NOSSAS REDES

OPINIÃO

O abestado do interior agora é o queridinho de Rio Branco

PUBLICADO

em

Por Ailton Oliveira*

“Se eu soubesse que esse abestado tinha tanto voto no Vale do Acre e em Rio Branco, eu tinha feito uma campanhazinha para ele aqui no Juruá e ele teria ganhado” essa frase dita pelo ex prefeito de Cruzeiro do Sul, Wagner Sales, logo após Tião Bocalom perder as eleições em 2010 para o Governo do Estado, revelou que Wagner, igualmente a outras liderânças, não encampamparam a campanha de Bocalom e que começava a se destacar um político que mesmo sem dinheiro, enfrentava a máquina pública em campanhas eleitorais e a cada votação fazia história.

Depois de perder duas eleições por apenas meio pontos percentuais (2010 para governo e 2012 para prefeito), Tião Bocalom em sua sexta eleição Majoritária, desta vez para prefeito de Rio Branco, não venceu no primeiro turno por falta de meio pontos percentuais de votos. Mas uma coisa ficou bem clara este ano, o “Abestado do interior” se tornou o queridinho da Capital do Acre.

Acompanhando muitas campanhas como profissional de imprensa, vi alegria na campanha de Edmundo Pinto para o governo em 1990. Acompanhado de um músico com um tambor, Edmundo, fazia a festa aonde chegava. Na campanha de Jorge Viana para prefeito em 1992, quando o novato político caiu nas graças do povo como o rapazinho bonito de boas ideias e promessas de geração de emprego, também tinha muita alegia. Mas foi neste ano de 2020 que vivi a mais empolgante de todas as campanhas. Era contagiante a energia de Bocalom nas ruas nos bandeiraços e carreatas e, a manifestação popular em favor de seu nome para prefeitito de Rio Branco. “Bocalom, essa é a sua vez” era a frase mais dita. Desde um Senador da República às pessoas mais simples da cidade, o sentimento era um só, Bocalom tem que ser prefeito, ele merece, Rio a Branco precisa produzir para empregar.

Depois de se apresentar ao eleitor com os números 45 (PSDB), 25 (DEM), 17 (PSL), legenda pela qual foi candidato a deputado Federal e obteve 22 mil votos, mas não se elegeu, Tião Bocalom se elege prefeito da Capital do Acre com o número 11 (PP), partido pelo qual foi eleito para seu primeiro mandato de prefeito em Acrelândia.

Tião Bocalom, com 67 anos de idade, chega como o novo da política, ou a nova política. Antes mesmo de assumir já começa fazendo história. Foi o quinto mais votado das capitais do Brasil, e o único a ser prefeito no interior do Estado e na Capital e, em reunião com os vereadores eleitos e reeleitos disse que quer ser fiscalizado. Não vai intervir na eleição da Mesa Diretora e quer como base na Câmara Municipal os 17 vereadores.

Esta semana o prefeito eleito já esteve em Brasília para reunião com o Governador Gladson Cameli, que manifestou apoio à sua gestão na prefeitura de Rio Branco, e esteve com o Senador Márcio Bittar (MDB), que é o relator do orçamento da União. As promessas de apoio são muitas, para aquele que se tornou a esperança política na gestão pública para o povo de Rio Branco.

Ailton Oliveira é repórter. 

Área do Leitor

Receba as publicações diárias por e-mail

REDES SOCIAIS

MAIS LIDAS