NOSSAS REDES

CORONAVÍRUS

VÍDEO: Presidente do Banco Santander morre por Coronavírus em Portugal

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Covid-19. Segunda vítima mortal é presidente do Santander, Vieira Monteiro.

Presidente conselho de administração do Santander desde 2019 e CEO entre 2012 e 2018, Vieira Monteiro morreu depois de ter contraído Covid-19. É a segunda vítima mortal em Portugal.

António Vieira Monteiro morreu depois de ter contraído o novo coronavírus. Era presidente do conselho de administração do Santander desde 2019 e foi CEO entre 2012 e 2018. É a segunda vítima mortal em Portugal, confirmou o Expresso junto de fonte oficial do Santander.

chairman tinha vindo recentemente de férias do norte de Itália, para onde se deslocou em férias e onde foi infetado. Regressou depois a Portugal, onde viria a falecer.

Prestes a completar 74 anos (nasceu a 21 de março de 1946), Vieira Monteiro liderou os destinos do Santander em Portugal durante o período da troika. Sucedeu a Nuno Amado na liderança do banco espanhol em 2012. Já fazia parte da administração do Santander desde 2000.

Vieira Monteiro licenciou-se em direito, na Faculdade de Direito de Lisboa em 1969 e em 1970 ingressou no Banco Português do Atlântico, pelo Crédito Predial, pelo antigo BES e pela Caixa Geral de Depósitos. Entre os maiores bancos portugueses só não passou pelo BCP e pelo BPI.

Vieira Monteiro acumulou meio século de experiência na banca.

Em dezembro de 2018, antes de sair da liderança executiva do Santander para a presidência não executiva do banco, Vieira Monteiro deu uma grande entrevista ao Expresso na qual falou da sua experiência na banca desde a década de 70. Histórias de uma vida de banqueiro.

LUÍS BARRA

Numa conversa que demorou horas foram muitas as histórias contadas. Recordou como era ser banqueiro na década de 70. “Era diferente, mas os princípios fundamentais da atividade bancária mantêm-se inalteráveis. As regras de ouro mantêm-se”.

Quando deu a entrevista ao Expresso, em dezembro de 2018, com 72 anos já estava reformado mas não quis cortar o cordão umbilical com o banco. “Vou continuar a desempenhar as minhas funções dentro daquilo que são as funções do presidente do Conselho de Administração. Que são cada vez mais importantes. Não serei, portanto, um presidente do Conselho de Administração absentista. Continuarei a falar com clientes, continuarei com essa parte comercial de que gosto bastante. E depois vou olhar para o meu património. Tenho um património que herdei que funciona de forma limitada”.

Um património agrícola – floresta e gado – ao qual dava uma espreitadela sempre que podia. “Todos os fins de semana vou para lá. Todas as sextas-feiras saio daqui, meto-me no carro, faço 212 quilómetros e estou lá o sábado inteiro. Ao sábado à noite volto. Por isso deixei de jogar golfe e de fazer outras coisas”, referiu à data.

Quando questionado sobre a sua relação com a família Botín e o facto de ser o primeiro presidente não executivo português no Santander, Vieira Monteiro corrige: “o segundo. O Horta Osório, quando foi para o Abbey, manteve o lugar de presidente do Conselho de Administração”. Na verdade, a relação era de confiança quando Ana Botín chegou à liderança do grupo Santander foram poucos os presidentes executivos que não afastou. Vieira Monteiro foi um deles. O líder do banco espanhol na Argentina foi o outro. Por expresso.pt

Comentários

Comente aqui

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS VISUALIZADAS

WhatsApp chat