NOSSAS REDES

POLÍTICA

‘Poder popular não precisa mais de intermediação’, diz Bolsonaro ao ser diplomado

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Presidente eleito exaltou papel das redes sociais na eleição deste ano.

Logo depois de ter sido diplomado em cerimônia no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o presidente eleito, Jair Bolsonaro, fez um discurso conciliatório, no qual pediu o apoio de todos os brasileiros, e exaltou o papel das redes sociais no processo eleitoral deste ano.

“Vivenciamos um novo tempo, as eleições de outubro revelaram uma nova prática. O poder popular não precisa mais de intermediação”, afirmou.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), recebeu no fim da tarde desta segunda-feira (10) o diploma que atesta a vitória nas urnas e o mandato de quatro anos. Os documentos foram entregues pela presidente do tribunal superior eleitoral (TSE), a ministra Rosa Weber
O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), recebeu no fim da tarde desta segunda-feira (10) o diploma que atesta a vitória nas urnas e o mandato de quatro anos. Os documentos foram entregues pela presidente do tribunal superior eleitoral (TSE), a ministra Rosa Weber – Walterson Rosa/Folhapress.

Eleito com forte presença nas redes sociais e com pouco tempo de televisão, Bolsonaro exaltou o papel da internet na corrida presidencial afirmando que “as novas tecnologias permitiram uma nova relação entre eleitor e seu representante”.

O presidente eleito chegou ao plenário do TSE ovacionado e cumprimentou os convidados com um sinal de continência, que foi respondido com gritos de ‘mito’.

Em discurso de dez minutos, fez acenos à classe política, cumprimentando o ex-presidente Fernando Collor, presente na cerimônia, e chamando o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de “companheiro”.

Bolsonaro deixou de lado o tom crítico adotado durante a campanha em relação à lisura do processo eleitoral, exaltou o voto popular e a atuação do tribunal.

O eleito agradeceu os 57 milhões de votos obtidos no segundo turno da disputa e pediu apoio dos que não o escolheram para presidente.

“Aos que não me apoiaram, peço a sua confiança para construirmos juntos um futuro melhor para nosso país”, disse.

Ele afirmou ainda que, a partir de 1º de janeiro, será o presidente dos 210 milhões de brasileiros.

“Governarei em benefício de todos, sem distinção de origem social, raça, sexo, cor, idade ou religião”, afirmou Bolsonaro.​

Talita Fernandes , Reynaldo Turollo Jr. , Marina Dias e Letícia Casado. Folha SP.

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Pré-candidato do Republicanos à Prefeitura da capital estabelece alianças em SP e RJ

Assessoria, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O pré-candidato do Republicanos à Prefeitura de Rio Branco, Jebert Nascimento, cumpriu uma extensa agenda nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro durante esta semana. Além de conhecer a estrutura da sigla nas cidades do Sudeste, o empresário acreano estabeleceu alianças para solidificar o nome na disputa eleitoral deste ano. Esta é a primeira vez que ele dispôs o nome.

No início da semana, Jebert esteve com o presidente estadual do partido na capital fluminense, Luis Carlos Gomes. Eles debateram sobre a preparação para o pleito e construção de políticas públicas. “Essa troca de experiência é fundamental para contribuir no processo da nossa pré-candidatura. No Republicanos, nossa missão é trabalharmos com uma política de resultados”.

Representante do Republicanos no Rio de Janeiro e Jebert Nascimento.

Na sequência o pré-candidato esteve em São Paulo, acompanhado do líder político Ewerton Costa, para conhecer a estrutura do partido na maior cidade do Brasil. Ele aproveitou a oportunidade para levar ideias que possam ser aplicadas na conhecida “cidade da garoa” e conheceu algumas propostas que podem ajudar Rio Branco a ter uma infraestrutura geral mais eficiente, dinâmica e assertiva.

“Tive a oportunidade de conhecer a estrutura macro de uma metrópole e quais os principais problemas que ela enfrenta. Apesar de serem bem maiores nestas localidades, alguns desafios são semelhantes aos que Rio Branco precisa superar. Além da dinâmica de uma cidade, também debatemos sobre como construir alianças propositivas e direcionamento correto”, diz o acreano.

O empresário ressalta que foi extremamente importante ver outras perspectivas sobre os problemas que a capital acreana enfrenta, já que são pessoas que estão de fora do cotidiano do maior município do Acre e têm uma visão diferenciada sobre o assunto. “Essa tour política foi essencial para expandir minha visão sobre a gestão pública. A cada dia me sinto mais preparado para esse desafio”.

Assessoria

Continue lendo

ACRE

Igreja que ignorou quarentena e reuniu mais de 100 fiéis no AC é alvo de representações do MPF

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Representações cível e criminal foram enviadas para MP-AC investigar prática.

CAPA: Reunião com mais de 100 fiéis na Assembleia de Deus virou alvo de representações do MPF — Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre.

A Igreja Evangélica Assembleia de Deus virou alvo de uma representação do Ministério Público Federal (MPF), após ter reunido mais de 100 fiéis em uma reunião durante a quarentena, na Avenida Antônio da Rocha Viana, em Rio Branco.

O encontro de líderes religiosos foi flagrado por uma equipe da Rede Amazônica Acre, no último dia 18. Em contato com a reportagem no dia seguinte, o presidente do templo sede da Assembleia de Deus, pastor Luiz Gonzaga, confirmou que reuniu entre 100 a 120 fiéis no templo.

O G1 tentou contato com o pastor nesta segunda-feira (29), mas não obteve resposta até a última atualização desta matéria.

O MPF divulgou que enviou, por meio de uma Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC), uma representação cível e criminal contra a igreja e também o pastor Luiz Gonzaga, por desrespeitarem o decreto governamental que proíbe encontros religiosos durante a pandemia do novo coronavírus.

O número de infectados pelo novo coronavírus passou de 13,1 mil, segundo o boletim da Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) desta segunda.

Mais 360 pessoas já morreram vítima da Covid-19 no estado. Outras 7.188 mil pessoas se curaram da doença.

Em nota, o MPF destacou que além de crime, a reunião também é um ilícito contra a saúde pública.

Outro ponto detalhado é que a igreja já teria promovido dois encontros durante a quarentena por causa da pandemia do novo coronavírus.

Ainda na divulgação, o órgão federal detalha que as aglomerações ajudam na propagação e proliferação do novo coronavírus. Além disso, os religiosos têm praticado encontros virtuais e cultos pela web para continuar atendendo os fieis durante a quarentena.

Devido à pandemia do novo coronavírus, cultos e outros encontros religiosos, que possam gerar aglomerações, estão proibidos desde março no estado, quando o governo publicou decreto de suspensão das atividades não essenciais.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias