOL) registraram com 1%. Brancos e nulos somaram 26% e 6% dos eleitores afirmaram não saber em quem vão votar.

      Na pesquisa espontânea, na qual os nomes dos candidatos não são mostrados, Paulo Câmara teve 16%, Armando Monteiro teve 9% e os demais candidatos, juntos, somaram 8%. Outros 16% afirmaram que não votariam em nenhum candidato e 46% disseram não saber em quem vão votar.

      Na disputa para o Senado, o ex-governador Jarbas Vasconcelos (MDB) ampliou sua vantagem e cresceu de 34% para 38% das intenções de voto.

      Em segundo lugar, há um empate técnico: Humberto Costa (PT) tem 28% e Mendonça Filho (DEM) 27%. Na pesquisa anterior, ambos marcaram 25%.

      Na sequência, aparecem Sílvio Costa (Avante) com 10%, Bruno Araújo (PSDB) com 6%, Pastor Jairinho (Rede) com 5% e Adriana Rocha (Rede) com 3%.

      Hélio Cabral (PSTU) marcou 2%, seguido de Albanise (PSOL), Eugênia (PSOL), Lídia Nunes (Pros), todos com 1%. Alex Rola (PCO) não pontuou.

      Brancos e nulos somam 22% para a primeira vaga e 38% para a segunda vaga para o Senado. Os indecisos são 7% na primeira vaga e 10% na segunda vaga.

      Contratada pela TV Globo e pela Folha de S. Paulo, a pesquisa ouviu 1.229 eleitores em 50 cidades Pernambuco entre os dias 04, 05 e 06 de setembro. O índice de confiança é de 95%.

      O levantamento foi registrado no TRE (Tribunal Regional Eleitoral) com o número PE-338/2018.

      Cármen Lúcia repudia violência e pede apuração rápida sobre agressão a Bolsonaro

      A assessoria da ministra Cármen Lúcia, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), afirmou em nota que ela manifestou enorme preocupação com “a garantia das liberdades dos candidatos e dos eleitores, qualquer que seja a posição ou ideologia adotada por quem quer que seja e ainda que sejam contrárias, como expressão de um processo eleitoral democrático, devendo ser renegada qualquer forma de violência ou de desrespeito aos direitos, pelo que há que se apurar com celeridade, segurança e com apresentação de resultados o que efetivamente se passou, o responsável e qual a medida jurídica a ser imediatamente adotada”.

      18h21 6.set

      Filho de Bolsonaro fala em informações desencontradas e diz que vai a Juiz de Fora

      O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) pede fé e diz que informações sobre o pai estão desencontradas.

      Ele escreveu no Twitter ainda que está se deslocando de São Paulo a Juiz de Fora-MG, onde o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) foi aingido por facada e está hospitalizado.

      “A caminho de Juiz de Fora-MG. Informações sobre o estado de saúde estão desencontradas. Peço apenas que quem tenha sua fé que neste momento faça suas preces. Soldado que vai a guerra e tem medo de morrer é um covarde” . (Talita Fernandes)

      18h16 6.set

      PF vê indícios de que suspeito agiu sozinho

      A Policia Federal neste momento está lavrando um auto de prisão em flagrante contra o homem preso após atacar Jair Bolsonaro (PSL).

      O ato ocorre na delegacia da PF de Juiz de Fora por tentativa de homicídio.

      A Folha apurou que a princípio a PF vê indícios de que o homem agiu sozinho, porém a investigação vai apurar a motivação e se há outros envolvidos (Rubens Valente)

      18h15 6.set

      Dilma visita Lula e critica atentado a Bolsonaro

      A ex-presidente Dilma Roussef criticou na tarde desta quinta-feira (6), na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba (PR), o atentado sofrido pelo candidato à Presidência Jair Bolsonaro, durante campanha em Juiz de Fora (MG).

      Dilma esteve na sede da PF para visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, juntamente com a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann e a candidata ao governo do Rio de Janeiro, Marcia Tiburi.

      “Eu acho lamentável, acho que incentivar o ódio cria esse tipo de atitude, você não pode falar que vai matar ninguém, não se pode fazer isso, principalmente um candidato a presidente. Agora, quem fez isso tem que pagar, não pode ficar impune, tem que servir de exemplo para ninguém ousar fazer isso”, disse.

      Para a ex-presidente, essas ações podem acarretar más consequências para a população.

      “Isso não pode acontecer, em um país democrático que se respeita, que quer ser civilizado, não pode admitir que se esfaqueie qualquer candidato a presidente, não interessa quem seja, não se admite isso e nós não podemos flexibilizar com essas coisas, porque se a gente começa a flexibilizar nós vamos ter consequência para nós, para as crianças, as pessoas, homens e mulheres”, criticou. (Julio Cesar Lima)

      18h13 6.set

      Celso de Mello, do STF, rejeita pedido de liminar de Lula para ser candidato

      O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Celso de Mello rejeitou, nesta quinta (6), um pedido de liminar formulado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para suspender a decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que barrou a candidatura do petista.

      Os advogados requereram que a decisão do TSE da madrugada de sábado (1º) fosse suspensa até o julgamento do recurso extraordinário que a contesta. Tal recurso, porém, ainda não foi admitido pela presidente do TSE, Rosa Weber, que aguarda manifestação do Ministério Público antes de emitir o juízo de admissibilidade.

      Por essa razão, Celso rejeitou o pedido de liminar sem analisá-lo. “Não conheço do pleito que objetiva a outorga de eficácia suspensiva ao recurso extraordinário interposto pelo ora requerente, eis que totalmente prematura a formulação, neste específico momento, perante o Supremo Tribunal Federal, de referida demanda cautelar”, escreveu o ministro. (Reynaldo Turollo Jr.)

      18h08 6.set

      Filho de Bolsonaro diz que pai chegou quase morto ao hospital

      O filho do presidenciável Jair Bolsonaro Flavio Bolsonaro divulgou em sua conta no Twitter que o estado de saúde do pai é grave.

      18h07 6.set

      Márcio França condena ataque a Bolsonaro

      O governador de São Paulo e candidato à reeleição, Márcio França (PSB), condenou o ataque a Jair Bolsonaro (PSL)

      “Condeno a violência praticada contra o candidato Jair Bolsonaro, um atentado contra a democracia, um sistema político baseado no debate de ideias pelas palavras e pelo voto, jamais pelas armas ou pela intolerância”.

       
    • 18h02 6.set

    Mulher de Ciro passa mal após saber de ataque a Bolsonaro

    O presidenciável Ciro Gomes (PDT) discursava durante evento em Caruaru (PE) quando a sua mulher, Gisele Bezerra, recebeu a notícia, por meio do deputado federal Wolney Queiroz (PDT), de que o candidato Jair Bolsonaro (PSL) havia sido esfaqueado. Depois de alguns segundos, ela disse: “estou passando mal”.

    Assim que Ciro encerrou sua fala, ainda sem saber o que havia ocorrido, ela o puxou. “Meu amor, preciso falar com você. É sério.”

    Após ser avisado, Ciro fez uma expressão de preocupação e saiu do local às pressas, pelos fundos do palco, sem querer falar com a imprensa.

    Minutos depois, nas redes sociais, lamentou o ocorrido. “Repudio a violência como linguagem política, solidarizo-me com meu opositor e exijo que as autoridades identifiquem e punam os responsáveis por essa barbárie”, disse. (João Valadares)

    18h02 6.set

    ‘É inaceitável que atitudes extremadas maculem a democracia’, diz Rosa Weber

    “O Tribunal Superior Eleitoral repudia toda e qualquer manifestação de violência, seja contra eleitores, seja contra candidatos ou em virtude do pleito. As eleições são uma manifestação de cidadania por meio da qual o povo expressa sua vontade. Inaceitável que atitudes extremadas maculem conquista tão importante quanto é a Democracia”, afirma em nota Rosa Weber, Ministra Presidente do TSE. (Reynaldo Turollo Jr.)

    Prefeito de Juiz de Fora diz que atentato contrasta com a história democrática da cidade

    O prefeito de Juiz de Fora, Antônio Almas (PSDB), lamentou o ocorrido e disse que “atos como esse contrastam com a história democrática da cidade e com a tradição sempre acolhedora e respeitosa da nossa população”. (Renato Salles)

    17h55 6.set

    Amigos de Bolsonaro tentam levar equipe médica para MG

    Um grupo de amigos de Jair Bolsonaro está tentando levar uma equipe médica de São Paulo para Juiz de Fora para acompanhar o estado de saúde do candidato. Um helicóptero deverá ser mobilizado. Os filhos do deputado estão se deslocando para a cidade mineira também. (Igor Gielow)

    17h53 6.set

    Padilha diz que facada atingiu em cheio a democracia

    O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou que a facada que atingiu o candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) atingiu em cheio a democracia brasileira.

