NOSSAS REDES

Jordão

Deputada repudia sugestão do governador a manifestantes de Jordão

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Na sessão desta quarta-feira (6) a deputada Eliane Sinhasique (MDB) repudiou a resposta que o governador Tião Viana (PT) teria dado ao ser abordado na pista do aeródromo de Jordão, por manifestantes que protestavam contra o reajuste da passagem aérea. Segundo a oposicionista, ao ser questionado se ele poderia interceder para evitar o reajuste da passagem Tião Viana teria sugerido que eles “tocassem fogo nas aeronaves”.

Para a emedebista, o governador teria incentivado o vandalismo em vez de manifestar apoio à causa. “Nunca antes na história vi um governador cometer tamanho desatino. Ele está precisando de um médico, só pode. Ele com certeza não está em sua plena capacidade mental. Incentivar o vandalismo, sugerir que os manifestantes ateassem fogo nos aviões, isso é um absurdo. Isso não é postura de um governador”, disse a deputada.

Ainda segundo a deputada, a população dos municípios isolados do Acre merece respeito. “Sugerir tocar fogo nos aviões em vez de estimular o diálogo, de manifestar algum tipo de apoio, aí já é demais. É muita falta de respeito. Nunca tinha visto isso na minha vida. Foi tudo gravado, o vídeo está circulando para quem quiser ver em todas as redes sociais. Imagina se agora na capital o povo começa a tocar fogo em ônibus devido ao aumento da passagem? A gente espera que o governador pacifique a situação, que resolva os problemas, e não que incentive o vandalismo”, enfatizou.

Para concluir, Eliane Sinhasique também questionou a declaração do senador Jorge Viana (PT) sobre o valor do óleo diesel. “Esse é outro que também precisa de um médico, está precisando tomar um remedinho para memória. Ele disse que conseguiu baixar no governo dele a alíquota do diesel de 25% para 17%, até parece que essa foi uma iniciativa dele. Isso só aconteceu porque a Confaz queria equilibrar a carga tributária do diesel com a de Rondônia. Essa não foi uma decisão dele. Foi uma determinação, um convênio firmado com a Confaz. Senhor Jorge Viana, o senhor não é tão bonzinho como está querendo parecer. Está precisando tomar um remedinho para memória”, disse a parlamentar. Por Mircléia Magalhães.

Cotidiano

Fumaça de queimadas impede avião de decolar no município de Jordão

Ac24horas, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Já passa das 8 horas da manhã e a peculiar neblina dos amanhecer do dia ainda não dissipou no município de Jordão, no Acre. Isso porque o “nevoeiro” é formado por fumaça e está afetando drasticamente os moradores da região.
De acordo com um dos pilotos da Rio Branco Aerotáxi, há uma grande quantidade de fumaça suspensa no ar. “Isso aliado às chuvas que ocorreram no dia anterior fez surgir esse nevoeiro forte. Não estamos conseguindo decolar”, explica Ricardo Lima.

O Acre já registrou 2.498 queimadas de janeiro até o dia 20 de agosto. Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), só neste mês de agosto foram 2.123 focos registrado somente em agosto.
De acordo com a Secretaria de Meio Ambiente do Acre (Sema), os municípios acreanos que apresentam mais focos de queimadas são Feijó, Tarauacá e Sena Madureira, com 517, 394 e 261 focos, respectivamente.

Continue lendo

CRIME

EXCLUSIVO: Irmão acusa irmão pela morte de Carlinhos Farias, assassinado no Rio Tarauacá

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Carlinhos Farias era filho do ex-prefeito Turiano Farias, e primo do atual prefeito de Jordão, foi morto com requintes de crueldade. Após o crime, “não demonstrou nenhum arrependimento, e a todo momento sorrindo“, revela o irmão do acusado. 

.

O jornalismo do Acre.com.br teve acesso exclusivo e inédito aos documentos e provas do crime. O Laudo de Exame de Corpo de Delito Cadavérico confirma que houve possível luta e resistência em sobreviver por parte da vítima. Houve lesões e perfurações em diversas partes do corpo.

Na foto de capa: irmão do acusado, Pedro Venâncio da Silva.

.

No dia seguinte ao assassinato, a Polícia Militar prendeu José da Cruz Souza da Silva, 39 anos, suposto “amigo” que estava na companhia de Carlinhos Farias, filho do ex-prefeito de Jordão, Turiano Farias (1998/2004). O suspeito foi preso na Comunidade Remanso, Seringal Jaminawá, local do crime. Segundo informações, ele ainda estava com as supostas armas do crime em mãos no momento da prisão. 
.
.
O crime ocorreu no dia 26, à noite, dentro de uma embarcação ancorada no barracão de propriedade do irmão do assassino. A vítima estava dormindo numa rede, dentro de uma das embarcações com destino ao município de Tarauacá. A vítima foi morta com pelo menos 20 facadas.
.
.
O suposto autor do crime, JOSÉ DA CRUZ DA SILVA SOUZA, está atualmente preso no Presídio Moacir Prado, cumprindo prisão preventiva, para viabilizar, aprofundar e garantir as investigações.
.
.
Entenda os fatos:
.
.
Segundo afirmou o Juiz Marcos Rafael Maciel de Souza, o condutor José Salvio Marinho, Policial Militar, relatou que, após ser informado acerca de um crime de homicídio na Zona Rural Seringal Jaminawá no Rio Tarauacá, deslocou-se junto com agentes de polícia cível ao referido local onde constatou a veracidade da denúncia, momento em que encontraram o corpo da vítima Carlos Robson Silva de Farias caído dentro do barco com várias perfurações causadas por arma branca.
.
.

Carlinhos Farias [Reprodução. Facebook]

.
O magistrado afirmou ainda que, segundo relatou a testemunha Pedro Venâncio da Silva, irmão de José da Cruz (acusado), que estavam se deslocando para a cidade de Tarauacá e pararam naquele local para passar a noite, sendo que ele (Pedro Venâncio) subiu para a casa que pertence a um de seus irmãos e José da Cruz ficou sozinho no barco com a vítima (Carlos Robson), sendo que ambos estavam consumindo bebida alcoólica.
.
De acordo com o policial militar Salvio Marinho, a testemunha Pedro Venâncio disse que ao voltar no dia seguinte, por volta das 05h da manhã, chegando ao barco, deparou-se com a vítima Carlos caído no chão do barco e constatou que o mesmo estava sem vida, sendo que no local estava apenas seu irmão José da Cruz que negou ter matado a vítima.
.
Acusado negou o crime. Veja seu interrogatório:
O policial, condutor, informou por fim que, quando a Polícia chegou ao local do crime, José da Cruz ainda se encontrava lá, onde foi preso e levado para a Delegacia e que, no ato da sua prisão, ele portava uma faca peixeira, que foi apreendida.
.
Veja o tamanho das facas apreendidas:
A testemunha Pedro Venâncio da Silva, irmão do acusado, confirma a versão apresentada pelo policial, condutor, relatando: que ficou na canoa até aproximadamente 20h e que, após jantar, resolveu subir para a casa de um de seus irmãos, ficando na canoa seu irmão José e a vítima Carlos, e que ambos ficaram deitados em suas redes; que os dois estavam conversando normalmente sem nenhum desentendimento entre eles; que quando voltou ao barco, na madrugada do dia seguinte, por volta das 05 da manhã, desceu para a canoa para seguir viagem e que, quando chegou no barranco, viu seu irmão na proa da balsa em pé com as duas mãos no bolso e, ao descer, chamou a vítima para irem embora, no entanto, quando chegou mais próximo viu o mesmo caído no chão e ao tocá-lo percebeu que estava morto; que perguntou ao seu irmão se ele tinha mata o homem e ele respondeu que não havido sido ele, que alguém tinha ido la e brigado com ele e o tinha matado; que tirou uma faca da cintura e disse “tá aqui minha faca”, disse ainda que “seu sonho era matar um e tirar as mantas e comer, só que não era esse aí“; que perguntou ainda acerca de suas pernas que estavam cheias de sangue, momento em que ele pegou um pano na canoa, molhou e ficou passando nas pernas, falando que “sangue de cristão fede“.
.

Veja o depoimento de Pedro Venâncio da Silva, irmão do acusado:

Pedro Venâncio da Silva, irmão do acusado [Reprodução. Inquérito Policial]

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ainda segundo o Juiz Marcos Rafael Maciel de Souza, o acusado JOSÉ DA CRUZ DA SILVA SOUZA afirmou em seu depoimento que: não se recorda de ter ouvido nenhum tipo de barulho ou gritos no barco; que não havia outras pessoas nas proximidades e que não se recorda de ter matado Carlinhos; que sempre que bebe perde a memória. Perguntado acerca das roupas que usava naquela noite, respondeu o interrogado que jogou sua camisa dentro do rio porque a referida já estava velha.

.

A negativa de autoria do acusado não convenceu o magistrado, que decretou sua prisão preventiva, e está atualmente preso no presídio de Tarauacá. 

.

Por Acre.com.br 

Continue lendo

Super Promoções

WhatsApp chat