NOSSAS REDES

ARTIGOS

Com saudade dos cofres públicos petezada se visita pensando em 2020

Blog do Evandro Cordeiro, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os cafés da manhã se intensificaram nos últimos dias entre as viúvas dos cofres públicos. Sob pretexto de visitas de cortesia, a turma que corroeu o queijo nos últimos 20 anos está se juntando para criar uma candidatura que seja menos cara de pau e com a qual possam ir pra rua fazendo de tudo para o eleitor não lembrar da tragédia na qual deixaram o Acre. Haja caldeira no café contry para torrar pó suficiente.

Opinião

Com secretariado sem reação e expressão na internet, gestão de Marilete “apanha” nas redes sociais

Avatar

PUBLICADO

em

Prefeita vive o dilema do perigo da vulnerabilidade diária por não ter um secretariado forte, empoderado, combativo e proativo, e vira ‘refém’ das redes sociais.

Para concluir que o secretariado e assessores da Prefeita Marilete Vitorino não esboçam reação diante de críticas veiculadas na internet, nem possuem expressão na rede social, é suficiente uma visita na linha do tempo (Facebook) de cada ocupante de cargo comissionado.

Os nomes dos secretários e assessores são de conhecimento público e notório, porque publicados inclusive no Diário Oficial do Estado. É só ler o Diário e fazer uma busca no Facebook, nome a nome, para se confirmar a veracidade do título desta matéria.

VISITANDO A LINHA DO TEMPO

A Redação do Acre.com.br visitou a linha do tempo (Facebook) dos principais ocupantes de cargo comissionado da gestão da Prefeita Marilete Vitorino, e constatou que poucos ou quase nenhum compartilha os conteúdos de mídia produzidos pela assessoria de comunicação do município.

As ações institucionais da gestão são publicadas pela assessoria de comunicação no site https://www.tarauaca.ac.gov.br/, todavia quase não se vê compartilhamento desse conteúdo na linha do tempo dos assessores, secretários ou subordinados da alcaide do município.

O compartilhamento das ações produzidas pela Assecom da PMTK e divulgadas no site institucional se resume aos familiares, amigos e assessores mais próximos da Prefeita.

“Até tu, Brutus?”

A frase remete a uma famosa história da Idade Antiga. No século I A.C., o imperador romano Júlio César foi vítima de uma conspiração de senadores para tirá-lo do cargo. Entre eles estava o seu filho adotivo Marcus Brutus.

O complô resultou no assassinato do imperador a punhaladas pelo grupo de senadores. Na hora da morte, Júlio César reconheceu o filho entre os seus algozes e proferiu a frase. “Até tu, Brutus, filho meu?”. É uma frase célebre que, com o tempo, adquiriu um sentido simbólico.

Nos bastidores da política local, o clima político é esse: “Até tu, Brutus?”

MUITAS AÇÕES E FRACOS APLAUSOS

Pelo que se vê nas redes sociais, quando a gestão da Prefeita Marilete Vitorino divulga suas ações, a repercussão é pífia. Não se vê conteúdo ‘viralizar’.

Na era da internet, é recorrente nas redes sociais o frenético compartilhamento de conteúdo, que se propaga às vezes por semanas. O que não se vê quando o assunto é Governo Marilete.

Como exemplo, cita-se o navio-hospital adquirido pela Prefeita ao valor de quase R$ 2 milhões. A mídia divulgada já caiu no esquecimento, em menos de sete dias. Uma aquisição de suma importância para o município, mas com poucos aplausos. O próprio secretariado não se empenhou em divulgar e compartilhar o conteúdo da ação.

BURAQUEIRA

Mas a buraqueira nas ruas de Tarauacá continua sendo a reclamação diária dos munícipes, que enfrentam ruas quase intrafegáveis. A Prefeita prometeu asfaltar em 2019 as principais ruas, mesmo sem convênio com o Governo do Estado.

O governador, até o momento, não concretizou as promessas de ajudar na pavimentação de Taraucá. Sem ‘concreto’, o povo reclama. 

SECRETARIADO SEM REAÇÃO DIANTE DE CRÍTICAS NAS REDES SOCIAIS

Recentemente, internautas denunciaram atos de vandalismo, depredação e descaso por parte do poder público de uma quadra de grama sintética. O assunto ganhou repercussão.

Segundo alguns internautas, a responsabilidade seria da Secretaria Municipal de Esportes ou da Secretaria de Administração do município.

SEM ATITUDE

Seja como for, a denúncia de descaso não foi repelida nem contestada por nenhum órgão público do município. O secretariado assistiu inerte as críticas que circularam na internet. Ninguém aplicou ‘repelente no inseto’ ou remédio na ‘picada’, e a quadra continua abandonada e sendo depredada.

Mesmo com ações e obras a divulgar, a gestão da Prefeita Marilete continua apanhando na internet, e o secretariado assiste inerte, visualiza, e não sabe onde ‘clicar’.

Por Freud Antunes e José Gomes, jornalistas.

Continue lendo

ARTIGOS

Professor Dr Eduardo Carneiro publica artigo sobre a mudança da bandeira do Acre

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

SOBRE A MUDANÇA DA BANDEIRA DO ACRE

           Surpreendeu-me a noticia de que está em tramitação na Assembleia Legislativa um Projeto de Lei que muda a bandeira do Estado do Acre. Não tive acesso ao referido projeto, no entanto, por dedução, dá para imaginar que a justificativa de tal mudança está baseada em um raciocínio silogista, no mínimo, equivocado, a saber: Premissa 1: a bandeira do Estado Independente do Acre proclamado por Luís Galvez é diferente da atual. Premissa 2: o Estado Independente de Galvez é a origem do Acre Estado. Premissa 3 (conclusão por Inferência):  a bandeira atual não é a original, portanto, deve ser mudada.

            A primeira premissa está correta. Realmente a bandeira adotada pelo Estado Independente do Acre proclamado por Luís Galvez em 1899 e  por Plácido de Castro em 1903 era outra distinta da atual. Digo “outra”, porque quando se trata de um pavilhão cívico (nacional, estadual e municipal), qualquer alteração, mesmo que mínima, já a descaracteriza, uma vez que suas especificações em detalhes são reguladas por decretos. Portanto, alterar as proporções, as posições, as cores, acrescentar ou suprimir detalhes, etc., é o mesmo que produzir outra bandeira. E como não se pode ter duas bandeiras representando um mesmo ente político, a segunda é qualificada como  “desrespeito cívico”. Então, a bandeira do Acre atual e a bandeira do Acre “de Galvez” não são simplesmente iguais com alguns detalhes diferentes, pelo contrário, são duas bandeiras, cada um representando entes políticos distintos. De acordo com a vexilologia, o projeto de criação de uma bandeira pode levar em consideração a verossimilhança com outras bandeiras já existentes, caso aja entre as comunidades algum lastro histórico comum. É bom lembrar que caracteres verossimilhantes não são caracteres idênticos, já que não se pode adotar uma mesma bandeira para entes políticos diferentes. Um Estado não pode adotar a bandeira de um país. Um município não pode adotar a bandeira de um Estado e assim por diante. É exatamente isso que acontece nessa questão, apesar de mesmo nome, o Acre “de Galvez” é um país estrangeiro ao Brasil, e o Acre Atual é um Estado brasileiro. Bastaria isso para que o “silogismo wilsoniano” caia por terra.

            Então, para esse projeto que tramita na Assembleia Legislativa ganhe um mínimo de coerência seria preciso que primeiro provasse que a República de 1899 é igual ao Estado de 1962. Caso consiga essa missão impossível, estaria facultada a adoção de uma mesma bandeira. Seria o Acre de 1962 IGUAL ao Acre de 1899? Certamente que não. Mas ambos têm o mesmo nome. Sim, são homônimos, e talvez essa seja uma das poucas coisas em comum entre eles. Ter nomes iguais não tornam iguais esses dois topônimos. Para início de conversa, cada Acre têm um respectivo decreto de criação, ou seja, uma certidão jurídica de nascimento própria. Geograficamente são distintos, uma vez que o limite oeste do “Acre país” ia até o rio Iaco, excluindo os afluentes do Juruá. O espaço jurisdicional de um era bem menor que o do outro. A natureza política deles também são divergentes, um era país e outro estado. São pessoas jurídicas de direito público com naturezas opostas. O Acre Estado é brasileiro, o Acre País era de nacionalidade estrangeira. O Acre País era independente do Brasil, já o Acre Estado é dependente. O Acre “de Luiz Galvez” era um Estado soberano que adotara a forma republicana de governo. A república pressupõe o exercício da cidadania que, por sua vez, supõe um vínculo jurídico entre o indivíduo e o Estado Nacional, que nada tem a ver com o Acre Estado.

               O Acre Estado não é a continuação do Acre país. Isso seria uma “involução”, um movimento regressivo contrário a ideia de progresso tão basilar no ponto de vista da historiografia positivista, típica do século XIX. A história oficial do Acre foi construída aos moldes positivistas, por isso é que temos a impressão de que trata-se de uma narrativa linear e cronológica do idêntico em pleno desenvolvimento, ou seja, como se fosse um único Acre em estágios de evolução diferentes. Atualmente, nenhum curso de história de prestígio internacional adota o estilo narratológico positivista como padrão, justamente por causa desse caráter teleológica manipulador. A bandeira é a marca identitária de uma ente político republicano, portanto, se há dois entes, que se tenha duas bandeiras.

             Mesmo que o Acre País fosse hipoteticamente tido como o passado fundador do Acre Estado, a necessidade de diferenciá-los simbolicamente com bandeiras próprias continuaria sendo pertinente, afinal, o primeiro Acre tinha nacionalidade estrangeira. Porém, os historiadores positivistas e conservadores dirão: mas o “sangue da República de Galvez corre nas veias do Estado do Acre”. Eu responderia: mesmo que essa “fantasia historiográfica” fosse verdadeira, não implicaria dizer que se trata de um mesmo Acre, pois ser “descendente sanguíneo” não torna as “digitais” individualizadoras iguais. Justamente por causa da singularidade é que há a necessidade de símbolo civis também singular. 

            Diante de tudo que foi dito, a caracterização exata da bandeira do Estado Independente do Acre se torna secundária, se ela tinha a estrela na parte superior ou inferior, isso tanto faz, apesar de que as evidências históricas apontam para que ela estivesse na parte superior. A bandeira do Acre “de Galvez” foi tomada como modelo em 1920 para que OUTRA fosse inventada a partir de sua verossimilhança, invertendo a linha diagonal das cores e, por fim, sendo aceita oficialmente via decreto pelo governador do então Território do Acre Epaminondas Jacome. Qual o motivo da mudança? Sinceramente não sei, somente uma pesquisa apurada poderia nos dizer. Resgatar o projeto que idealizou a bandeira do Acre unificado, as discussões que houveram em torno dele, se houve contrapropostas ou projetos alternativos, tudo isso precisaria ser pesquisado.

           Para concluir, o projeto em tramitação diz que a bandeira atual do Acre está “ERRADA”, porém eu digo que a ideia de erro só tem validade a partir de um “padrão” socialmente aceito como certo, fora disso, as ideias de certo e errado viram “fumaça”. Então, o “padrão” aceito seria a bandeira do Acre País? Por quais motivos esse padrão deveria ser aceito? É bom que se diga que, nesse caso, não se trataria de “corrigir um erro” e sim de adotar uma OUTRA bandeira, qual seja, aquela que representava um Acre estrangeiro ao Brasil. O “erro histórico winsoniano” não precisa ser corrigido, pois a atual bandeira não está “de cabeça para baixo”, ela está exatamente onde deveria estar. Repito em dizer, não estamos tratando de uma mesma bandeira, sendo uma certa e a outra errada, o caso aqui é que temos duas TOTALEMENTE singulares, uma representando um país e a outra representando uma unidade federativa de um país. Não se trata de “resgatar a história do Acre” com uma suposta correção da bandeira e sim consolidar, por meio de um símbolo civil, o mito fundador do Acre, ou seja, o abuso da história.

Dr. Eduardo de Araújo Carneiro é professor da UFAC, lotado no Centro de Filosofia e Ciências Humanas. É escritor e editor de livros.

Continue lendo

VOTE NA ENQUETE

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

Fale Conosco