    “A facada desferida contra o candidato @jairbolsonaro, que rogamos não cause danos relevantes a ele, atingiu em cheio a #democracia brasileira. Temos que cerrar fileiras no combate à intolerância e na preservação do Estado Democrático de Direito.”, escreveu Padilha no Twitter. (Talita Fernandes)

    17h52 6.set

    Ataque a Bolsonaro é inaceitável, diz Partido Novo em nota

    “É inaceitável o ataque ao candidato Jair Bolsonaro durante campanha em Minas Gerais. É inadmissível que em plena democracia, em que lutamos para que as eleições ocorram de forma limpa e pacífica, isso tenha acontecido. O NOVO se solidariza com o candidato, torce por sua recuperação e está atento à apuração do caso pelas autoridades e identificação dos responsáveis. Lamentamos muito que o Brasil tenha chegado a este ponto.”

    17h51 6.set

    Reveja em câmera lenta momento em que Bolsonaro é esfaqueado

    17h46 6.set

    Nós vamos reagir, diz Magno Malta

    Um dos principais aliados de Jair Bolsonaro (PSL), o senador Magno Malta (PR-ES) disse em vídeo nas redes sociais que adversários quererem parar o presidenciável e que é preciso ganhar a eleição no primeiro turno.

    “Nós precisamos reagir, ganhar essa eleição no primeiro turno, porque querem pará-lo de todo jeito. Nós vamos reagir”, afirmou Malta na gravação. O senador esteve cotado para a vaga de vice na chapa.

    “O Brasil precisa reagir. Essa canalhada se juntou para parar Bolsonaro de todo jeito. Estão juntos para parar por quê? Porque eles querem continuar como está: a violência, roubar dinheiro público”, disse ele.

    Malta encerrou o vídeo pedindo orações “para Deus preservar a vida” de Bolsonaro.

    17h44 6.set

    Santa Casa de Juiz de Fora divulga nota sobre estado de saúde de Bolsonaro

    Segundo comunicado do hospital, Jair Bolsonaro (PSL) está no centro cirúrgico. Veja a nota:

    “O paciente Jair Messias Bolsonaro deu entrada no hospital por volta das 15h40 com uma lesão por material perfurocortante na região do abdômen.

    Segundo informações extraoficiais a que a Folha teve acesso, a perfuração atingiu o fígado e o deputado perdeu sangue.

    (Lucas Vettorazzo, Daniela Lima e Julia Chaib)

    17h40 6.set

    ‘Agora é guerra”, diz presidente do PSL

    O presidente nacional do PSL, Gustavo Bebianno, disse à Folha que “Agora é GUERRA!!!”, ao ser questionado sobre o ataque ao presidenciável Jair Bolsonaro.

    Bebianno é o braço direito de Bolsonaro e tem acompanhado todas as agendas do candidato. (Talita Fernandes)

    17h35 6.set

    ‘É inaceitável esse tipo de coisa em meio à disputa eleitoral’, diz a presidenciável Vera Lúcia

    A candidata a presidente na chapa do PSTU, Vera Lúcia, disse que deve ser totalmente repudiada a agressão com uma faca ao candidato Jair Bolsonaro (PSL).

    Consideramos inaceitável esse tipo de coisa em meio à disputa eleitoral em curso.

    O PSTU acredita também que a pregação do próprio Bolsonaro a favor de resolver tudo à bala, de “fuzilamento dos petralhas”, entre outras mensagens de ódio, acaba por estimular este tipo de atitude da qual ele agora é vitima, embora não a justifique. (Joelmir Tavares)

     

    17h33 6.set

    Suspeito de ataque a Bolsonaro foi filiado ao PSOL entre 2007 e 2014

    Suspeito de ter esfaqueado Jair Bolsonaro (PSL), Adelio Bispo de Oliveira, 40, foi filiado ao PSOL de Uberaba (MG) de 2007 a 2014, segundo relação de filiados políticos do Tribunal Superior Eleitoral. De acordo com esses registros, ele pediu desfiliação há quatro anos e não consta ter aderido a outra sigla.

    Em sua página no Facebook ele tem várias postagens críticas a Bolsonaro. Há também fotos contrárias a Temer.

    O presidente do PSOL, Juliano Medeiros, afirmou que o partido não deve responder pelo ex-filiado que atacou Jair Bolsonaro. “Queremos que ele seja julgado no rigor da lei. Parece que é uma pessoa bem confusa. Se fosse ligado ao PSOL, seria minha responsabilidade. Como não é filiado, não acho que seja da nossa alçada”, disse.

    O PSOL também soltou nota classificando o ato como “um grave atentado à normalidade democrática e ao processo eleitoral”. Nosso partido tem denunciado a escalada de violência e intolerância que contaminaram o ambiente político nos últimos anos. Por isso, não podemos nos calar diante deste fato grave”, diz a nota, que cobra medidas cabíveis contra o autor do atentado. (Ranier Bragon e Artur Rodrigues)

    Divulgação/PM-MG
    Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos, responsável pelo ataque contra Jair Bolsonaro (PSL)
    Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos, suspeito de ter esfaqueado Jair Bolsonaro (PSL)
    17h32 6.set

    Skaf diz que atentado é ‘ataque a todos os brasileiros que acreditam na democracia’

    Candidato ao governo de São Paulo pelo MDB, Paulo Skaf afirma em nota que o ataque a facada contra Jair Bolsonaro é “contra todos os brasileiros que acreditam na democracia, no direito de expressão e em eleições livres”.

    “Opiniões divergentes jamais podem ser justificativa para atos de violência. O Brasil inteiro perde com isso. Me solidarizo com o candidato e com sua família. Das autoridades competentes, espero apuração rápida e punição exemplar ao culpado. Agora, todo brasileiro responsável tem a obrigação de evitar que esse crime seja usado como justificativa para outras violências.” (José Marques)

    17h29 6.set

    Antonio Anastasia condena atentado a Bolsonaro

    O senador Antonio Anastasia disse que o atentado ocorrido há pouco contra o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro é condenável e inaceitável. Independentemente de qual posição defende, nós não podemos aceitar, jamais, sob nenhum pretexto ou desculpa, uma situação dessa, com o risco de, do contrário, colocarmos em xeque a própria democracia, conquistada por muitos brasileiros a duras penas.

    Fica, dessa forma, não só a minha solidariedade, mas minha cobrança enfática de uma apuração cuidadosa e pormenorizada para identificação do criminoso e sua célere punição, na forma da Lei. (Daniela Lima)

    17h26 6.set

    Sociedade não deve tolerar atitudes dessa natureza, diz Rodrigo Maia

    O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), condenou o ataque sofrido nesta quinta-feira (6) pelo deputado Jair Bolsonaro (PSL), candidato à Presidência da República.

    “É lamentável e repugnante a violência praticada contra o deputado Jair Bolsonaro. Independente de divergências políticas, a sociedade não deve tolerar atitudes dessa natureza, que atentam contra a nossa democracia. Que o caso seja esclarecido e punido o mais rápido possível”, afirmou Maia em uma rede social. (Daniel Carvalho)

    17h26 6.set

    Bolsonaro recebe atendimento após ataque em MG

    Reprodução
    Após sofrer ataque a faca, candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, recebe atendimento em hospital de Juiz de Fora (MG)
    Após sofrer ataque a faca, candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, recebe atendimento em hospital de Juiz de Fora (MG)
    17h25 6.set

    ‘Incentivar o ódio cria esse tipo de atitude’, diz ex-presidente Dilma Rousseff

    Ao comentar o atentado a faca contra Jair Bolsonaro (PSL), a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) disse que “o ódio, quando você planta, você colhe tempestade”.

    Candidata ao Senado por Minas, Dilma afirmou achar “lamentável” o ataque, mas emendou: “Agora, incentivar o ódio cria esse tipo de atitude. Você não pode falar que vai matar ninguém, não pode falar isso”.

    Na segunda (3), seu partido acionou o STF (Supremo Tribunal Federal) contra Bolsonaro, argumentando que houve injúria eleitoral e incitação ao crime após um vídeo em que o candidato defende “fuzilar a petralhada”.

    “Agora, quem fez isso não pode ficar impune”, disse Dilma após visitar o ex-presidente Lula, preso em Curitiba. “Tem que servir de exemplo pra que ninguém faça isso com um candidato.” (Anna Virginia Balloussier)

    17h23 6.set

    Primeiro candidato a pedir segurança para a PF foi Bolsonaro

    O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) foi um dos primeiros candidatos a pedir à Polícia Federal, ainda no começo da campanha eleitoral, a segurança prevista em lei.

    Os candidatos é que solicitam a segurança da PF, de acordo com os eventos de que precisam participar.

    Segundo a PF, nem todos os candidatos têm o costume de pedir o apoio dos policiais federais.

    A segurança proporcionada pela PF aos candidatos é assegurada em lei e cumprida por uma coordenação de defesa institucional vinculada à Diretoria-Executiva da direção geral da PF em Brasília.

