NOSSAS REDES

BRASIL

Incerteza econômica leva o dólar a bater a máxima em três meses

Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O dólar tornou a fechar em forte alta contra o real, para o maior nível em três meses, diante do fortalecimento global da divisa norte-americana em meio a mais dúvidas sobre novas quedas de juros nos Estados Unidos, movimento que poderia aumentar a oferta de moeda em países como o Brasil.

O dólar à vista teve alta de 1,60%, a 4,0677 reais na venda, maior nível de fechamento desde 20 de maio (4,10485 reais na venda).

Na máxima intradiária, a cotação foi aos 4,0760 reais.

A próxima resistência a ser rompida é 4,10 reais, seguida pela máxima de maio (4,10485 reais). Deixados para trás esses níveis, a moeda caminharia para picos registrados em setembro, quando a divisa chegou a flertar com 4,20 reais, em meio à forte volatilidade antes das eleições presidenciais no Brasil.

Os mercados de câmbio de emergentes não conseguiram captar o bom humor visto nesta segunda nos mercados de ações, com o índice S&P 500 em alta de 1,21%, na esteira de esperanças de estímulos em países como China e Alemanha.

Segundo analistas, as moedas foram mais afetadas pelos riscos associados à política monetária nos Estados Unidos, com chances de o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) cortar os juros menos que o esperado uma vez que a economia dos EUA segue em melhor forma do que outras.

“(Recentes) Dados robustos de consumo e inflação nos EUA enfraqueceram a possibilidade de que o Fed vai cortar os juros preventivamente, mantendo o tema sobre inversão das curvas de juros, saídas de recursos de emergentes e mercados de ações mais fracos”, disseram estrategistas do Morgan Stanley em nota a clientes.

O tom de dúvida sobre um Fed mais disposto a cortar os juros foi reforçado nesta tarde por comentários do presidente do Fed de Boston, Eric Rosengren, membro votante do Fomc.

Segundo Rosengren, não é porque outros países estão afrouxando suas políticas monetárias que os EUA também deveriam fazê-lo. Além disso, para ele, as condições monetárias já estão acomodatícias e a economia está em muito bom estado no momento.

Os mercados haviam golpeado o dólar entre meados de maio e de julho, confiantes na expectativa de que o Fed cortaria os juros de forma agressiva. Recentemente, o Fed reduziu a taxa básica, mas emitiu sinal mais “hawkish” que o esperado.

Desde 18 de julho, quando bateu a mínima recente (de 3,7293 reais), o dólar acumula valorização de 9,07%. O índice MSCI de moedas emergentes —que inclui uma série de divisas da Ásia, geralmente menos voláteis— recua cerca de 3,1% no período.

“Como de costume, o baixo apetite por ativos mais arriscados, como o real, continua a ser influenciado pela guerra comercial entre os Estados Unidos e a China e pelas crescentes preocupações com uma possível recessão global no horizonte”, disse Daniel Andrés Castaño, analista de mercado do IG, em Londres.

Real Barato?

O real acumula depreciação de 6,16% em agosto, o que deixa a moeda brasileira com a terceira maior queda entre mais de 30 pares do dólar neste mês, a despeito da aprovação da reforma da Previdência pela Câmara dos Deputados.

Para o Morgan Stanley, o real já está entre as moedas mais baratas do universo emergente. Os profissionais destacam ainda que as posições continuam amplamente negativas em relação à moeda doméstica, o que ao mesmo tempo piora a relação risco/retorno de se montar novas posições contrárias ao real.

“Ainda assim, preferimos expressar nossa visão (otimista) para o real ao confrontá-lo com outras divisas emergentes”, acrescentaram em nota.

PORTAL BRASIL

ACRE

Governo Bolsonaro avalia mudar Constituição para congelar salário mínimo

Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O Ministério da Economia, de Paulo Guedes, analisa retirar da Constituição a obrigatoriedade de que o valor do salário mínimo seja corrigido pela inflação, para então autorizar o seu congelamento provisório em situações de “aperto fiscal”.  Uma das hipóteses é que o valor fique travado por dois anos. Proposta atualmente está em tramitação no Congresso. Informação foi confirmada nesta segunda-feira (16) por Bernardo Caram, da Folha de S.Paulo.

O salário mínimo já não tem mais a obrigatoriedade de ser reajustado acima da inflação, pois tal regra caiu esse ano no governo Bolsonaro. Agora, a nova mudança iria além, permitindo o congelamento do valor, sem reposição da inflação. No entanto, a Constituição define que o salário mínimo deve ter reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo.

A teoria de Paulo Guedes é que, como o governo tem gastos atrelados ao salário mínimo, como as aposentadorias, a medida traria alívio ao Orçamento em situações de “aperto fiscal”.

A medida será incluída na PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que altera regras fiscais e tem autoria do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ). O texto atualmente está na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara e é debatido por um grupo de parlamentares, representantes do Ministério da Economia e técnicos de Orçamento no Congresso.

FONTE: FOLHAPRESS

Continue lendo

BRASIL

Com o Brasil vivendo surtos de doenças, governo Bolsonaro quer reduzir compra de vacinas em R$ 393,7 milhões

Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Com o Brasil vivenciando um surto de sarampo, além do aumento dos casos de febre amarela, o Ministério da Saúde quer reduzir as despesas com a aquisição e distribuição de vacinas em R$ 393,7 milhões no próximo ano. A proposta de corte está contida no projeto de lei orçamentária que foi encaminhada pelo governo Jair Bolsonaro ao Congresso Nacional no final de agosto. 

O valor é 7% inferior aos R$ 5,3 bilhões previstos para este exercício e ainda poderá ser encolhido, já que R$ 1,4 bilhão, do total de R$ 4,9 previsto para 2020 terá sua liberação condicionada a uma aprovação legislativa extraordinária. 

Por meio de nota, o Ministério da Saúde que apesar do corte orçamentário “não faltarão recursos para a aquisição de vacinas”. Ainda segundo a pasta, o governo está “ampliando as aquisições e recompondo os estoques com preços mais baixos dos que inicialmente estavam previstos”, o que justificaria a redução orçamentária para   das vacinas no próximo ano. 

ESTADÃO

Continue lendo

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

WhatsApp WhatsApp Notícias