NOSSAS REDES

ACRE

XI Semana Justiça pela Paz em Casa pauta reunião da Coordenadoria Estadual das Mulheres em Situação de Violência Doméstica

PUBLICADO

em

Conduzido pela desembargadora Eva Evangelista, encontro aconteceu na manhã desta sexta-feira, 27, na Sede Administrativa do TJAC.

“Somente com a união de forças, com a colaboração de todos poderemos dar efetividade às ações de combate à violência doméstica”, disse a desembargadora Eva Evangelista, Coordenadora Estadual das Mulheres em Situação de Violência Doméstica e Familiar, durante a reunião de trabalho da Coordenaria, que ocorreu nesta sexta-feira, 27, visando discutir a programação para XI Semana Justiça pela Paz em Casa.

A XI Semana Justiça pela Paz em Casa acontecerá entre os dias 20 a 24 de agosto e tem previsão de realização de diversas atividades, tais como palestras e mutirão de audiências, tudo priorizando combater a violência cometida contra mulher, por conta de seu gênero.

Para organizar e integrar ações com este mesmo objetivo, ocorre uma conjugação de esforços entre diversos magistrados do 1º e 2º Grau do Poder Judiciário Acreano, além de órgãos públicos, como Delegacia da Mulher, Secretária de Estado de Políticas para Mulheres (SEPMulheres), Defensoria Pública, Secretária Municipal de Direitos Humanos e outros.

Durante o encontro a desembargadora Eva Evangelista enfatizou a necessidade de se trabalhar pela consolidação de uma sociedade sem violência. “Nossa responsabilidade é darmos uma resposta a esses processos. Mas, também de vermos o entorno para identificarmos quem mais pode colaborar. Essas reuniões se constituem em fontes de prazer para mim, porque vejo tantos órgãos juntos pela causa”, comentou a decana da Corte de Justiça estadual.

Justiça pela Paz em Casa

Segundo explicou a juíza de Direito Shirlei Hage, titular da Vara de Proteção à Mulher da Comarca de Rio Branco, a proposta para a XI Semana Justiça pela Paz em Casa é a realização de um mutirão de mais de 300 audiências de instrução, que contará com apoio de juízes de outras unidades judiciárias: Maha Manasfi; Fernando Nóbrega; Lilian Deise; Zenair Bueno, Edinaldo Muniz e Andréa Brito.

Ainda foi esboçado o desejo de promover, simultaneamente aos julgamentos dos processos criminais, conciliações quanto aos casos que envolvem questões familiares, como separação e acordos de alimentos.

Além disso, estarão previstas outras atividades para somar esforços e proporcionar atendimento às vítimas de violência doméstica, buscando colaborar com a desconstrução do machismo que acaba embasando agressões e desestruturando os lares. Gecom/TJAc.

Área do Leitor

Receba as publicações diárias por e-mail

REDES SOCIAIS

MAIS LIDAS