    Em nota nesta quinta-feira (6), a PF confirmou que Bolsonaro utilizava segurança da PF no momento em que foi atacado por um homem armado com uma faca em Juiz de Fora (MG). (Rubens Valente)

    17h19 6.set

    Bolsonaro passa por cirurgia para verificar gravidade de ferimento

    Segundo relatos de médicos de Juiz de Fora sob a condição de anonimato, Jair Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência, foi levado ao hospital Santa Casa após levar uma facada.
    Ele está sendo submetido a uma laparotomia exploratória, que é uma cirurgia para verificar se houve danos mais graves na cavidade abdominal. A princípio, o ferimento é superficial e o caso não é grave. (Raquel Landim)

    17h18 6.set

    Jandira Feghali diz ser contra ‘qualquer ato de violência e de ódio’

    Candidata a reeleição como deputada federal no Rio de Janeiro, Jandira Feghali disse, no Twitter, que “é contra qualquer ato de violência e de ódio”.

    “Somos contra qualquer ato de violência e de ódio. A luta política e o embate eleitoral devem estar na disputa de ideias. Que se apure o ocorrido com o candidato a presidente do PSL em Juiz de Fora”, escreveu a candidata do PC do B sobre o ataque contra o presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro.

    17h18 6.set

    Após Bolsonaro ser esfaqueado, presidente do PT diz que ‘nada se resolve na violência’

    A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), lamentou o incidente com o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), que levou uma facada durante evento em Juiz de Fora (MG). “Nada se resolve na violência”, disse.

    “A política não pode ser uma seara de violência. Debatemos ideia e posições”, afirmou. (Painel)

    Leia mais

    17h15 6.set

    ‘Por isso a violência nunca deve ser estimulada’, diz Alvaro Dias sobre ataque

    Ao comentar o ataque contra o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), Alvaro Dias (Podemos) disse que repudia qualquer ato de violência e destacou é por essa razão que a violência nunca deve ser estimulada.

    “Por isso a violência nunca deve ser estimulada. Eu não estimulo”, afirmou. (Géssica Brandino)

    17h11 6.set

    TRE-RJ nega registro de candidatura a Garotinho no RJ

    O TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Rio de Janeiro negou nesta quinta-feira (6) o registro de candidatura de Anthony Garotinho (PRP) ao governo estadual.

    Os desembargadores concordaram com a contestação feita pela Procuradoria Regional Eleitoral do Rio de Janeiro que pediu o indeferimento do registro por considerar que o ex-governador está impedido de concorrer em razão da Lei da Ficha Limpa.

    O candidato do PRP foi condenado pelo Tribunal de Justiça por improbidade administrativa em maio deste ano, sob acusação de fraudes na saúde durante o mandato de sua mulher, Rosinha Garotinho, no estado (2003-2006).

    Garotinho afirmava que o caso não poderia ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa porque a decisão não apontou enriquecimento ilícito de sua parte. O procurador Sidney Madruga, contudo, entendeu que o acórdão do tribunal aponta enriquecimento ilícito de outro envolvido no caso.

    “A alínea “l” referenciada [da Lei da Ficha Limpa] dispõe que, para fins de caracterização da inelegibilidade, o ato de improbidade administrativa deve ter importado em “enriquecimento ilícito”, sem distinguir entre enriquecimento próprio ou de terceiro. Assim, se o legislador não procedeu a essa distinção, não cabe ao intérprete fazê-lo”, escreveu o procurador.

    A condenação é referente a suposto desvio de R$ 234,4 milhões da secretaria de Saúde do Rio, entre 2005 e 2006, quando a mulher de Garotinho, Rosinha Matheus, era governadora do Estado

    Na ocasião, Garotinho era pré-candidato a presidência da República e chegou a fazer uma greve de fome em protesto contra as investigações do Ministério Público, que identificaram doações eleitorais de empresas de fachada que seriam abastecidas por supostos desvios na Saúde do estado.

    Em nota, o ex-governador afirmou que “já imaginava o resultado porque as decisões do TRE têm sido políticas”.

    “Pelo menos, houve um mal menor: foi rejeitada a proposta do MP de proibir que eu faça campanha enquanto eu recorro ao TSE, o que farei nas próximas horas. A campanha continua firme, forte e vitoriosa”, disse ele, em nota.

    A decisão não tem relação com a condenação do ex-governador por formação de quadrilha, confirmada pelo TRF-2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região). (Italo Nogueira)

    17h08 6.set

    Haddad diz que repudia qualquer ato de violência

    Provável substituto de Lula na chapa petista, Fernando Haddad condenou o ataque contra o presidenciável do PSL. “Repudio totalmente qualquer ato de violência e desejo pronto restabelecimento a Jair Bolsonaro”, disse em sua conta no Twitter. (Anna Virginia Balloussier)

    17h06 6.set

    Ministro do STF dá dez dias para Bolsonaro explicar fala sobre ‘fuzilar petralhada’

    O ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), deu prazo de dez dias para o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) explicar a declaração que fez no Acre sobre “fuzilar a petralhada”, se assim desejar.

    Lewandowski é relator de uma queixa-crime apresentada ao Supremo pelo PT. O partido imputou ao candidato do PSL os crimes de injúria, ameaça e incitação ao crime. Em entrevistas, Bolsonaro tem dito que usou uma figura de linguagem (a hipérbole) e não teve a intenção de incitar crime algum.

    “Vamos fuzilar a petralhada toda aqui do Acre. Vamos botar esses picaretas pra correr do Acre. Já que eles gostam tanto da Venezuela, essa turma tem que ir pra lá. Só que lá não tem mortadela, galera, vão ter que comer é capim mesmo”, disse Bolsonaro durante ato de campanha no estado. (Reynaldo Turollo Jr.)

    17h06 6.set

    ‘Brasil precisa encontrar o equilíbrio’, diz Henrique Meirelles

    “Lamento todo e qualquer tipo de violência. O Brasil precisa encontrar o equilíbrio e o caminho da paz. Temos que ter serenidade para apaziguar a divisão entre os brasileiros”. Desejo o pronto restabelecimento do candidato Bolsonaro, diz Henrique Meirelles.” (Wálter Nunes)

    17h05 6.set

    Eleição não deve ser espaço de ódio e violência, afirma Manuela D’Ávila

    Provável vice-presidente na chapa do PT caso Fernando Haddad seja confirmado candidato, Manuela D’Ávila condenou o ataque contra o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

    “A eleição deve ser espaço de debate de alternativas para o nosso país, não de ódio e violência. Lamentável o episódio envolvendo candidato à Presidência Jair Bolsonaro hoje. Condenamos ataques a qualquer candidatura. A violência e o ódio não servem para o Brasil e nosso povo.”

    17h04 6.set

    Bolsonaro está no centro cirúrgico

    O candidato Jair Bolsonaro (PSL) foi encaminhado ao centro cirúrgico da Santa casa de Juiz de Fora. Os relatos dão conta de que a perfuração atingiu o fígado e de que ele perdeu sangue. (Daniela Lima e Julia Chaib)

    7h03 6.set

    Líderes políticos condenam ataque a Bolsonaro

    O líder do DEM na Câmara e candidato a vice-governador de São Paulo, Rodrigo Garcia, afirmou que a violência não deve prevalecer.

    “Entristecido com o que aconteceu hoje com o presidenciável Jair Bolsonaro. O Brasil enfrenta uma crise gravíssima e o momento é de diálogo. A violência, venha ela de onde vier, não pode e não vai prevalecer. Reforço que a melhor forma de manifestar a cidadania e as opiniões é o voto, é a manifestação nas urnas. Nada pode superar o voto, as conversas e a força da democracia”, disse Garcia.

    Presidente do PTB, Roberto Jefferson considerou um absurdo o ataque e aproveitou o episódio para criticar partidos de esquerda e a ONU.

    “Um absurdo o que aconteceu com Bolsonaro. O curioso é que se fosse o contrário, ou seja, um eleitor do Bolsonaro atacasse um petista ou psolista, até aquele fajuto Comitê da ONU já estaria gritando. Vamos torcer que Bolsonaro fique bem e o agressor seja trancafiado”, afirmou. (Daniel Carvalho)

    17h02 6.set

    Vídeo mostra ângulo mais próximo do momento do ataque contra Bolsonaro

    17h01 6.set

    ‘Violência contra Bolsonaro é inadmissível’, diz Marina Silva

    “A violência contra o candidato Jair Bolsonaro é inadmissível e configura um duplo atentado: contra sua integridade física e contra a democracia. Neste momento difícil que atravessa o Brasil, é preciso zelar com rigor pela defesa da vida humana e pela defesa da vida democrática e institucional do nosso país.

    Este atentado deve ser investigado e punido com todo rigor. A sociedade deve refutar energicamente qualquer uso da violência como manifestação política”. (Angela Boldrini)

    16h59 6.set

    Aliado de Bolsonaro diz que nenhuma motivação de ataque pode ser descartada

    O deputado Major Olímpio (PSL-SP) afirmou que a campanha de Jair Bolsonaro (PSL) não descarta a possibilidade de ataque com motivação política.

    “Não dá pra descartar nemhuma das possibilidades”, disse, explicando que a equipe do deputado federal ainda aguarda as investigações, mas que o ataque ao candidato preocupa.

    “Causa apreensão pelo que a figura que Bolsonaro representa, de liderança das pesquisas de intenções de voto”, afirmou.

    Ele disse ter conversado com os filhos do presidenciável e afirma que ainda não há definição sobre transferência ou internação de Bolsonaro.(Talita Fernandes)

    16h58 6.set

    Alckmin condena ataque a Bolsonarro

    “Política se faz com diálogo e convencimento, jamais com ódio. Qualquer ato de violência é deplorável. Esperamos que a investigação sobre o ataque ao deputado Jair Bolsonaro seja rápida, e a punição, exemplar”, disse Geraldo Alckmin (PSDB) em rede social. (Thais Bilenky)

    6h57 6.set

    Coordenador de campanha de Bolsonaro não vê falha de segurança

    Coordenador da campanha de Bolsonaro em São Paulo, o deputado Major Olímpio (PSL) diz que a segurança do presidenciável não poderia ser melhor e que a facada não deve mudar os procedimentos adotados atualmente para protegê-lo.

    “Temos toda a cautela do mundo com os eventos do Bolsonaro. Eu participo e a Polícia Federal disponibiliza a segurança para ele o tempo todo, 24 horas por dia com ele, principalmente em ambientes públicos. Mas logicamente, como ele acaba chamando a atenção de milhares de pessoas e ele gosta de se aproximar de todo mundo, isso aumenta a vulnerabilidade.”

    Olímpio evita dizer que o ataque possa derivar de divergências políticas.

    “Em um ambiente de massas podem acontecer coisas dessa natureza. Depois vamos acabar sabendo o que engendrou. Pode ter sido um perturbado mental, um drogado ou até mesmo motivação política. Não podemos nos apressar.” (Guilherme Seto)

     

    16h56 6.set

    ‘Independentemente de divergências políticas, não é possível aceitar nenhum ato de violência”, diz João Amoêdo

    Sobre o ataque a Jair Bolsonaro, o candidato João Amoêdo disse que é lamentável e inaceitável o que aconteceu. “Independentemente de divergências políticas, não é possível aceitar nenhum ato de violência.”

    “O Brasil lutou muito para voltar à democracia e a ter eleições limpas e livres. A violência não pode colocar essas conquistas em risco. Que o agressor sofra as devidas punições. Meus votos de melhoras para o candidato.” (Isabel Fleck)

     

    16h56 6.set

    Temer diz que facada a Bolsonaro é ‘lamentável para a democracia’

    O presidente Michel Temer avaliou como “lamentável para a democracia” a violência sofrida pelo candidato a presidente pelo PSL, Jair Bolsonaro. Segundo ele, o país não pode admitir gestos de intolerância política.

    “É lamentável para nossa democracia. Que sirva de exemplo. Se Deus quiser, o candidato Jair Bolsonaro passará bem e não ocorrerá algo mais grave”, disse.

    Em discurso, durante evento no Palácio do Planalto, o presidente disse que já enviou manifestação de solidariedade ao candidato e que não haverá estado pleno de direito no país com manifestações de intolerância.

    “Isso revela algo que devemos nos conscientizar. É intolerável a intolerância que tem havido na sociedade brasileira. É intolerável que falseiem dados na campanha eleitoral”, disse. (Gustavo Uribe)

     

    16h55 6.set

    Polícia Federal informa que Bolsonaro contava com escolta no momento do ataque

    Por meio de nota, a Polícia Federal informou que o candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), contava com a escolta de policiais federais quando foi atingido por uma faca durante um ato público em Juiz de Fora.

    “O agressor foi preso em flagrante e conduzido para a Delegacia da PF naquele município. Foi instaurado inquérito policial para apurar as circunstâncias do fato”, afirma a Polícia Federal.

     

    16h51 6.set

    Sobre ataque a Bolsonaro, Boulos diz que ‘violência não se justifica’

    O candidato à Presidência do PSOL, Guilherme Boulos comentou o ataque Jair Bolsonaro em juiz de fora e disse que violência não se justifica. “Repudiamos toda e qualquer ação de ódio e cobramos investigação sobre o fato”, declarou. (Géssica Brandino)

    16h50 6.set

    Nota da OAB repudia ataque contra Bolsonaro e pede reflexão contra extremismos

    “A Ordem dos Advogados do Brasil manifesta repúdio ao ato de violência praticado contra o candidato Jair Bolsonaro. A democracia não comporta esse tipo de situação.

    A realização das eleições em ambiente saudável depende da serenidade das instituições e militantes políticos. O processo eleitoral não pode ser usado para enfraquecer a democracia.

    Neste momento, cabe a reflexão a respeito do momento marcado por extremismos, por discursos de ódio e apologia à violência. Tudo isso apenas estimula mais violência, numa situação que prejudica a todos.

    A OAB acompanha atenta o desdobramento desse fato. É preciso que todas as forças políticas possam participar do pleito e que os eleitores tenham assegurado o direito à livre escolha.”

     

    16h50 6.set

    ‘Graças a Deus, ele está bem’, diz Flávio Bolsonaro

    O filho de Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro enviou um áudio a militantes do PSL logo após o atentado ao pai. “Graças a Deus ele está bem”, diz o deputado no áudio. “Está tudo bem com ele, ele está em Juiz de Fora, foi medicado lá. Foi só susto. Mas quero pedir que intensifiquem as orações por nós”, ele diz. (Julia Chaib)

    16h49 6.set

    PM de Juiz de Fora divulga nome do suspeito de esfaquear Bolsonaro

    Segundo a PM de Juiz de Fora, o suspeito de esfaquear o candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) é Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos.

     

    16h47 6.set

    Veja video do ataque contra Bolsonaro em MG

     

    16h44 6.set

    Haddad diz que ataque a Bolsonaro é “absurdo” e “lastimável”

    Candidato a vice na chapa do PT ao Planalto, Fernando Haddad classificou como “absurdo” e “lastimável” o incidente com o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), que levou uma facada há pouco durante evento em Juiz de Fora (MG).

    “Nós, democratas, temos que garantir o processo tranquilo e pacífico e reforçar o papel das instituições”, declarou Haddad, ao ser informado sobre o episódio, durante entrevista ao canal MyNews. (Marina Dias)

    16h40 6.set

    Doria diz que atentado a Bolsonaro é ato de covardia

    O candidato ao governo paulista pelo PSDB, João Doria, enviou nota afirmando que atentado a Jair Bolsonaro é ato de covardia.

    “Transmito a minha solidariedade ao deputado Jair Bolsonaro e aos seus familiares. Eleição não se faz com agressão. A covardia de um ato que agride um candidato deve ser condenada com veemência”, diz a nota. (Artur Rodrigues)

     

    16h39 6.set

    Ataque contra Bolsonaro é ‘barbárie’, diz Ciro Gomes

    Pelo Twitter, o candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, classificou o ataque contra Jair Bolsonaro (PSL) como uma “barbárie” e disse exigir “que as autoridades identifiquem e punam o ou os responsáveis”.

    “Acabo de ser informado em Caruaru, Pernambuco, onde estou, que o Deputado Jair Bolsonaro sofreu um ferimento a faca. Repudio a violência como linguagem politica, solidarizo-me com meu opositor e exijo que as autoridades identifiquem e punam o ou os responsáveis por esta barbárie.” (Isabel Fleck)

     

    16h36 6.set

    Defesa de Lula junta a pedido de liminar no STF parecer de ex-secretária de Direitos Humanos de Temer

    A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva juntou na tarde desta quinta (6) a um pedido de liminar feito ao STF (Supremo Tribunal Federal) um parecer da professora Flávia Piovesan, especialista em direitos humanos, produzido para um outro processo a pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República).

    Segundo a defesa, o parecer de Piovesan, que foi secretária de Direitos Humanos no governo Michel Temer, reforça a tese petista de que a decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU favorável à participação de Lula na eleição tem de ser acatada pela Justiça brasileira.

    “Neste parecer, a jurista reforça a tese defendida pelo requerente [Lula] no sentido da completa desnecessidade de decreto presidencial […] para que os tratados internacionais de direitos humanos tenham aplicabilidade no âmbito internacional e doméstico”, escreveram os advogados.

    No pedido de liminar protocolado na quarta (5), a defesa requer que a decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que barrou a candidatura de Lula seja suspensa até o julgamento do recurso extraordinário que a contesta no STF. A petição foi distribuída para o ministro Celso de Mello. (Reynaldo Turollo Jr.)

    16h34 6.set

    Polícia Federal afirma que Bolsonaro deve deixar hospital nesta quinta

    A PF (Polícia Federal), que acompanha todos os candidatos à presidência, informou o governo Temer de que o Jair Bolsonaro passa bem e que deverá deixar o hospital ainda nesta quinta (6). Autor do ataque a faca está preso.

    O órgão abrirá um inquérito para apurar o ataque.

    O parlamentar foi atacado com uma faca, que causou ferimento superficial. (Igor Gielow e Fábio Fabrini)

    6h09 6.set

    Bolsonaro interrompe ato de campanha após ser esfaqueado, diz PM

    Em campanha na cidade de Juiz de Fora (MG), o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) foi atingido por uma pessoa com uma faca na mão, segundo a Polícia Militar. O candidato estava sendo carregado por apoiadores e foi retirado do ato.

    Outro ângulo do ataque

    “Não sabe a gravidade ainda ou o que está acontecendo”, disse o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidenciável.

    O candidato foi encaminhado para a Santa Casa de Juiz de Fora. Segundo a PM, um suspeito foi detido, mas ainda não foi identificado.

    Divulgação
    Bolsonaro interrompe ato de campanha após ser esfaqueado, segundo PM. A imagem está circulando em um grupo de WhastApp pró-candidato do PSL
    Bolsonaro interrompe ato de campanha após ser esfaqueado, segundo PM. A imagem está circulando em um grupo de WhastApp pró-candidato do PSL

    Flavio, outro filho do candidato, disse que o caso não é grave e pede orações.

    Leia mais

    16h04 6.set

    Veja novo vídeo da campanha de Alvaro Dias

    Pastor ‘da irmã Marina Silva’ defende candidata e rebate Malafaia

    O pastor Hadman Daniel usou culto da Assembleia de Deus do Novo Dia para sair em defesa de Marina Silva, descrita por ele como “mulher de oração, crente, serva de Deus e temente ao Senhor”. A presidenciável da Rede frequenta a instituição, em Brasília, presidida pelo líder religioso.

    Sem citar nomes, Hadman afirmou que “tem muita gente” no meio evangélico falando “muita coisa e questionando o caráter da irmã Marina Silva”.

    Até agora, o principal ataque que a candidata sofreu de seus pares nesta eleição veio do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.

    Em vídeo divulgado no fim de junho, ele pregou que cristãos não votem nela e se disse arrependido de tê-la apoiado em 2014 —agora, está alinhado com Jair Bolsonaro (PSL).

    “Pastor da irmã Marina Silva sou eu”, disse Hadman repetidas vezes durante o culto. “Você pode não concordar com o plano de governo dela. Isso é com você. Mas não diga que ela não é mulher de Deus, porque eu caminho com ela.”

    A intenção da fala era “fazer uma colocação para pastores grandes, de igrejas muito maiores do que esta que eu pastoreio, pastores que têm alcance nacional, que têm acesso a televisão e a rádio”.

    Num recado aparentemente dirigido a Malafaia, ele afirmou: “Queridão, você não conhece a irmã Marina Silva. Eu conheço e você não. Então não fale dela. Não fale do que você não sabe”.

    No ataque de junho, Malafaia reclamou da proposta de Marina de considerar plebiscitos sobre aborto e descriminalização das drogas.

    O vídeo do pastor Hadman começou a circular em redes sociais nos últimos dias e teria sigo gravado em agosto. A Folha procurou o pastor e a igreja, mas não conseguiu contato.

    No discurso, o líder da igreja de Marina disse ainda que não estava pedindo votos para ela. “Você vota em quem quiser. É uma questão de consciência sua. Se você não concorda com o plano de governo dela, ache outra desculpa, mas não a acuse de não ser mulher de Deus.” (Joelmir Tavares)

    13h11 6.set

    Após cinco meses no limbo, inquérito sobre Alckmin chega à promotoria eleitoral

    O inquérito que apura suposto caixa dois a Geraldo Alckmin (PSDB) delatado pela Odebrecht chegou nesta quinta-feira (6) à Promotoria eleitoral da capital paulista. Os autos passaram cinco meses em um limbo jurídico.

    Quando o tucano renunciou ao Governo de São Paulo para disputar a Presidência, em abril, perdeu o foro especial. Desde então, o processo estava em trânsito.

    Nesta quinta, o promotor da primeira zona eleitoral de São Paulo Luiz Henrique Dal Poz recebeu os autos com um pedido de compartilhamento.

    O Ministério Público paulista havia pedido o compartilhamento quando a Procuradoria-Geral da República, que tocava o caso no Superior Tribunal de Justiça enquanto Alckmin era governador, decidiu encaminhar o caso à esfera eleitoral.

    Com a decisão, o tucano saiu da mira imediata da Operação Lava Jato. (Thais Bilenky)

    13h06 6.set

    Temer agora rebate acusações do PT e diz que Haddad ‘inventa coisas de sua cabeça’

    Depois de tentar vincular Geraldo Alckmin (PSDB) a seu governo, o presidente Michel Temer gravou um novo vídeo em que se defende daqueles que o chamam de “golpista” e acusa Fernando Haddad (PT) de “inventar as coisas da sua própria cabeça”.

    “Quero recomendar a você, quando você e seus companheiros me chamam de ‘golpista’, […] eu quero que você leia a Constituição, Haddad”, diz o presidente na gravação. “Quando um presidente é impedido, o vice-presidente constitucionalmente assume.”

    O vídeo, noticiado pela coluna Painel, deve ser divulgado pelo Palácio do Planalto na tarde desta quinta (6).

    “Hoje, Haddad, ninguém quer cumprir a Constituição. […] As pessoas querem fazer o que você está fazendo: ou seja, inventar as coisas da sua própria cabeça”, afirma Temer. “Não diga isso, Haddad, não combina com você.”

    O objetivo do presidente com este capítulo de suas gravações na campanha eleitoral é se contrapor às críticas feitas pelo PT a seu governo e, no futuro, vincular sua atuação política aos governos Lula e Dilma Rousseff.

    No vídeo, Temer ironiza a candidatura de Haddad. “Você […] pode ser candidato a vice-presidente ou candidato a presidente da República… Não sei bem como serão as coisas”, declara, em referência à provável substituição de Lula na chapa petista.

    O presidente ainda rebate críticas do PT à reforma trabalhista, sancionada em seu governo. “Um outro ponto que eu recomendo também na leitura da Constituição, até indico o artigo para você, Haddad, é o artigo 7º, que tem um longo elenco de medidas protetoras do trabalhadores. Não adianta você dizer que nós tiramos direitos dos trabalhadores, porque está na Lei Maior.”

    Temer encerra com um recado ao petista sobre esses ataques: “Tome cuidado, Haddad. Tenha cuidado”. (Bruno Boghossian)

    10h42 6.set

    ‘Não votei em Temer’, diz Alckmin

    Durante a sabatina Estadão-Faap realizada nesta quinta-feira (6), o presidenciável Geraldo Alckmin citou Michel Temer logo no início.

    Em resposta aos vídeos em que o presidente Michel Temer (MDB) o ataca e o vincula ao seu governo, o presidenciável Geraldo Alckmin disse que “o problema do governo Temer não são os ministros, mas o presidente, que não tem liderança nem legitimidade”.

    O presidente acusou Alckmim de ser injusto com as siglas que apoiam seu partido na campanha presidencial.

    Na gravação, divulgada nesta quarta-feira(5), Temer vincula integrantes dos partidos do centrão que estão associados ao tucano e participaram de seu governo.

    Alckmin ainda disse não ter votado em Temer. “Não votei nele. Ele é da chapa da Dilma. Foi vice da Dilma, e reincidente, duas vezes”, disse, para brincar posteriormente: “o presidente Temer está de mal comigo.” (Guilherme Seto)

    10h28 6.set

    TSE aprova registro de candidatura de Bolsonaro

    O TSE aprovou na manhã desta quinta-feira (6) o registro de candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República.

    O pedido havia sido contestado por um advogado, que alegou que, por ser réu no STF, Bolsonaro não poderia ocupar a Presidência. Ele responde a um processo por injúria e apologia ao estupro.

    No entanto, por unanimidade, os ministros entenderam que ele se enquadra nos quesitos de elegibilidade. A lei da Ficha Limpa barra políticos condenados, não réus.

    Agora, 12 dos 13 candidatos à Presidência que pediram registros ao TSE estão oficialmente na corrida eleitoral. A única candidatura indeferida é do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Seus advogados recorrem da decisão da corte. (Letícia Casado)

    9h25 6.set

    Temer quer resposta imediata a todo ataque que considerar oportunista

    O presidente Michel Temer disse a assessores que não vai deixar sem resposta nenhum ataque que considerar oportunista.

    Depois de divulgar dois vídeos na noite de quarta-feira (5) e na manhã desta quinta (6) mostrando a relação dos aliados de Geraldo Alckmin (PSDB) com o seu governo, Temer vai esperar a reação da campanha tucana.

    Reservadamente, um aliado do tucano disse que, impopular, Temer é o melhor adversário e que a ideia é atacar.

    Segundo o marqueteiro do MDB e do Planalto, Elsinho Mouco, a ordem do presidente é que nenhum ataque fique sem resposta.

    “Ataque político é ataque político. Ataque oportunista, falso, terá resposta na hora. Assim deliberou o presidente”, disse o marqueteiro. (Daniel Carvalho)

    8h26 6.set

    Guilherme Boulos participa nesta quinta da sabatina de Folha, UOL e SBT com presidenciáveis

    O candidato do PSOL à Presidência da República, Guilherme Boulos, é o entrevistado desta quinta (6) da série de sabatinas promovida por Folha, o UOL e o SBT.

    A ordem determinada foi por sorteio. Os primeiros entrevistados foram Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede). Nesta quarta (5), o espaço estava reservado ao PT, cujo candidato, Luiz Inácio Lula da Silva, está preso em Curitiba.

    Entre os dias 10 e 14, serão sabatinados os presidenciáveis Alvaro Dias (Podemos), Geraldo Alckmin (PSDB), Cabo Daciolo (Patriota), Henrique Meirelles (MDB) e Jair Bolsonaro (PSL).

    Clique aqui para acompanhar a sabatina

    Karime Xavier – 20.ago.2018/Folhapress
    O presidenciável do PSOL, Guilherme Boulos, durante entrevista na sede do partido em São Paulo
    O presidenciável do PSOL, Guilherme Boulos, durante entrevista na sede do partido em São Paulo
    8h08 6.set

    Fachin nega pedido de Lula para suspender inelegibilidade

    O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido da defesa do ex-presidente Lula para suspender sua inelegibilidade e manter sua candidatura à Presidência da República.

    Os advogados do petista querem que, com base no entendimento do Comitê de Direitos Humanos da ONU a favor de Lula, ele tenha direito de disputar a eleição. Entraram então com recurso no STF devido à decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) de barrar a candidatura e determinar a substituição do candidato do PT até a próxima terça-feira (11).

    Leia mais

    Pedro Ladeira – 16.ago.2018/Folhapress
    O ministro Edson Fachin durante sessão plenária do STF
    O ministro Edson Fachin durante sessão plenária do STF
    7h38 6.set

    Ciro e Alckmin falam em gerar empregos, enquanto Marina Silva critica sistema

    Os presidenciáveis Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB) usaram o programa eleitoral no rádio nesta quinta-feira (6) para defender a geração de empregos. Já Marina Silva (Rede) fez um discurso contra o que chamou de sistema de poder.

    Depois de usar os primeiros programas para apresentar seu projeto de refinanciamento de dívidas, Ciro disse que pretende criar um plano emergencial para gerar empregos, por meio da retomada de grandes obras.

    A propaganda de Alckmin, por sua vez, colocou em destaque o trabalho da mulher do candidato, Lu Alckmin, como presidente do Fundo Social de Solidariedade em São Paulo. O programa narra o encontro de Lu com Chefe Brown, que teve sua vida modificada quando ela lhe apresentou o curso padaria artesanal, desenvolvido pela gestão tucana.

    Alckmin finaliza dizendo que é preciso ter sensibilidade para gerar emprego e ajudar quem mais precisa. O programa do tucano termina novamente com uma crítica ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), mostrando que o candidato afirmou durante entrevista ao Jornal Nacional que votou contra a PEC das Domésticas.

    Na propaganda da presidenciável da Rede, Marina Silva, o alvo foi o sistema injusto “do poder pelo poder”, que sacrifica recursos para gerar lucro imediato para poucos e que está criando o que chamou de “exército de exterminadores do futuro”. (Géssica Brandino)

    14h08 6.set

    • 3h19 6.set

      Justiça Eleitoral solicita que Maroni retire do ar propaganda que ofende a mulher

      O MPE-SP (Ministério Público Eleitoral de São Paulo) ingressou com uma representação contra o empresário e candidato a deputado federal Oscar Maroni Filho, do Pros.

      O órgão entendeu que os vídeos de sua propaganda eleitoral veiculados em redes sociais fazem apologia à prostituição, expõe as mulheres como mercadorias e em situação degradante, além de Oscar mencionar seus estabelecimentos.

      O MPE solicita a retirada imediata dos vídeos do ar e que o candidato seja proibido de divulgar e publicar esses materiais. (Patrícia Pasquini)

      Leia mai

      9h18 6.set
      Datafolha

      DF tem Eliana Pedrosa e Rodrigo Rollemberg empatados na disputa pelo governo

      A segunda pesquisa Datafolha de intenção de voto para as eleições do Distrito Federal deste ano tem Eliana Pedrosa (Pros) e Rodrigo Rollemberg (PSB) tecnicamente empatados em primeiro lugar. Rogério Rosso (PSD), que também empatava na liderança no último levantamento, caiu para a terceira posição.

      A pesquisa estimulada mostra que Eliana Pedrosa avançou de 15% há duas semanas para 18% das intenções de voto. O atual governador, Rodrigo Rollemberg, foi de 14% para 15%.

      Rogério Rosso foi de 13% para 12%. Pela margem de erro, de três pontos percentuais, o limite máximo de Rosso, de 15%, alcança o limite mínimo de Pedrosa. Nesse caso, o Datafolha considera que a probabilidade é de que o candidato com maior percentual esteja de fato na frente.

      Em seguida aparecem na pesquisa Alberto Fraga (DEM), com 10% (tinha 8%) e Ibaneis (MDB), com 4% (tinha 2%).

      A lista segue com General Paulo Chagas (PRP), 3% (tinha 5%), Fátima Sousa (Psol), 3% (tinha 3%), Miragaya do PT, 3% (tinha 3%), e Alexandre Guerra (Novo), 3% (tinha 2%).

      Renan Rosa (PCO) foi citado por entrevistados, mas não atingiu 1% (tinha 1%) e Guillen (PSTU) não foi citado (tinha 1%).

      Segundo a pesquisa, 21% dos eleitores do DF pretendem votar em branco ou anular o voto. Há ainda 8% de indecisos.

      No levantamento, contratado pela Folha em parceria com a TV Globo, foram ouvidos 910 eleitores entre terça (4) e esta quinta-feira (6). A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%.

      8h48 6.set

      Juiz da Lava Jato atribui atentado a ‘minoria arruaceira’

      O juiz Marcelo Bretas, responsável pelos processos da Lava Jato no Rio, classificou o ataque sofrido por Jair Bolsonaro (PSL) como um “atentado à democracia brasileira” e o atribuiu à “intolerância de uma minoria arruaceira”, sem esclarecer a que grupo se referia. (Ricardo Balthazar)

      18h45 6.set

      Humberto Costa sugere que Bolsonaro repense discurso de ódio

      Senador petista, Humberto Costa (PE) sugere que Bolsonaro repense discurso de ódio.

      “Lamento profundamente esse episódio envolvendo Jair Bolsonaro. É absolutamente reprovável que diferenças políticas e ideológicas sejam tratadas com uso da violência. Que o próprio Bolsonaro repense seu discurso de ódio e tenha a consciência do quão nocivo é o estímulo a isso”, publicou em redes sociais. (Cátia Seabra)

      18h42 6.set

      ACM Neto repudia violência contra Bolsonaro

      O presidente nacional do DEM e prefeito de Salvador, ACM Neto, repudiou o ato de violência contra o presidenciável Jair Bolsonaro.

      “Repudio o que aconteceu com o deputado Bolsonaro. Eleição a gente ganha e perde com base em palavras, propostas e debates, jamais com violência”.

      De acordo com o prefeito, o que ocorreu com o deputado é um atentado à democracia e não traduz o sentimento do povo brasileiro. “Desejo pronto restabelecimento ao deputado, que foi meu colega na Câmara por muitos anos”. (João Pedro Pitombo)

      18h41 6.set

      General Mourão diz que atentado é desespero de grupo que se pretendia dono do poder

      O general Antonio Hamilton Mourão (PRTB) lamentou a “agressão gratuita e sem nexo” contra Jair Bolsonaro (PSL), de quem é vice na chapa presidencial. Para ele, o atentado “mostra, simplesmente, o desespero do grupo que se pretendia dono do poder”.

      Em nota conjunta com Levy Fidelix, presidente de seu partido, Mourão disse lamentar “profundamente” que o candidato “tenha sido covardemente atacado” por um militante do Partido dos Trabalhadores. Não há indícios de que o homem acusado de esfaquear Bolsonaro seja filiado ao PT. Ele foi, isso sim, filiado ao PSOL, do qual já se desligou.

      “Esse momento é de transmitir tranquilidade para todos os brasileiros. Somos um povo unido. E essa divisão, que vem sendo tentada no seio de nossa nação, causa cenas dessa natureza. Cenas deploráveis, que não condizem com a política que nós queremos para o nosso Brasil. Trata-se de uma agressão gratuita e sem nexo, cuja a única finalidade é tentar tumultuar o processo e mostra, simplesmente, o desespero do grupo que se pretendia dono do poder e vê fugir-lhe às mãos, tendo o seu principal líder atrás das grades, como o ladrão que é”, afirmou o militar. (Anna Virginia Balloussier)

      18h39 6.set

      Manifesto minha repugnância aos que pregam e praticam a violência, diz Pimentel

      O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), afirmou que as autoridades de segurança pública do estado estão mobilizadas para apurar o fato, que também é investigado pela Polícia Federal.

