NOSSAS REDES

ACRE

Estatal de camisinha retomará produção, diz governo do Acre

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Retorno das atividades ocorreu após acordo com Ministério da Saúde.

O governo do Acre anunciou a retomada da produção na fábrica estatal de camisinha de Xapuri, que estava parada desde junho.

Segundo a gestão Tião Viana (PT), a volta das operações foi decidida após conversas sobre o valor da produção e o processo de entrega.

O preço pago pelo Ministério da Saúde, de R$ 0,14 por preservativo, era apontado como insuficiente para cobrir os custos da fábrica.

Agora, a pasta diz estar avaliando as informações de custo de produção para dar andamento ao processo de compra dos preservativos.

De acordo com o governo acriano, a Natex está com 5,5 milhões de camisinhas prontas para serem entregues e pode fabricar mais 48 milhões para atender a demanda.

Com isso, chegará a cerca de 20% do mercado de camisinhas distribuídas no SUS, principalmente aos estados da região Norte, a Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal.

Em nota, o Ministério da Saúde disse que “a aquisição de qualquer medicamento ou insumos, como os preservativos, visa garantir o desenvolvimento nacional”, em atendimento ao artigo 3º da Constituição.

“Além disso, o processo busca o melhor custo e benefício, avaliação de preço de mercado, concorrência entre fabricantes, disponibilidade de fornecimento, qualidade do produto, além do custo do produto pela fábrica”, disse o ministério.

HISTÓRICO

Com o nome de Natex, a fábrica foi inaugurada em 2008 com investimentos do Ministério da Saúde, na gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do então governador Jorge Viana (PT). A administração ficou a cargo da Fundação de Tecnologia do Estado do Acre.

Localizada na terra do líder ambientalista Chico Mendes, a fábrica foi pioneira por utilizar látex de seringueiras nativas. A ideia é que ela gerasse renda à comunidade local, ao mesmo tempo em que abastecesse o programa nacional de distribuição de camisinhas.

O Ministério da Saúde comprometeu-se a comprar toda a produção, com capacidade anual de 100 milhões de preservativos (quase um quarto do total distribuído ao ano no país), o que por algum tempo de fato ocorreu. A quantidade adquirida, porém, despencou em meio a dificuldades financeiras do estado e a uma nova dinâmica na produção de matéria-prima.

Segundo a pasta, o contrato para o período de 2015 e 2016 previu 100 milhões de camisinhas. Já a compra mais recente, para fornecimento até 2017, foi de 41 milhões de unidades.

Em 2016, diante da crise financeira, o governo do Acre tentou privatizar a estatal, mas não houve interessados.

Neste ano, além da questão financeira, outro problema surgiu: a disponibilidade de látex nativo. Sem vender para a indústria, os seringueiros encontraram outro cliente que comprava a borracha sólida, menos trabalhosa para extrair do que o látex. Por Angela Pinho. Folha SP.

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Em vídeo, consumidor denuncia Supermercado Makro por comercializar pães ‘suspeitos’

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Supermercado Makro é flagrado comercializando pães impróprios para o consumo. O fato foi registrado por um consumidor, e ocorreu na sessão de pães do Supermercado em Rio Branco. 

Fotos: o consumidor fez registro fotográfico e vídeos dos supostos pães morfados  [reprodução: 11/01/2020].

Um consumidor, que pediu para não ser identificado, denunciou à Redação do Acre.com.br, uma situação corriqueira nos supermercados da capital acreana: produtos impróprios para o consumo. 

Desta vez, o consumidor registrou a situação através de vídeos e fotos. Veja o vídeo:

Um pão de forma macio e úmido é o alvo principal do crescimento de mofos. O lodo verde e odorífero se inicia como pequenas manchas nas superfícies externas do pão, mas rapidamente se alastra, cobrindo toda a fatia.

Os adoráveis pãezinhos de forma, aparentemente inofensivas, quando morfados, com bolor ou fungos, podem levar à intoxicação alimentar ou a reações alérgicas. Quando um alimento tem marcas de mofo em uma parte, todo ele já está contaminado de fungos.

O mofo é a proliferação de colônias de fungos que se desenvolveram e se agruparam. Quando conseguimos ver estes microrganismos a olho nu, isto significa que há uma imensa quantidade deles nos alimentos.

A principal diferença das colônias de bactérias para as de fungos é que o alimento contaminado por bactérias exala cheiro de azedo, enquanto por fungos, não tem odor, apenas o chamado bolor. Entretanto, assim como as bactérias, os fungos podem causar intoxicação e diarréias, principalmente se a pessoa for alérgica a estes microrganismos.

Mofos

Um tipo de mofo muito comum em nosso dia-a-dia é o bolor de pão. Assim como a maioria dos mofos, o bolor de pão possui um aspecto de algodão.

Com relação à coloração, podem assumir, principalmente, tons esverdeados, azulados, avermelhados ou esbranquiçados.

Mofos perigosos 

Alguns tipos de mofos são danosos a saúde humana, como é o caso do bolor de pão e de outros alimentos. Isto ocorre, pois eles estragam e apodrecem os alimentos. Ao comer um alimento (pão, fruta, legume, etc.) é sempre importante verificar se o mesmo não se encontra embolorado. Em caso afirmativo, o certo é jogar o alimento no lixo.

Prazo de validade

Os alimentos classificados como perecíveis são aqueles que estragam rapidamente, como carnes, leite e os derivados, ovos, frutas, verduras e legumes. A nutricionista Alessandra Veggi, pesquisadora visitante da Fiocruz e integrante do Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição, ressalta que os sintomas mais comuns após a ingestão de um alimento contaminado são: diarréia, vômitos, dores abdominais, mal estar e febre. “Há casos que podem levar à morte”, adverte a nutricionista.

Além de bactérias e fungos, os alimentos podem ser contaminados por vírus e parasitas e também por toxinas produzidas e liberadas por esses microrganismos. Como nem sempre essa contaminação é percebida, é importante estar atento aos prazos de validade e o estado de conservação dos alimentos.

O Supermercado Makro de Rio Branco não atendeu as ligações da Redação no telefone (68) 3303-8333. O Supermercado poderá encaminhar nota escrita para o e-mail acrenoticia.com@gmail.com, que será publicada na íntegra. 

Continue lendo

ACRE

Crianças resgatadas na zona rural de Tarauacá permanecem em abrigo

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Continue lendo

+30 mil seguidores

TOP MAIS LIDAS

Advogados Online