NOSSAS REDES

CORONAVÍRUS

FMT desenvolve projeto-piloto de combate a malária em Mâncio Lima

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Uma equipe da Fundação de Medicina Tropical – FMT, sediada em Manaus, vai iniciar nesta terça, 6, a capacitação dos Agentes de Endemias e Agentes Comunitários de Saúde de Mâncio Lima, para a realização de um teste rápido, que vai salvar vidas. O treinamento será realizado no Teatro Márcia Alencar a partir das 8 horas.

A primaquina é um dos medicamentos utilizados no tratamento da malária Vivax, a mais comum no Brasil. Quem está com malária, mas tem no organismo, a deficiência de um enzima chamado G6PD, ao tomar a primaquina, tem os glóbulos vermelhos destruídos, o que pode causar anemia e até a morte.

Os técnicos da FMT vão ensinar os Agentes de Mâncio Lima, a aplicar o teste rápido de detecção da deficiência na enzima, o que poderá ser feito nas localidades rurais, ribeirinha ou em unidades de saúde, sem a necessidade de estrutura de laboratório.

A secretária de Saúde de Mâncio Lima, Joice Gonçalves, cita que se o teste rápido confirmar a deficiência da G6PD, o doente de malária será tratado com a cloroquina e a primaquina de forma fracionário, sendo uma dose a cada sete dias. “Nossa equipe estará capacitada para todo esse processo”, explica ela, ressaltando que a cidade é uma das duas da Amazônia a contar com o projeto-piloto da Fundação de Medicina Tropical.

Na região do Juruá, onde já foram registados em 2006, 93 mil casos em Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima e Rodrigues Alves, a situação da malária é considerada controlada atualmente. Em julho deste ano , em Mâncio Lima, foram registrados 371 casos de malária, sendo que no mesmo período de 2018, foram 579 casos.

Novo medicamento para malária será em dose única

Com os medicamentos atuais o tratamento contra a malária pode levar até duas semanas. Muitos pacientes deixam de tomar os remédios , ao sentirem melhora no quadro de saúde.

Para evitar o abandono do tratamento, e em consequência, as recaídas, é desenvolvido no Brasil, um novo medicamento, a Tafenoquina, que será ministrado em dose única, sob a supervisão dos Agentes de Saúde.

A diferença entre a Primaquina, o remédio atual e Tafenoquina é o tempo de permanência no organismo. A Primaquina é eliminada mais rapidamente pelo organismo, por isso, precisa ser ingerida por um período longo. Já a Tafenoquina permanece agindo por vários dias, mesmo o indivíduo tomando apenas uma dose.

A ideia é que o paciente seja medicado logo após a confirmação da doença, em unidade de saúde, ou em sua própria residência, pelo Agente de Endemias ou Agente Comunitário de Saúde.

Advertisement
Comentários

Comente aqui

CORONAVÍRUS

Coronavírus: MPAC recomenda restrição de público em promoções de supermercados

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por intermédio da 1ª Promotoria Especializada de Defesa do Consumidor, expediu recomendação a associações que representam supermercados para que orientem seus associados a limitarem o número de clientes no interior das lojas durante a realização de promoções de grande escala.

A medida visa evitar grandes aglomerações e o contato entre várias pessoas, evitando a propagação do COVID-19.

A recomendação foi destinada à Associação Comercial, Industrial, de Serviços e Agrícola do Acre (Acisa); Associação Acreana de Supermercados (Asas); Associação dos Distribuidores Atacadistas do Estado do Acre (Adacre); e ao atacadista Makro, que realizou recentemente promoção que atraiu centenas de consumidores.

De acordo com a recomendação, as associações devem orientar seus associados para que supermercados – atacadistas ou varejistas – que realizem promoções em itens de grande demanda, enquanto durar o estado de calamidade decretado pelo governo do Estado do Acre, limitem a quantidade de consumidores no interior da loja a 60 pessoas por vez.

A promotora de Justiça Alessandra Garcia Marques lembra que o Código de Defesa do Consumidor determina que são direitos básicos do consumidor a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de produtos e serviços, além de estabelecer como prática abusiva a permissão do ingresso em estabelecimentos comerciais ou de serviços de um número maior de consumidores que o fixado pela autoridade administrativa como máximo.

Ainda na recomendação, a promotora de Justiça justifica que, diante do atual cenário da pandemia, é necessária a adoção de medidas urgentes de prevenção, controle e contenção de riscos à saúde pública, com o intuito de evitar o crescimento acelerado no ritmo de casos confirmados de pessoas diagnosticadas com COVID-19 no estado, sendo imprescindível a promoção do chamado distanciamento social.

Continue lendo

CORONAVÍRUS

Coronavírus: MPAC recomenda acompanhamento de carreatas no estado para evitar aglomerações

Agência de Notícias MPAC, via Acre.com.br

PUBLICADO

em

Nesta sexta-feira , 27, a procuradora-geral de Justiça Kátia Rejane de Araújo Rodrigues expediu recomendação para que a Secretaria de Estado da Justiça e Segurança Pública adote as providências necessárias para o acompanhamento e fiscalização das carreatas no estado.

A orientação é que a Polícia Militar faça o monitoramento para evitar que os motoristas saiam dos veículos e que ocorram aglomerações, o que está proibido pelo Decreto Estadual nº 5.465, que versa sobre medidas de enfrentamento ao coronavírus.

Na mesma recomendação, promotores de Justiça são orientados a alertarem manifestantes, organizadores das carreatas e autoridades municipais quanto à necessidade do cumprimento do decreto estadual.

Segundo a procuradora-geral, as carreatas não configuram como concentração de pessoas, a menos que motoristas saiam dos veículos.

“A carreata, por si só, não se qualifica como concentração de pessoas para os fins do Decreto, na medida em que não se constitui em aglomeração de pessoas, a menos que seus motoristas saiam dos veículos e se concentrem em determinado local, gerando a aglomeração, o que de fato poderia configurar infração de medida sanitária, prevista no art.28 do Código Penal”, explica.

A recomendação decorre da existência de movimentos nas redes sociais, que têm mobilizado a população para carreatas em vários locais do Brasil, inclusive no Acre, reivindicado o retorno imediato da normalidade das atividades público e privadas, suspensas em razão da pandemia da Covid-19.

Kelly Souza- Agência de Notícias do MPAC

Continue lendo

+30 mil seguidores

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias