NOSSAS REDES

Acrelândia

Asmac e Adepol se reúnem em Acrelândia

Avatar

PUBLICADO

em

Asmac e Adepol se reúnem em Acrelândia e buscam o fortalecimento dos laços institucionais do Judiciário e da Polícia naquele município.

Representantes da Associação dos Magistrados do Acre (Asmac) e da Associação dos Delegados da Polícia Civil (Adepol) se reuniram com a titular da Vara Única da Comarca de Acrelândia, Kamylla Acioli Lins e Silva, e com o delegado Carlos Bayma, na tarde de quarta-feira (13/06). O objetivo do encontro foi debater a divulgação de informação equivocada que acabou chegando até a imprensa sobre o relaxamento da prisão de uma mulher que supostamente seria investigada, no dia 30 de maio.

O delegado Bayma aproveitou para informar que na época dos fatos não havia falado com a imprensa sobre o caso e que a fala creditada a ele não era verdadeira. A mulher não constava entre os investigados e, também, não havia prova que justificasse a prisão dela.

Segundo o presidente da Asmac, o juiz Luís Camolez, o momento do encontro foi oportuno para estreitar os laços entre as instituições daquele município, proporcionando um trabalho conjunto, buscando a Justiça para a população.

“É um momento oportuno para que haja o estreitamento dos laços entre as instituições no município, beneficiando os cidadãos de Acrelândia. A Polícia Civil faz um trabalho importante de investigação para levar os verdadeiros acusados a Justiça, beneficiando a população. A juíza Kamylla também tem feito um excelente trabalho, ela tem se desdobrado em prol da comunidade, apurando crimes de vulto, se mostrando sempre disposta em atender a comunidade”, afirmou Camolez.

A diretora de prerrogativas da Asmac, a juíza Zenair Bueno, disse acreditar que apenas a união pode resultar em um trabalho positivo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

“Acredito que o delegado e a magistrada atuaram para que cumprir com a legislação”, afirmou Bueno.

O presidente da Adepol, Cleylton Videira, também afirmou que o delegado Bayma atuou como prevê a legislação.

“Um encontro como este é muito importante para buscar o entendimento e a eficiência necessária nas investigações”, afirmou o representante da Associação dos Delegados.

O delegado Bayma afirmou estar à disposição para atuar da melhor forma para buscar o entendimento entre as instituições.

“A Polícia Civil está a disposição para atuar. Mais uma vez desconheço a pessoa que veiculou a notícia, pois não concedi entrevista”, finalizou Bayma. Por Assessoria.

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Em Acrelândia, polícia prende mulher conhecida como ‘vovozona do crime’

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Com a mulher foram apreendidos mais de 25 tabletes de maconha e 44 pedras de crack, todas já embaladas para a venda.

Foto: Droga foi encontrada com mulher no interior do Acre, Acrelândia — Foto: Divulgação/Polícia Civil. 

Uma mulher de 45 anos, conhecida como ‘vovozona do crime’, foi presa na quinta-feira (30) em Acrelândia, no interior do Acre, durante operação da Polícia Civil no município que cumpriu mandado de busca e apreensão.

Durante a ação, a polícia acabou encontrando mais de 25 tabletes de maconha e 44 pedras de crack, todas já embaladas para a venda.

Além disso, ainda foram encontradas com a mulher porções maiores, tanto de maconha como de crack, prontas para serem desfeitas e embaladas. Com ela também foi apreendida uma quantia em dinheiro e ele teria dito à polícia que o material seria vendido.

Continue lendo

Acrelândia

Homem é encontrado morto pendurado com uma corda no pescoço em Acrelândia

Juruá em Tempo, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Na manhã deste domingo, o senhor Hudson de Andrade Silva de 53 anos, foi encontrado sem vida por familiares pendurado com uma corda no pescoço em sua residência no bairro Portelinha, na rua (Simon) Monteiro em Acrelândia.
Segundo informações da polícia, provavelmente o homem teria se enforcado ainda na madrugada de sábado para domingo.

O corpo foi removido do local para exames cadavéricos, familiares não souberem responder o motivo pela qual Silva teria tirado a própria Vida. A polícia irá abrir um procedimento para investigar o caso.

Em menos de 40 dias já é a segunda pessoa que morre por suicídio em Acrelândia, o tema desperta autoridades e assustas moradores que não conseguem entender o que leva uma pessoa tira a própria Vida.

Continue lendo

+30 mil seguidores

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias