NOSSAS REDES

BRASIL

Moeda única Brasil-Argentina pode se chamar ‘Peladona’, mistura de Pelé e Maradona, ditam memes

Redação do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A ideia da criação de uma moeda única para a América Latina, sugerida por Jair Bolsonaro em visita à Argentina, movimentou ontem as redes sociais. O termo “peso real” chegou a estar entre os assuntos mais comentados do Twitter, mas nem todos acreditam que essa seja a denominação mais apropriada para unificar o dinheiro. Um internauta sugeriu que a moeda reunisse os nomes dos dois jogadores mais famosos dos

países, Pelé e Maradona, virando… a “peladona”. Outro internauta mencionou a fictícia Ursal (União das Repúblicas Socialistas da América Latina), que ficou conhecida nas redes na época das eleições no ano passado, e sugeriu o nome “rublo ursalino” para a moeda única. Outro nome sugerido foi Abaporu, em referência ao quadro de Tarsila do Amaral, que está em Buenos Aires: “feito no Brasil e desfrutado na Argentina”. Até o meme do momento virou a rima “peso real, juntos e shallow now”. Alguns internautas detalharam o formato das cédulas e que personalidade estaria em cada nota. Alguns argentinos citaram subcelebridades do país. Já um brasileiro resumiu suas ideias assim: “Pelé na nota de 100, Maradona na de 50, Messi na de 20, Ronaldo na de 10, Ronaldinho na de 5, e Neymar na de 2.”

Por Extra

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

PAPO DE ACADEMIA

Assessoria, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Mesmo considerando as academias como serviço essencial, “não é o momento de reabri-las” diz empresários de Feijó e Tarauacá. (mais…)

Continue lendo

BRASIL

Morre aos 99 anos Evandro Gueiros Leite, primeiro presidente do STJ

STJ Notícias, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Morreu em Brasília, nesta terça-feira (19), aos 99 anos, o ministro Evandro Gueiros Leite, primeiro presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Ele foi ministro do extinto Tribunal Federal de Recursos (TFR) de 1977 a 1989 e participou ativamente, na Constituinte, do processo para a criação do STJ.​​

Gueiros Leite segura um exemplar da Constituição de 1988, que criou o Tribunal da Cidadania – processo no qual ele teve importante atuação. | Foto: Gustavo Lima/STJ

O atual presidente do tribunal, ministro João Otávio de Noronha, declarou que a morte de Gueiros Leite é uma perda irreparável para toda a comunidade jurídica.

“Todos os que passam pelo STJ devem um pouquinho ao esforço e ao brilhantismo do ministro Gueiros Leite. Sem o seu empenho, talvez não tivéssemos o Tribunal da Cidadania. Ele lutou por este tribunal e ficou com a tarefa mais difícil, que foi tirar o STJ do papel e colocá-lo em funcionamento. Todos na comunidade jurídica lamentamos muito essa perda irreparável”, comentou Noronha.

A Constituição determinou o aproveitamento dos ministros do TFR na primeira composição do STJ, e, com a instalação do novo tribunal, em abril de 1989, Gueiros Leite assumiu a sua presidência, passando a lutar para viabilizar a construção da sede definitiva da corte.

30 ano​​​s depois

No ano seguinte, Gueiros Leite se aposentou e retornou à militância na advocacia, mas a sua passagem pelo STJ foi marcante. Em 2018, quando o tribunal se preparava para comemorar seus 30 anos de atividade, ele lembrou alguns momentos da história da instituição.

“Em seis meses, precisei extinguir o TFR e criar o STJ. Na verdade, doutor Ulysses, na nova Constituição, nos deu esse limite de seis meses. Eu cumpri, sem dinheiro, porque não houve dotação” – lembrou Gueiros Leite, referindo-se ao deputado Ulysses Guimarães, que presidiu a Constituinte.

Coube a Gueiros Leite ser o relator do Recurso Especial 1, julgado cerca de um ano após a criação do tribunal.

Carreir​​a

Nascido em Canhotinho (PE) no dia 7 de novembro de 1920, Gueiros Leite se formou na Faculdade de Direito do Recife e atuou como advogado de 1947 a 1967 – ano em que tomou posse como juiz federal na Seção Judiciária do Rio de Janeiro.

Em 1977, foi nomeado ministro do TFR, cargo que ocupou até a extinção do tribunal na reforma produzida pela Constituinte, que criou o STJ e os cinco Tribunais Regionais Federais. No Tribunal da Cidadania, atuou na Terceira Turma e na Segunda Seção, e foi membro da Comissão de Regimento Interno e da Comissão de Projetos Legislativos, até se aposentar, em 1990.

Gueiros Leite deixa a esposa, Luci Gueiros Leite, e o filho, Gustavo Alberto Gueiros Leite.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias