NOSSAS REDES

ACRE

OUÇA O ÁUDIO DA ENTREVISTA: Acusado confessa o crime, e narra detalhes da decapitação de Débora.

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Clique, e ouça o áudio da entrevista.

Durante a coletiva de imprensa realizada na manhã desta terça-feira (30), para a apresentação dos suspeitos de matar a jovem Débora Bessa, de 19 anos, a polícia deixou que o principal suspeito falasse à imprensa qual a motivação real que o levou a praticar um crime tão brutal.

Em sua fala, André de Souza Martins alega que cometeu o crime por vingança, já que a jovem teria matado o seu irmão identificado como Wellington, em meados de 2013 esquartejado na companhia de seus irmãos, [Sem citar se eram irmãos de sangue ou irmãos de facção].

Matei a Déborah porque ela matou o meu irmão. Em 2013 ela pegou armou com os irmãos dela e armou pro meu irmão que me ajudava dentro da cadeia e esquartejou o meu irmão, tá entendendo? Arrancaram as pernas, o braço do meu irmão e eu não fiz isso com ela não viu senhores, eu fiz só isso aí mesmo que vcs viram no vídeo ai tá entendendo? Porque ela disse que tirou do dedo do começo do pé do meu irmão até o último braço do meu irmão cara, isso aqui foi vingança não foi mandado de ninguém não“, disse o acusado.

Ainda em sua explicação, ele conta que saiu da cadeia há seis meses e que em um grupo de família, encontrou a Déborah e a atraiu para a cena do crime oferecendo droga através de um telefonema.

Eu encontrei a Débora em um grupo de família onde a família dela tá lá até hoje, eu liguei lá no número dela e perguntei o que ela tava precisando ela falou que queria droga, eu peguei ajeitei um plástico um papel e mostrei dizendo que era droga e ela foi buscar a droga. Quando ela chegou eu já levei ela pro canto que era pra acontecer“, explicou.

Perguntado se estaria arrependido por um repórter, André disse que na hora não pensou e que estava arrependido porque tem sete filhos e agora vai pra cadeia e pediu perdão a sociedade.

Hoje eu tô arrependido porque vou perder minha liberdade de cuidar dos meus filhos tá entendendo? Meus filhos tão aí vão ficar jogado. Eu não pensei antes de fazer, ela acabou com a minha vida dentro da cadeia, minha mãe até hoje toma remédio controlado porque ela viu o filho dela esquartejado dona Maria. Voces me perdoem aí porque eu sei que o que eu fiz num é certo, mas, ela acabou com a minha vida e de muitas outras pessoas que todo mundo sabe que ela não era santa não tá ligado, era uma mulher mas, era uma mulher muito perigosa. Eu sei que o que fiz não é certo e eu espero que Deus me perdoe“, finalizou.

Por Lília Camargo.

Para assistir o vídeo da morte de Débora, clique aqui. [Proibido para crianças, não recomendado]

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Em Feijó, unidade de saúde da família não dispõe de médicos, e população aguarda ação do MP

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Segundo consta no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde – CNES, a Unidade de Saúde da Família Dulce A. A. Sena, em Feijó, interior do Acre, não dispõe de médicos.

Em Feijó, a unidade de saúde U.S.F. Dulce A. A. Sena informou no último dia 03/08/2020 que dispõe de 15 profissionais de saúde, mas nenhum é médico, dentre eles existem agentes comunitários de saúde, auxiliares em saúde bucal, técnicos de enfermagem, auxiliar de escritório e cirurgião dentista. 

No portal do Governo Federal http://cnes.datasus.gov.br/pages/estabelecimentos/consulta.jsp responsável pelo gerenciamento das unidades de saúde dos municípios e estados, não consta informação quanto à existência de médico na U.S.F. Dulce A. A. Sena.

No portal do Governo Federal http://cnes.datasus.gov.br/pages/estabelecimentos/consulta.jsp responsável pelo gerenciamento das unidades de saúde dos municípios e estados, não consta informação quanto à existência de médicos na U.S.F. Dulce A. A. Sena.

Conforme o CNES, não há médicos devidamente cadastrados ou registrados na U.S.F. Dulce A. A. Sena. Consulte clicando aqui ou veja a relação de servidores aqui

A Promotoria de Justiça de Feijó ainda não determinou instauração de diligências sobre o caso. Na internet, internautas afirmaram que o problema da falta de médicos em Feijó é do conhecimento da prefeitura municipal, e há tempos isso acontece no município.

A redação do Acre.com.br telefonou para a gerência da unidade, através do telefone (68)3463-3372, informado ao CNES, para obter informações quanto a existência de médico na unidade. No sistema do CNES, consta a Sra JORGINA DORA SILVA DA SILVEIRA como gestora responsável pela referida unidade de saúde. Porém, após inúmeras chamadas entre 08:30hs e 09:00hs, desta terça-feira, ninguém atendeu.

O contato com a redação poderá ser realizado através do e-mail: contato@acre.com.br ou WhatsApp (68) 99910-8808. 

Continue lendo

ACRE

Conselheira de 65 anos não deve assumir vaga de colega que morreu de Covid-19 no AC, recomenda MP

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Documento destaca que Maria de Jesus já atingiu idade máxima exigida para assumir cargo.

CAPA: TCE-AC encaminhou apenas um nome para indicação do governador — Foto: Reprodução/Google Street View.

O Ministério Público do Acre (MP-AC) encaminhou duas recomendações para a Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) e para o Tribunal de Contas Estadual (TCE-AC) para que seja rejeitada a nomeação da conselheira Maria de Jesus Carvalho de Souza.

Segundo o MP-AC, a conselheira não pode assumir a vaga do colega José Augusto Araújo de Faria, de 71 anos, que morreu de Covid-19 no dia 12 de julho, por já ter atingido a idade máxima exigida para assumir o cargo, que é 65 anos.

A Constituição do Estado do Acre prevê que o conselheiro precisa tem mais de 35 anos e menos de 65 para assumir o cargo. Com 65 anos completos, segundo o MP-AC, Maria de Jesus não pode ocupar a vaga.

O órgão estadual deu prazo de dez dias para que a Aleac e o Governo do Acre se posicionem sobre a situação. Em caso de descumprimento, o MP-AC garante que vai tomar medidas judiciais para apurar a responsabilidade tanto nas esferas cível, administrativa e penal.

Ao G1, a assessoria de comunicação da Aleac informou que ainda não tem comissão formada para analisar. A discussão e formação da comissão deve ser feita na terça-feira (11).

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias