NOSSAS REDES

CORONAVÍRUS

FMT desenvolve projeto-piloto de combate a malária em Mâncio Lima

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Uma equipe da Fundação de Medicina Tropical – FMT, sediada em Manaus, vai iniciar nesta terça, 6, a capacitação dos Agentes de Endemias e Agentes Comunitários de Saúde de Mâncio Lima, para a realização de um teste rápido, que vai salvar vidas. O treinamento será realizado no Teatro Márcia Alencar a partir das 8 horas.

A primaquina é um dos medicamentos utilizados no tratamento da malária Vivax, a mais comum no Brasil. Quem está com malária, mas tem no organismo, a deficiência de um enzima chamado G6PD, ao tomar a primaquina, tem os glóbulos vermelhos destruídos, o que pode causar anemia e até a morte.

Os técnicos da FMT vão ensinar os Agentes de Mâncio Lima, a aplicar o teste rápido de detecção da deficiência na enzima, o que poderá ser feito nas localidades rurais, ribeirinha ou em unidades de saúde, sem a necessidade de estrutura de laboratório.

A secretária de Saúde de Mâncio Lima, Joice Gonçalves, cita que se o teste rápido confirmar a deficiência da G6PD, o doente de malária será tratado com a cloroquina e a primaquina de forma fracionário, sendo uma dose a cada sete dias. “Nossa equipe estará capacitada para todo esse processo”, explica ela, ressaltando que a cidade é uma das duas da Amazônia a contar com o projeto-piloto da Fundação de Medicina Tropical.

Na região do Juruá, onde já foram registados em 2006, 93 mil casos em Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima e Rodrigues Alves, a situação da malária é considerada controlada atualmente. Em julho deste ano , em Mâncio Lima, foram registrados 371 casos de malária, sendo que no mesmo período de 2018, foram 579 casos.

Novo medicamento para malária será em dose única

Com os medicamentos atuais o tratamento contra a malária pode levar até duas semanas. Muitos pacientes deixam de tomar os remédios , ao sentirem melhora no quadro de saúde.

Para evitar o abandono do tratamento, e em consequência, as recaídas, é desenvolvido no Brasil, um novo medicamento, a Tafenoquina, que será ministrado em dose única, sob a supervisão dos Agentes de Saúde.

A diferença entre a Primaquina, o remédio atual e Tafenoquina é o tempo de permanência no organismo. A Primaquina é eliminada mais rapidamente pelo organismo, por isso, precisa ser ingerida por um período longo. Já a Tafenoquina permanece agindo por vários dias, mesmo o indivíduo tomando apenas uma dose.

A ideia é que o paciente seja medicado logo após a confirmação da doença, em unidade de saúde, ou em sua própria residência, pelo Agente de Endemias ou Agente Comunitário de Saúde.

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS VISUALIZADAS

WhatsApp chat