NOSSAS REDES

Rio Branco

Foto revela o tamanho do buraco, por onde 4 presos fugiram da maior penitenciária do Acre

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Fuga ocorreu na madrugada de segunda-feira (13) no Complexo Penitenciário de Rio Branco. Nenhum dos presos foi recapturado até esta terça (14).

Foto de capa: Quatro presos fazem buraco em cela e fogem de penitenciária em Rio Branco — Foto: Divulgação/Iapen-AC.

Quatro presos fugiram do Complexo Penitenciário Francisco D’Oliveira Conde, em Rio Branco, na madrugada desta segunda-feira (13). De acordo com o Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen-AC), eles fugiram por volta das 4h após fazerem um buraco na cela da unidade.

A fuga só foi percebida no momento da contagem de presos, na tarde de segunda. O buraco foi feito na cela 8 do Pavilhão P da unidade penitenciária. Até esta terça-feira (14), nenhum dos foragidos foi recapturado.

O Iapen-AC disse que, após fazerem o buraco, os quatro detentos quebraram o alambrado que fica ao redor do pavilhão e deixaram a unidade. Um procedimento administrativo deve ser instaurado para apurar o caso.

Entre os foragidos estão Thiago ferreira de Araújo, Samuel da Silva Souza, Gabriel Monteiro Mapeano e Jeferson Jesus de Castro.

Fuga ocorreu na madrugada de segunda-feira (13) no Complexo Penitenciário de Rio Branco — Foto: Divulgação/Iapen-AC

Fuga ocorreu na madrugada de segunda-feira (13) no Complexo Penitenciário de Rio Branco — Foto: Divulgação/Iapen-AC.

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Justiça decreta prisão preventiva do homem que confessou matar o próprio filho

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A Justiça do Acre decretou a prisão preventiva de José Barbosa Bispo, após ele ser ouvido em audiência de custódia. A informação foi confirmada pela assessoria de comunicação do Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC) na manhã desta terça-feira (11).

José Bispo é suspeito de matar o filho Raimundo José Marque Bispo, de 19 anos, com uma facada na coxa, no último domingo (9), no bairro Abraão Alab, em Rio Branco.

O suspeito foi preso logo após o crime. Ele chegou a se esconder na casa da mãe, mas foi entregue por familiares e confessou o crime à polícia. Depois, ele foi ouvido na Delegacia de Flagrantes (Defla) e informou que os dois moravam só e que os desentendimentos entre os dois eram constantes.

O delegado Josemar Portes, que ouviu José Barbosa, durante o flagrante informou, ainda na segunda-feira (10), que José Bispo estava alcoolizado e não detalhou sobre o motivo do desentendimento dos dois.

“Foi um desentendimento de convivência e o pai alegou que o filho era usuário de droga. Ele falou em desentendimento, mas estava alcoolizado também e isso vai ser melhor apurado, porque ontem foi apenas o flagrante”, informou o delegado.

Portes disse que os dois moravam sozinhos e não houve testemunhas do caso e que durante as investigações deve ser apurada como era a relação dos dois e o que teria motivado o crime.

G1 entrou em contato com o delegado Cristiano Bastos, que está responsável pela Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) esta semana, para saber mais detalhes sobre o caso e se já tem mais informações sobre motivação do crime, mas ele informou que o caso ainda não chegou até ele.

Continue lendo

ACRE

Enfermeira é agredida na UPA do 2º Distrito e pede segurança nos hospitais

Folha do Acre, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

 

Uma enfermeira identificada por “Flor de Macambira” denunciou em suas redes sociais na tarde desta terça-feira, 11, ter sido vítima de agressão física dentro da Upa do Segundo Distrito da cidade.

Para ela, uma unidade de saúde que não dispõe de profissional e material, não lhe assusta mais, porém o que lhe preocupa é a falta de segurança. “Agora não dá pra se acostumar com as agressões, que antes eram verbais e agora estão indo às vias de fato físicas”, denunciou. 

Relatos apontam que  uma paciente chegou na unidade querendo ser prioridade. “Fui agredida exercendo meu trabalho por uma paciente que não era prioridade, mas queria passar na frente de outros pacientes graves na sala de medicação
Ela disse que a vítima era paciente paciente do HOSMAC e exigia prioridade e por se dizer “doida”. “Se tem problema mental, porque a família não acompanha nesses atendimentos? Fui agredida com tapa e puxão de cabelo, não revidei, mas recorri a polícia e ambas fomos parar na delegacia”, relatou.

A moça indignada, espera que o boletim não seja só mais uma estatística, mas que o governo passe a colocar segurança nos hospitais e que a justiça exija que pessoas com transtorno mental como essa senhora seja cuidada pela família.
O caso foi registrado pela Delegacia de Polícia Civil da região.

Continue lendo

+30 mil seguidores

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias