NOSSAS REDES

ACRE

Produção de lixo no Acre cresceu 55% em dez anos, diz estudo

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Entre 2010 e 2019, a geração de lixo urbano no Acre registrou considerável incremento, passando de 154.395 toneladas ao ano para 239.440 t/ano -aumento de 55,8% em dez anos. De outro lado, a coleta desse resíduo pouco mudou na década. O índice de cobertura da coleta era de 80,6% e passou para 83,1%, um pequeno crescimento de 3,75% em dez anos.

Os dados são do Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2020, lançado na 1a quinzena de dezembro pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública (Abrelpe).

Esses números coincidem com a situaçãpo nacional, pois a quantidade de resíduos coletados cresceu em todas as regiões do país e, em uma década, passou de cerca de 59 milhões de toneladas em 2010 para 72,7 milhões de toneladas e, no mesmo período, a cobertura de coleta passou de 88% para 92%.

Por sua vez, a geração per capita aumentou de 348 kg/ ano1 para 379 kg/ano.

Em 2010, 3.152 municípios registravam alguma iniciativa de coleta seletiva, enquanto na década seguinte esse número aumentou para 4.070 municípios. Importante destacar, porém, que em muitos municípios as atividades de coleta seletiva ainda não abrangem a totalidade de sua área urbana.

No tocante à coleta regular, que configura a etapa inicial necessária para viabilizar um sistema adequado de gestão de resíduos, apesar do avanço registrado, o país ainda apresenta déficit na abrangência desses serviços (92% de cobertura) e 6,3 milhões de ton/ano seguem abandonadas no meio ambiente. Apenas 10 estados têm índice de cobertura de coleta acima da média nacional: São Paulo (99,6%), Rio de Janeiro (99,5%), Santa Catarina (95,84%), Goiás (96,1%), Rio Grande do Sul (95,5%), Distrito Federal (95%), Paraná (95%), Espírito Santo (93,7%), Amapá (93,3%) e Mato Grosso do Sul (92,7%).

Os menores índices de cobertura de coleta são registrados nas regiões Norte e Nordeste, com os estados do Ceará (80,1%), Rondônia (78,9%), Pará (76,7%), Piauí (69,2%) e Maranhão (63,9%) nas últimas cinco posições.

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!
WhatsApp chat