NOSSAS REDES

ACRE

Mesmo sem achar corpo, polícia indicia casal e menores por morte de jovem decapitado em vídeo no AC

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Mesmo sem achar o corpo de Raimundo Lacerda do Nascimento, a Polícia Civil do Acre indiciou um casal e dois menores pelo homicídio qualificado. O rapaz apareceu em um vídeo sendo decapitado no mês de maio em Rio Branco.

Os bombeiros do Acre fizeram buscas pelo corpo no Rio Acre, na capital acreana. Após 30 horas de atividades de mergulho, os bombeiros suspenderam os trabalhos de buscas, que continuaram através das investigações.

O inquérito foi concluído e remetido à Justiça no último dia 1º. Arlys Almeida e Adriana Silveira, presos ainda no mês de maio, e dois adolescentes, sendo que um segue foragido, foram indiciados por homicídio com várias qualificadoras, entre elas motivo torpe e fútil, meio cruel, entre outras.

Na época da prisão, Emerson Saraiva também foi levado suspeito de envolvimento no crime. Porém, ele não foi indiciado pela morte. A polícia não confirmou se Saraiva teve mesmo envolvimento no crime.

“O vídeo já confirma a execução e tem a questão dos bens dele, como celular, capacete, relógio, que foram encontrados com alguns participantes. Todo conjunto probatório leva a crer que houve a morte, embora não tenha sido localizado o corpo”, explicou o delegado Martin Hessel, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Corpo esquartejado

Martin acrescentou que o corpo de Nascimento pode ter sido esquartejado antes de ser jogado no rio, por isso a dificuldade para encontrar.

“Pelo o que vi, como eles fizeram é muito difícil encontrar. É tanto que os bombeiros fizeram todo perímetro do local, onde possivelmente tenha sido jogado, e nada. Não conseguiram encontrar nada, mesmo utilizando todas as técnicas”, reforçou.

Motivação

A divulgação do vídeo mobilizou as forças de Segurança em Rio Branco. As imagens do homem sendo degolado de forma brutal foram gravadas no Segundo Distrito de Rio Branco e acabaram viralizando.

Ainda segundo a polícia, as investigações apontam que os criminosos acreditavam que Raimundo do Nascimento pertencia a uma facção criminosa rival. Ele foi atraído, segundo as investigações, para o local do crime por Adriana Silveira.

“Atraíram ele através de conversas, se passaram por mulheres. A Adriana marcou um encontro com ele, se encontraram, seguraram a vítima e fizeram tudo que saiu no vídeo. Acharam que ele era membro de facção”, concluiu.

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS VISUALIZADAS

WhatsApp chat