NOSSAS REDES

ACRE

Juntos, acusados de matar detento estrangulado dentro de presídio no Acre são condenados a mais de 142 anos de prisão

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Francisco Cunha foi morto asfixiado e com golpes de estoque, em fevereiro de 2017. Vítima era de facção rival a dos outros presos na cela. Para Justiça, condenados agiram por motivo torpe.

Na foto: juntos, acusados de matar detento estrangulado dentro de presídio no Acre são condenados a mais de 142 anos de prisão (Foto: Yuri Marcel/G1).

Os cinco homens acusados de matar o detento Francisco das Chagas Figueiredo da Cunha, de 23 anos, foram condenados nesta segunda-feira (30). Juntas, as penas somam mais de 142 anos de prisão em regime inicial fechado. A sentença condenatória foi dada pela Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Sena Madureira, no interior do Acre.

A vítima foi estrangulada pelos companheiros de cela durante uma briga, em fevereiro de 2017, e morreu asfixiada no presídio Evaristo de Moraes. Cunha, que cumpria pena desde 2013 pelo crime de homicídio com sentença de 14 anos, tinha várias perfurações de estoque – arma de ferro artesanal – pelo corpo.

Conforme a sentença, os réus Francisco Rosinildo da Silva Silvestre, Jeferson D’avila de Queiroz e Manoel Marques da Costa Neto foram condenados a 30 anos de prisão. Marcílio de Lima Lopes deve cumprir pena de mais de 28 anos e Samuel Martins do Nascimento sentenciado a mais de 24 anos.

Os cinco acusados, de acordo com a sentença, agiram por motivo torpe, meio cruel e com recurso que dificultou a defesa da vítima. Cunha, além de asfixiado, chegou a levar mais de 20 golpes de estoque por pertencer a uma facção rival a dos companheiros de cela. Por G1Ac.

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Em perseguição, polícia prende dupla com 56 quilos de droga escondidos em sacos dentro de carro no Acre

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Polícia fazia patrulhamento de forma integrada, entre as cidades de Cruzeiro do Sul e Mâncio Lima e se deparou com uma caminhonete que desobedeceu a ordem de parada.

capa: Em perseguição polícia prende dupla com 56 quilos de drogas escondidas em sacos no interior do Acre — Foto: Divulgação/Gefron.

Dois homens foram presos na noite de quarta-feira (5), em Cruzeiro do Sul, no interior do Acre, com pelo menos 56 quilos de maconha. O flagrante foi feito pelo Grupo Especial de Fronteira do Acre (Gefron) e a Polícia Militar durante uma perseguição a um carro. O motorista desobedeceu a ordem de parada e, então, começou a perseguição.

O delgado Rêmulo Diniz, coordenador do Gefron, informou que as guarnições faziam um patrulhamento de forma integrada, entre as cidades de Cruzeiro do Sul e Mâncio Lima, próximo ao Rio Moa, e se depararam com uma caminhonete que desobedeceu a ordem de parada.

“Houve uma perseguição e durante a perseguição os criminosos jogavam sacos com entorpecentes. Depois a viatura retornou e verificou que eram barras de maconha”, disse o delegado.

No total, eram mais de 56 quilos de drogas, segundo a polícia — Foto: Divulgação/Gefron

No total, eram mais de 56 quilos de drogas, segundo a polícia — Foto: Divulgação/Gefron

Continue lendo

ACRE

Comissão da OAB/AC inicia campanha contra abandono de animais durante a pandemia

Assessoria, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A Comissão de Defesa e Proteção dos Animais da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Acre (OAB/AC) iniciou na última semana a campanha Não Esqueça o seu Melhor Amigo, que visa conscientizar as pessoas sobre o abandono e os maus-tratos de cães, gatos e outros animais domésticos no período pandêmico. A intenção é distribuir cartazes em pontos estratégicos de Rio Branco.

A presidente da Comissão, Vanessa Facundes, declara que houve um aumento preocupante do número de casos de negligência nos últimos meses. “Pessoas têm abandonado os seus bichos nessa pandemia por falta de recursos financeiros, por ficarem doentes e não se preocuparem com o bem-estar do animal e por medo deles transmitirem a Covid-19”, disse a advogada.

A campanha iniciou na última semana pelo Instagram da Comissão.

Segundo a legislação brasileira, abandonar o animal doméstico é crime ambiental. Na Lei n° 9.605/98 consta que a pena pode variar entre detenção de 3 meses a 1 ano e multa, sendo aumentada de um terço a um sexto caso ocorra a morte do bicho. As instituições ambientais orientam a quem presenciar atos de crueldade e descuido, que denuncie pelos números 68 3227-5095 (Polícia Ambiental), 68 99227-1128 e 68 3228-5765 (Secretaria Municipal do Meio Ambiente).

“As pessoas devem lembrar que os animais não nos abandonam em circunstância alguma e nessa quarentena são nossos principais parceiros, até porque não transmitem o vírus. Cuidem dos seus melhores amigos”, advertiu Vanessa. A iniciativa conta com o apoio da Caixa de Assistência dos Advogados do Acre (CAA/AC), Promotoria do Meio Ambiente do Ministério Público do Acre (MPAC), organizações não governamentais (ONGs) e entidades protetoras dos animais.

Assessoria

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

Obter empréstimos