      Em pronunciamento à imprensa, Pimentel afirmou que repudia o ataque, que “mostra o grau de risco em que se encontra hoje mergulhada a nossa democracia”.

      Pimentel afirmou ainda que Minas é um estado de tradição democrática, que estimula o debate civilizado e que condena a intolerância.

      “A violência não é caminho para resolução de conflitos, nem forma de participação no processo político”, disse.

      Candidato à reeleição, Pimentel afirmou que a defesa da democracia, das liberdades civis e dos direitos humanos pautou sua trajetória. Ele manifestou ainda “repugnância àqueles que pregam violência contra adversários políticos e mais ainda aos que a praticam”. (Carolina Linhares e Rodrigo Borges Delfim)

      18h39 6.set

      Bolsonaro continua em cirurgia e está estável

      Segundo informações da comunidade médica em Juiz de Fora, o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, continua em cirurgia e está estável.

      As fontes relatam que ele chegou ao hospital em estado grave e, após a realização de exames preliminares de ultrassom, foi confirmada a necessidade de uma laparatomia exploratória –uma cirurgia que abre abdômen do paciente para verificar o tamanho da lesão.

      Informações ainda não confirmadas sãi de que a facada atingiu o fígado. Os cirurgiões já teriam conseguido estabilizar o quadro, mas o candidato segue em operação. (Raquel Landim)

      18h38 6.set

      ‘Não podemos incentivar o ódio’, afirma Gleisi Hoffmann

      A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), afirmou nesta quinta-feira (6) que atentado ao presidenciável Jair Bolsonaro não pode ficar impune.

      “Acho lamentável. Não podemos incentivar o ódio. Quem fez isso não pode ficar impune. Isso não pode acontecer em um país democrático”, disse.

      Prestes a assumir a vaga de Luiz Inácio Lula da Silva na corrida presidencial, o vice da chapa petista, Fernando Haddad, disse que a disse repudiar qualquer forma de violência.
      “Nós, democratas, precisamos garantir um processo eleitoral pacífico. Repudiamos qualquer forma de violência”, afirmou o candidato a vice-presidente. (Catia Seabra)

      18h33 6.set

      Cabo Daciolo diz que vai orar pela saúde de Bolsonaro

      O presidenciável Cabo Daciolo (Patriota) manifestou seu repúdio ao atentado contra Jair Bolsonaro (PSL) e disse que vai orar por sua saúde. “Repudiamos com o mais absoluto vigor o ato de violência, desferido por meio de uma facada, que sofreu agora há pouco o candidato Jair Bolsonaro.

      A nossa guerra não é contra homens, mas contra principados e potestades.Vamos ficar todos em oração!” (Anna Virginia Balloussier)

      18h27 6.set

      Facada foi dada pela ‘esquerda maldita’, diz empresário aliado de Bolsonaro

      O empresário Luciano Hang, dono da rede varejista Havan, que chegou a ser cotado para vice de Jair Bolsonaro, disse a facada recebida pelo candidato do PSL foi dada pela “esquerda maldita” e que espera que o ocorrido possa levar à vitoria no primeiro turno.   

      “Este atentado vai fazer com que as pessoas reflitam melhor e que possamos vencer no primeiro turno porque o que o Brasil precisa é de um choque de ordem”, disse à Folha por telefone o empresário, que está na Alemanha. 

      Hang diz ser um dos poucos empresários que estão “dando a cara a tapa” para falar das mudanças de que o Brasil precisa. 

      Para ele, quem deu a facada foi por um membro de “movimentos de esquerda que querem o poder pelo poder e não querem que o Brasil dê certo, que vá para a frente e seja um país desenvolvido, que tenha emprego baseado na iniciativa privada”.  

      Questionado se ele pensa que a facada pode trazer mais votos para Bolsonaro, Hang diz acreditar que o fato pode fazer as pessoas “caírem na real de que estão sendo vítimas de políticos inescrupulosos pregando a mentira dia a dia e jogando um contra o outro”.   

      “Eu, como empresário, não penso na minha pessoa e na minha empresa. Eu penso no país. Não existe um país que deu certo acreditando nessa esquerda maldita que acaba com todo o país”, disse o dono da rede de lojas que tem sede em Santa Catarina e é conhecida pelas fachadas que replicam a Casa Branca e são adornadas com uma réplica da Estátua da Liberdade. (Joana Cunha)

      18h27 6.set

      O Brasil está contigo, diz mensagem no Twitter do deputado Onyx Lorenzoni, do DEM

      O Brasil está contigo, diz mensagem no Twitter do deputado Onyx Lorenzoni, do DEM

      19h18 6.set
      Datafolha

      Em MG, Anastasia continua na liderança, com 32%; Pimentel está com 22%

      Na primeira pesquisa Datafolha após o início do horário eleitoral gratuito no rádio e na TV, o candidato do PSDB, Antonio Anastasia, permanece na liderança da corrida pelo governo de Minas Gerais, seguido por Fernando Pimentel (PT), candidato à reeleição.

      O tucano passou de 29% para 32%, e atual governador subiu de 20% para 22% em comparação com o levantamento anterior, realizado em agosto -Anastasia dispõe do maior tempo de propaganda eleitoral, e o petista, do segundo.

      Romeu Zema (Novo) manteve a terceira colocação com os mesmos 5% da pesquisa anterior. Adalclever Lopes (MDB), que substituiu Marcio Lacerda (PSB), aparece com 2%, mesmo índice de João Batista Mares Guia (Rede), que tinha 3%.

      Dirlene Marques (PSOL) caiu um ponto percentual e agora aparece com Claudiney Dulim (Avante) e Jordano Metalúrgico (PSTU) com 1% cada um. O candidato do PCO, Alexandre Flach, foi citado, mas não alcançou 1%.

      Brancos e nulos registram uma redução de 28% para 25%, enquanto os indecisos são 10%, mesmo índice de agosto.

      Fernando Pimentel tem o maior índice de rejeição com 41% -entre os mais instruídos alcança a marca de 61%-, enquanto Anastasia tem 24%.

      Na disputa para o Senado, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) continua na frente com 26% -em agosto, tinha 25%.

      A pesquisa foi encomendada pela Folha e pela TV Globo e tem margem de erro de três pontos percentuais para mais ou para menos.

      Foram entrevistados 1.289 eleitores de 61 municípios entre os dias 5 e 6 de setembro. A pesquisa foi registrada no TSE sob o número MG 08189/2018.

      19h15 6.set

      Alto Comando do Exército discute caso Bolsonaro

      O Alto Comando do Exército está reunido neste momento, em Brasília. O encontro já estava marcado e visava falar sobre as comemorações do 7 de setembro, mas a pauta obviamente foi alterada com o atentado contra Jair Bolsonaro.

      Afastada a ideia de que ele poderia morrer na cirurgia, já que o deputado já está no quarto do hospital, o foco é sobre as tensões que os militares temem surgir entre os apoiadores do candidato. (Igor Gielow)

       

      19h15 6.set

      Jair Bolsonaro pode ser transferido para São Paulo

      O hospital Sírio Libanês foi acionado e está enviando médicos a Juiz de Fora (MG) para avaliar o estado de saúde de Jair Bolsonaro.

      A equipe, que deve viajar ainda hoje, analisará se é possível, e mesmo necessário, transferir o candidato para São Paulo.

      De acordo com fontes ouvidas pela Folha, a cirurgia já terminou e os ferimentos foram suturados.

      O pós-operatório, no entanto, pode ser complicado e por isso se avalia a conveniência de ele vir para o Sírio. (Mônica Bergamo)

      19h14 6.set

      Cirurgia de Bolsonaro está em fase final, diz Santa Casa

      Segundo a dra. Eunice Oliveira, diretora clínica da Santa Casa de Juiz de Fora, a cirurgia do candidato Jair Bolsonaro (PSL) está em fase final e deve acabar em 20 minutos. Ele está estável. Os detalhes serão divulgados pelo hospital em coletiva de imprensa após o fim da cirurgia. (Raquel Landim)

      19h14 6.set

      PM nega falha de segurança no caso Jair Bolsonaro

      “O suspeito foi imediatamente contido e preso pela Polícia Federal, que fazia a segurança do candidato. Diante do tumulto, a Polícia Militar ajudou a Polícia Federal e conseguiu arrecadar a faca. O autor foi conduzido à Delegacia de Polícia Federal”, disse o coronel Nocelli, comandante da 4ª Região da Polícia Militar de Minas Gerais.

      A PM informou ainda que, inicialmente, o autor alegou questões pessoais para o ataque, mas as declarações seriam feitas à Polícia Federal, que ainda iria apurar outras possíveis motivações. Também não foi informado se o homem possuiria vínculos com algum partido político.

      “A princípio, pelo que apuramos, este cidadão agiu isoladamente”, pontuou Nocelli, que não considerou ter ocorrido falha na segurança. “O número de presentes era muito grande. Então, a Polícia Federal teve uma resposta oportuna e rápida.”

      Informações de pessoas ligados ao PSL, partido de Bolsonaro, afirmaram que o deputado havia sido orientado por setores de inteligência a não fazer o trajeto a pé, mas que o próprio candidato haveria decidido caminhar entre seu apoiadores, que compareceram em grande número ao Centro de Juiz de Fora. A PM não fez estimativa do número de pessoas que partilhavam da concentração. (Renato Salles)

      19h10 6.set

      Perfil de autor de atentado tem indícios de uma personagem preocupada com conspirações

      Em um perfil de rede social com o nome de Adélio Bispo de Oliveira e com a foto de alguém com o mesmo rosto do homem acusado de atacar Jair Bolsonaro, os “posts” indicam que o autor é uma personagem preocupada com conspirações de organizações secretas e crítica do candidato do PSL, esfaqueado nesta quinta-feira.

      A maioria dos posts deste ano, pelo menos, trata de supostas maquinações da maçonaria, que controlaria empresas e seria representada por vários políticos e organizações de direita no Brasil.

      Ataca com frequência Bolsonaro e pelo menos uma vez, seu vice, o general Mourão, outro integrante da maçonaria, afirma. Em uma publicação, mostra foto de dois manifestantes com camisetas de apoio a Lula.

      Em maio, quando o PT confirmou a candidatura do ex-presidente, escreveu o seguinte sobre Gleise Hoffman, presidente do PT, que aparecia em um vídeo (o texto é reproduzido com os erros originais:
      “Pois é meu bem, mas o pq esta ao lado de um maçon do dem???, e om uma roupa que ilustra em sua gola a estrela invertida, a estrela maçonica,? o penta grama satanico?, ou queda da estrela do pt??

      Escreve contra a desnacionalização de empresas. Defende o fim do estado laico e sugere lei que transforme o Brasil em estado cristão; publica textos e imagens desfavoráveis a homossexuais (um contra a Parada Gay, por exemplo).

      Em um comentário sobre um texto relativo à implantação de microchips, escreve o seguinte: “Lamentavel, países onde ha um numero expressivo de cristãos, e se tornam pioneiros na implantação do bioa ship, ou marca da besta como esta escrito.”

      No comentário a um vídeo do ditador da Venezuela, parece defender o “comunismo” e ataca a “direita maçônica”.
      Argumenta ou explica situações com base em números ou algo parecido com numerologia. Discute ou apresenta desenhos animados que teriam mensagens subliminares, terroristas inclusive.

      O autor dos posts frequentemente se diz criador de planos que foram apropriados por políticos (“é meu plano de 2015?). Desenvolvo ideias desconexas para a reforma da Previdência ou para a revitalização do São Francisco, entre muitas outras.

      Propõe projetos como a da criação de novas cidades racionais no país, que poderiam ser habitadas por solteiros (que, lembra em post de 3 de agosto, seriam a maioria do eleitorado catarinense, perfil de eleitor que não recebe a atenção de candidatos).

      Logo depois de ter sido apresentado como o autor do ataque a Bolsonaro, seu perfil no Facebook começou a receber centenas de comentários críticos ou com ameaças. (Vinicius Torres Freire)

      19h06 6.set

      Apoiadores fazem oração coletiva por Bolsonaro

      Partidários e apoiadores de Bolsonaro, profissionais de imprensa e agentes de segurança permanecem concentrados em frente a Santa Casa, localizada na avenida Rio Branco, principal via de Juiz de Fora (MG).

      Os presentes realizaram orações coletivas pela saúde do candidato. O hospital ainda não divulgou um boletim médico sobre a cirurgia nem sobre o estado de saúde do deputado. (Renato Salles)

      19h06 6.set

      Suspeito de esfaquear Bolsonaro foi a escola de tiro frequentada por filhos do presidenciável

      Adélio Bispo de Oliveira, apontado como o homem que esfaqueou Bolsonaro, fez uma visita a escola de tiro de Santa Catarina frequentada por dois filhos do presidenciável, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o vereador Carlos Bolsonaro (PSL-RJ).

      A assessora da “.38 Clube e Escola de Tiro” Julia Zanata, que é mulher de um dos donos da empresa, disse que há registro da ida de Bispo em 5 de julho deste ano. Ele chegou a compartilhar no Facebook sua ida ao local.

      “Ele [Adélio Bispo de Oliveira] foi uma vez. Toda vez que tu vai, tem um cadastro. Ele só foi uma vez lá, dia 5 de julho.
      O Eduardo Bolsonaro e Carlos Bolsonaro são associados do clube e frequentadores assíduos. Está todo mundo do clube abalado”, disse Zanata, afirmando que os filhos de Bolsonaro não estavam nesse dia.

      ” Não sei te dizer quem foi o instrutor do dia. Ele foi provavelmente para praticar tiro, né?” (Camila Mattoso, Ranier Bragon e Laís Alegretti)

       

      18h55 6.set

      Ataque é resultado de campanha de ódio contra Bolsonaro’, diz general Heleno

      Um dos principais conselheiros de Jair Bolsonaro (PSL), o general da reserva Augusto Heleno afirmou que o ataque sofrido pelo candidato nesta quinta-feira (6) é “resultado de uma campanha de ódio que está sendo feita contra ele”.

      “No fim, era ele o intolerante?”, afirmou Heleno à Folha. “Isso foi resultado da campanha que está sendo feita contra ele, uma campanha de ódio, da qual ele foi vítima”, completou.

      Segundo o general, o ferimento causado pela facada que Bolsonaro levou durante evento em Juiz de Fora (MG) foi “mais grave do que se imaginava inicialmente”.

      Mas, no fim da tarde, explica, os médicos da Santa Casa da cidade conseguiram estancar a hemorragia intestinal do candidato que, ainda de acordo com Heleno, era o que mais os preocupava naquele momento.

      Aliado de primeira ordem do presidenciável, o general defendia que Bolsonaro usasse constantemente um colete à prova de balas durante atos públicos, assim como outros integrantes de sua equipe, mas afirma que o capitão reformado era reativo à ideia.

      “O colete é muito incômodo, não é confortável, principalmente no calor. Ele reagia mal à ideia”, afirmou o general.

      Heleno pondera, no entanto, que, pelos vídeos divulgados nas redes sociais, não dá para afirmar se Bolsonaro estava ou não usando colete nesta quinta, quando foi atingido pela facada.

      O general está em Brasília, onde mora, e tem monitora a situação através de aliados e familiares de Bolsonaro.

      Eventos abertos –e marcados pela aglomeração de pessoas– são definidos por especialistas como atos onde é impossível garantir segurança plena.

      O colete à prova de balas também não cobre todo o corpo e, por isso, diz Heleno, mesmo que Bolsonaro estivesse com o acessório, poderia ter sido atingido na parte debaixo da barriga que, geralmente, fica desprotegida. (Marina Dias)

      18h55 6.set

      Suspeito de esfaquear Bolsonaro será ouvido em audiência nesta sexta

      O homem preso após atacar com uma facada o candidato Jair Bolsonaro será ouvido em audiência de custódia nesta sexta-feira na Justiça Federal, com acompanhamento do Ministério Público Federal, informou há pouco a Procuradoria da República mineira.

      O caso já é acompanhado por procuradores da República de Juiz de Fora. A audiência de custódia, prevista em lei, é um instrumento processual pelo qual toda pessoa presa em flagrante seja levada à presença de um juiz, que determinará se a prisão deve ser mantida ou relaxada. (Rubens Valente)

      18h51 6.set

      Ataque a Bolsonaro tem 808 mil referências no Twitter, diz FGV

      Um levantamento da FGV DAPP ( Diretoria de Análise de Políticas Públicas) detectou que as referências ao atentado com faca de Jair Bolsonaro atingiu 808 mil referências no Twitter.

      Entre as hashtags mais utilizadas nas postagens, estão #bolsonaropresidente17 (0,6%), #bolsonaro (0,5%), #urgente (0,5%), #eleições2018 (0,4%) e #forçabolsonaro (0,3%).

      18h49 6.set

      ‘Eleição não se faz com agressão’, afirma João Doria

      O candidato ao governo de São Paulo pelo PSDB, João Doria, usou o Twitter para prestar solidariedade a Jair Bolsonaro. (Patrícia Pasquini)

      18h24 6.set

      ‘Chega de violência, seja contra quem for’, diz Jean Wyllys

      Jean Wyllys, candidato a deputado federal pelo PSOL, repudiou o atentado contra o presidenciável Jair Bolsonaro, do PSL.

      Em texto publicado em redes sociais, Wyllys disse que recebe ataques e ameças de eleitores de Bolsonaro todos os dias. “Chega de violência, seja contra quem for”, escreveu.

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!
WhatsApp chat