NOSSAS REDES

ELEIÇÕES 2018

Preso em Curitiba, Lula é lançado candidato do PT ao Planalto

PUBLICADO

em

Presidente do partido, Gleisi Hoffmann (PR) diz que registrará Lula como afronta ao ‘sistema podre’.

No início da tarde deste sábado (4), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi aprovado por militantes e dirigentes do PT como o candidato do partido ao Planalto.

Há quatro meses, Lula está preso em Curitiba, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, mas tem coordenado as principais movimentações da pré-campanha para abrir espaço a uma candidatura competitiva de seu partido na disputa de outubro.

Durante a convenção nacional do PT, em São Paulo, a presidente da sigla, Gleisi Hoffmann (PR), fez um discurso inflamado, em que repetiu que vai registrar o petista no dia 15 de agosto como uma afronta ao que chamou d e “sistema podre”. Segundo Gleisi, não existe política no país hoje sem Lula ou sem o PT.

https://i0.wp.com/f.i.uol.com.br/fotografia/2018/08/04/15334069915b65ef0fe5834_1533406991_3x2_md.jpg?w=740&ssl=1
https://i2.wp.com/f.i.uol.com.br/fotografia/2018/08/04/15334069985b65ef161990d_1533406998_3x2_md.jpg?w=740&ssl=1

“É um momento histórico. Esta é a ação mais confrontadora contra esse sistema podre”, disse Gleisi. “Eles não vão conseguir tirar Lula desse jogo. Não existe política nesse país sem falar de Lula e sem falar de PT”, completou.

Dirigentes do PT tentaram fazer do evento deste sábado (4) uma aclamação a Lula, sem discutir, no primeiro momento, divergências que rondam o partido desde sexta-feira (3), principalmente quanto à definição de um nome para vice na chapa petista e à candidatura de Marília Arraes ao governo de Pernambuco.

No entanto, ao longo de toda a manhã, em meio a vídeos e máscaras com o rosto do ex-presidente, dirigentes pressionavam a cúpula do partido, nos bastidores, a convocar uma reunião da executiva até segunda-feira (6) para escolher um vice e evitar o confronto com a Justiça Eleitoral.

De outro lado, militantes gritavam o nome de Marília e iam contra a decisão da cúpula do PT de fazer um acordo nacional com o PSB, neutralizando a sigla na disputa nacional —o PSB estava perto de se aliar a Ciro Gomes (PDT)— em troca da retirada do nome de Marília na corrida em Pernambuco. Ali, Paulo Câmara (PSB) seria beneficiado em sua campanha à reeleição.

Cotado como plano B de Lula, caso a candidatura do ex-presidente seja impugnada, o ex-prefeito Fernando Haddad também discursou.

https://i2.wp.com/f.i.uol.com.br/fotografia/2018/08/04/15334069975b65ef15cd4e4_1533406997_3x2_md.jpg?w=740&ssl=1

Afirmou que Lula “derrotou todos os golpistas” e que hoje está seguro de que o PT se encaminha para “o pentacampeonato eleitoral”. 

“Vamos ganhar a quinta eleição consecutiva com Luiz Inácio Lula da Silva”, afirmou Haddad.

O ex-prefeito disse ainda que querem acabar com seu partido e com Lula, mas isso não vai acontecer, afirma, enquanto houver desigualdade, preconceito e intolerância. Catia Seabra e  Marina Dias. Folha SP.

https://i2.wp.com/f.i.uol.com.br/fotografia/2018/08/04/15334069915b65ef0fd898c_1533406991_3x2_md.jpg?w=740&ssl=1

https://i0.wp.com/f.i.uol.com.br/fotografia/2018/08/04/15334069845b65ef081139b_1533406984_3x2_md.jpg?w=740&ssl=1

Área do Leitor

Receba as publicações diárias por e-mail

REDES SOCIAIS

MAIS LIDAS