NOSSAS REDES

CRIME

EXCLUSIVO: “Chupa Cabra” volta a atacar em propriedades rurais de Tarauacá

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Duas vacas leiteiras e um boi de aproximadamente 300 quilos da raça holandês da propriedade rural ‘Boa Fé’ do empresário Yedy Meireles, localizada próximo ao Bairro Conquista depois do Corcovado na Beira da BR 364, apareceram mortas nesta semana.

Uma quadrilha de ladrões de carne de gado voltou a agir na região, praticando o crime de abigeato.

O modus operandi dos criminosos segue um mesmo padrão: Eles matam os animais à tiros, depois retiram a carne e deixam apenas a ossada. Por essa razão são conhecidos aqui no município como os “chupa cabras”.

A vítima registrará um boletim de ocorrência quando voltar de viagem e aguardará que a Polícia Civil desvende a identidade dos delinquentes, e que sejam punidos.

Pelas minhas contas já é o oitavo animal que eu estou perdendo para os ‘chupa cabras’. Esta é a terceira vez que atacam a minha fazenda. Os marginais levam só a carne deixando os restos mortais na propriedade”, destacou a vítima.

Em 2017 a mesma quadrilha já estava agindo.

Naquele ano, em Tarauacá, a polícia militar realizou a prisão de alguns ladrões de carne de gado.

Atualmente, são muitas as reclamações por parte de fazendeiros em razão desses crimes e a insegurança em suas propriedades rurais.

Por Acre.com.br

CONDENAÇÃO

MORTE POR ENFORCAMENTO: Índia enforca quatro homens por estupro em gangue

The Wall Street Journal, via Acre.com.br

PUBLICADO

em

O ataque à estudante de 23 anos de idade em um ônibus em movimento é um dos crimes mais conhecidos da Índia contra mulheres.

Foto de capa: Pessoas se reuniram do lado de fora de uma prisão de Nova Délhi no início da sexta-feira para comemorar a execução de quatro homens condenados pelo estupro de gangues em 2012 e assassinato de uma estudante. FOTO: DINHEIRO SHARMA / AGENCE FRANCE-PRESSE / GETTY IMAGES.

NOVA DÉLI – A Índia, na manhã de sexta-feira, enforcou quatro homens condenados pelo estupro coletivo de 2012 e assassinato de uma estudante de 23 anos na capital, com o objetivo de enviar a mensagem de que o país leva a sério a segurança das mulheres.

O ataque, no qual a mulher foi repetidamente estuprada e agredida sexualmente com uma barra de metal em um ônibus em movimento antes de ser jogado na beira da estrada, tornou-se um dos crimes de maior destaque da Índia contra as mulheres. A vítima, que não pode ser nomeada publicamente pela lei indiana, morreu em um hospital de Cingapura por causa de seus ferimentos 13 dias após o ataque.

A história do crime que acabou com a vida de uma mulher que estava seguindo seu sonho de criar uma vida melhor para si e sua família ressoou com as pessoas da maior democracia do mundo, à medida que ela busca seu próprio pé como uma potência econômica crescente. Isso galvanizou a opinião pública e provocou manifestações em massa e demanda por ação. Isso levou ao fortalecimento das leis e a uma maior conscientização pública sobre a violência contra as mulheres.

Antes da execução dos condenados, inúmeros pedidos e apelos deles, suas famílias e advogados de misericórdia foram recusados ​​pelos tribunais e pelo governo. O último pedido fracassado ocorreu horas antes de serem enforcados em uma prisão em Nova Délhi por volta das 5h30 da sexta-feira.

Em 2013, um tribunal julgou os quatro homens culpados de assassinato, estupro, sequestro e outras acusações e os condenou à morte. Pesando a necessidade da punição mais severa para os autores, o juiz que ouviu e decidiu o caso disse na época que os condenados deveriam ser enforcados por terem “chocado a consciência coletiva” da Índia.

“Nestes tempos em que o crime contra as mulheres está aumentando, os tribunais não podem fechar os olhos para crimes tão horríveis”, disse o juiz. “Não pode haver tolerância.”

Conversando com a mídia logo após o enforcamento, a mãe da mulher falou de sua filha. “Eu não pude salvá-la”, disse ela, “mas finalmente conseguiu justiça”.

Dos seis suspeitos no caso, um era um jovem que foi libertado depois de passar alguns anos em uma casa de reforma . O quinto suspeito adulto foi encontrado pendurado na prisão em 2013, quando o julgamento ainda estava em andamento.

Por Krishna Pokharel, The Wall Street Journal – WSJ

Continue lendo

CORONAVÍRUS

Coronavírus: O contrabando de equipamentos médicos falsificados 

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O escritório antifraude da União Europeia disse hoje que está trabalhando com os escritórios nacionais de alfândega para interromper a importação de equipamentos médicos falsos de coronavírus, dando o passo excepcional de divulgar um novo caso.

A agência, conhecida como OLAF, disse que estava perseguindo itens fraudulentos usados ​​para combater o vírus, incluindo máscaras, desinfetantes, dispositivos médicos e kits de teste. O OLAF disse que os produtos, que podem ser ineficazes e perigosos, estão sendo vendidos a preços muitas vezes normais e sua importação envolve fraude alfandegária.

“Os fraudadores são atraídos por lucros ilícitos potencialmente enormes”, disse a agência, destacando máscaras temáticas “Frozen 2” para crianças que “estão sendo contrabandeadas sem piedade”. A declaração do OLAF incluía imagens de máscaras falsas com embalagens para consumidores em coreano e aquelas marcadas com “Made in China”.

O OLAF disse que os produtos falsificados são geralmente encomendados on-line e entram na Europa “em contêineres com certificados falsos, ou declarados como outros produtos, e depois chegam aos canais normais de distribuição ou são vendidos no mercado negro”. Antes das proibições recentes de viagens, segundo o OLAF, muitos produtos também eram contrabandeados para a Europa em malas.

A agência da UE normalmente revela suas investigações após a conclusão de ataques ou casos. Está trabalhando com as autoridades aduaneiras nacionais dos países membros da UE para coordenar e apoiar seus esforços de combate ao contrabando.

“É muito incomum informarmos sobre um caso logo após abri-lo, mas, dada a atual situação extraordinária da pandemia do Covid-19, acreditamos que as pessoas precisam saber que existem tentativas de importar e vender todos os tipos de produtos falsificados “, afirmou o director-geral do OLAF, Sr. Ville Itälä.

Por Daniel Michaels, WSJ.

Continue lendo

+30 mil seguidores

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias