NOSSAS REDES

ACRE

Semana de ‘guerra’ entre deputados: Pedido de intervenção federal no Acre e crise na segurança pública gerou ataques e denúncias

PUBLICADO

em

Deputado Daniel Zen critica parlamentares oposicionistas que defendem intervenção federal no Acre

Deputado Daniel Zen critica parlamentares oposicionistas que defendem intervenção federal no Acre.

O líder do governo na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Daniel Zen (PT), destacou a aprovação dos projetos votados durante sessão ordinária realizada ontem, referentes à carreira dos militares da PM e do Corpo de Bombeiros. Destacou também que o governador Tião Viana (PT) homologou na semana passada 250 novas vagas para policiais militares.

Os três projetos de lei aprovados por unanimidade em votação na Aleac foram: PLC n° 4/2018, que cria o Corpo Voluntário de Militares do Estado da Reserva Remunerada; PLC n° 6/2018, que dispõe sobre a estrutura remuneratória das carreiras de oficiais e praças militares estaduais e estabelece outras providências; e PLC n° 45/2018, que altera os dispositivos da Lei n° 2.148, que cria o banco de horas no âmbito da Polícia Militar e Bombeiros do Estado.

“Quero parabenizar todos os parlamentares que votaram pela aprovação desses três projetos de lei que vão fortalecer a Segurança Pública do Estado. Eu acho que isso no final das contas é o que importa. Aprovamos uma nova estrutura, que dá uma nova forma relacionada ao soldo, que dá mais tranquilidade e segurança de que eles não sofrerão perdas. Isso foi uma grande medida”, agradeceu.

Daniel Zen também destacou a homologação feita pelo governador, que abre 250 novas vagas na Polícia Militar. Disse ainda que o enfrentamento ao crime organizado deve ter total apoio do governo federal, mas não sob a forma de intervenção e sim fortalecendo as fronteiras e enviando mais recursos para a Segurança.

“O governador cansou de pedir ajuda ao governo federal e não ser atendido. Tantas vezes ele solicitou a presença da Força Nacional e os pedidos foram negados. O senador Sérgio Petecão fala mentiras, vai pedir intervenção ao Temer, querem que ele governe o Acre. Pergunto a esses deputados que fizeram esse pedido: vocês querem que o Temer governe o Acre? Será que a população quer isso? Porque se isso acontecer ele vai diminuir drasticamente até o poder de atuação do Legislativo”, alertou.

O parlamentar afirmou que essa solução “milagrosa” que a bancada de oposição foi solicitar ao presidente só contribui para que ele tente dominar os poderes no Acre. Acrescentou também que os mesmos deputados que se reuniram com Michel Temer são os que votam a favor dos projetos que têm retirado os direitos conquistados pelos trabalhadores brasileiros.

“Se o presidente quisesse mesmo ajudar ele teria liberado mais verbas para a Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Exército. Não é tentando dar golpe em cima de um governo estadual que vão ajudar a conter a violência. Pena que já é costume deles agir assim”, concluiu. Por Andressa Oliveira.

Deputado Luiz Gonzaga afirma que governo não quer enxergar situação caótica na Segurança do Estado

Deputado Luiz Gonzaga afirma que governo não quer enxergar situação caótica na Segurança do Estado.

O deputado Luiz Gonzaga (PSDB) afirmou durante sessão desta quinta-feira (12) que o governo não quer enxergar a situação caótica em que se encontra a Segurança no Estado. Disse ainda que o pedido feito pelos parlamentares oposicionistas da bancada federal do Acre, que solicitaram intervenção federal ao presidente Michel Temer (MDB), é legítima e necessária, uma vez que, de acordo com ele, Tião Viana (PT) nada tem feito para brecar a violência.

“A população do Acre não entende por que o governo se faz de míope e não quer enxergar a atual situação de violência que vive o Estado. Eles não têm competência para resolver e nem pedem ajuda ao governo federal. Ainda ficam com ‘chilique’ quando alguém no Congresso pede intervenção. Se esse governo incompetente não está tendo condições de dar segurança ao povo, tem que pedir ajuda, sim”, afirmou.

Luiz Gonzaga parabenizou os deputados federais acreanos que foram pedir intervenção ao presidente e destacou que esse deveria ser o papel do governo, que, de acordo com ele, faz vistas grossas para a situação. “Parabéns aos que fizeram isso. A população acreana precisa de resultados, de paz, de segurança. É direito do cidadão e dever do Estado. A sociedade quer resultados”, acrescentou.

O deputado concluiu seu discurso relatando que as pessoas andam pelas ruas com medo de serem vítimas da violência e que o Partido dos Trabalhadores quebrou o país. Salientou também que o pedido de intervenção federal é um apelo que a população acreana tem feito aos governantes. Por Andressa Oliveira.

Deputado Luiz Gonzaga já havia indagado acerca do paradeiro de helicóptero adquirido pelo governo para combater a violência.

Em pronunciamento na sessão desta terça-feira (10) o deputado Luiz Gonzaga (PSDB) disse que tem sido muito questionado pela população, principalmente do Vale do Juruá, sobre o paradeiro do helicóptero que foi adquirido pelo governo do Estado, no valor de R$ 8 milhões, para atuar em operações de segurança pública, defesa civil e meio ambiente.

“Durante minhas andanças no Vale do Juruá fui bastante questionado sobre o paradeiro desse helicóptero. As pessoas querem saber onde foi parar esse equipamento, que custou R$ 8 milhões, e até agora não foi utilizado no combate à criminalidade. Nós estamos no ápice da violência no Estado e cadê o helicóptero que ninguém vê”, questionou o tucano.



O oposicionista falou ainda da falta de ações para combater a violência no Acre. “O governo é tão incompetente que não consegue dar nenhuma perspectiva de melhora para a população acreana. O secretário de Segurança nem se fala, ele disse numa entrevista que a população tem que se acostumar com as facções, isso é muita falta de respeito, de responsabilidade. É uma piada”, disse.

Luiz Gonzaga falou ainda sobre uma entrevista concedida pelo governador Tião Viana a uma rádio de Cruzeiro do Sul. “Algumas pessoas de Cruzeiro do Sul me ligaram para dizer que o governador afirmou durante entrevista que o Acre era um grande exportador. As pessoas querem saber o que o Acre exporta. Eu não sinceramente não sei responder. Será que é a nossa madeira que está saindo bruta daqui? Só pode ser isso”, salientou o deputado. Por Mircléia Magalhães.

“O governador precisa reconhecer que falhou na segurança, intervenção federal já”, diz deputado Jairo Carvalho

“O governador precisa reconhecer que falhou na segurança, intervenção federal já”, diz deputado Jairo Carvalho.

Em pronunciamento na sessão desta quinta-feira (12) o deputado Jairo Carvalho (PSD) se solidarizou com o senador Petecão (PSDB), que durante esta semana disse em discurso na tribuna do Senado Federal que o Acre precisa urgentemente de uma intervenção federal na segurança pública, devido a atual crise de violência, que deixou 20 mortos e outras dezenas de feridos nos últimos 15 dias.

“Quero aqui fazer coro ao pedido e lamento do povo acreano e do senador Petecão, que esta semana afirmou que o Acre precisa urgentemente de uma intervenção federal para combater a violência. O povo não aguenta mais, a criminalidade tomou conta do nosso Estado. O governador precisa admitir que falhou na segurança, nós precisamos de uma intervenção federal já”, disse.

O oposicionista também falou dos assaltos que estão ocorrendo nos rios da região do Juruá. “Andando pelo interior fiquei assustado com o relato das pessoas. Tem piratas atacando nos rios, estão atacando até as embarcações. Os criminosos estão assaltando os barcos no rio Juruá, Juruá Mirim e outros. Estão levando tudo das pessoas, isso é um absurdo”, complementou.

O deputado lamentou ainda os assaltos que estão ocorrendo nas igrejas de Rio Branco. “A violência chegou até as nossas igrejas. Estão fazendo culto durante o dia porque a noite os fiéis estão com medo de sair de casa”, relatou. Por Mircléia Magalhães.

Deputada Eliane Sinhasique denuncia situação caótica na segurança em Feijó

Deputada Eliane Sinhasique denuncia situação caótica na segurança em Feijó.

Durante sessão realizada nesta quarta-feira (11), a deputada Eliane Sinhasique (MDB) pediu melhorias na segurança em Feijó. A parlamentar denunciou que o quartel da Polícia Militar no município está sendo utilizado como presídio e se encontra com superlotação.

De acordo com Eliane Sinhasique, o quartel da cidade, que possui espaço para acomodar 20 detentos, atualmente abriga 120 presos. Reiterou também que a sala onde ficam guardadas as armas dos policiais está localizada ao lado das celas improvisadas, e que o prédio fica ao lado de três escolas.

“Recebi os vereadores de Feijó, que me trouxeram um abaixo-assinado com 70 assinaturas, solicitando que algo seja feito para solucionar essa situação. Transformaram o quartel num presídio, constantemente ocorrem fugas, o que amedronta professores e alunos de escolas vizinhas ao local”, explicou.

A parlamentar disse que parentes de presos pedem que sejam tomadas providências, uma vez que, de acordo com eles, grande maioria da massa carcerária do município sequer foi julgada ou participou de alguma audiência de custódia, no entanto, estão há anos cumprindo pena.

“Apresento essa denúncia a pedido dos vereadores e moradores de Feijó. Lá existe um instituto socioeducativo, onde apenas uma parte está em funcionamento. Um pavilhão com oito alojamentos, que o governo poderia adequar para acomodar pelo menos parte desses presos. Que façam isso pelo menos enquanto não puderem construir um novo presídio”, sugeriu.

A deputada também denunciou que a agência do Banco do Brasil localizada no município está fechando e que a do Bradesco também vai fechar por falta de estrutura. Ela pediu que o governo tome alguma providência, ou os moradores da cidade terão que buscar outras cidades quando necessitarem realizar alguma transação bancária. Por Andressa Oliveira.

Eliane Sinhasique já havia apresentado propostas para diminuir violência no Estado.

A líder do MDB na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputada Eliane Sinhasique, apresentou durante a sessão desta terça-feira (10) carta de propostas com soluções para diminuição da violência. O documento foi elaborado com sugestões de vítimas que se pronunciaram durante o fórum de debates sobre o tema, ocorrido no dia 29 de junho.

“Venho apresentar o resultado do nosso primeiro fórum de debate sobre violência, realizado dia 29 de junho. Foram 10 horas de conversas nesta casa e nós fizemos um apanhado das diversas problemáticas e possíveis soluções para esse mal que tanto aflige os acreanos”, discorreu.

A carta apresentada pela parlamentar mostra 52 soluções para combater e evitar os mais diversos tipos de problemas decorrentes da violência. Dentre os tópicos apresentados, estão a valorização de policiais, com reconhecimento e premiação de boas práticas; urbanização de bairros periféricos; criação de um sistema de recuperação das viaturas policiais, dentre outros.

“Enumeramos 52 soluções, que em sua grande maioria não precisam de dinheiro para ser colocadas em prática. Todas foram coletadas com as vítimas da violência. Hoje estamos encaminhando a toda imprensa essa carta com essas sugestões e vamos entregá-la também às autoridades do Estado, para que todos tomem conhecimento de quais ações podem implementar para diminuir a violência”, explicou.

A parlamentar disse ainda que dentre outras ações que devem ser realizadas para diminuir o índice de violência, é essencial que se ofereça aos policiais um conjunto habitacional próprio, aumentando a segurança entre eles, que muitas vezes são vítimas de represálias.

“Essa é a nossa contribuição para que haja diminuição da violência no Acre. É preciso empenho, atitude e coragem para colocar em prática algo que de fato vai ajudar nossa população. Queremos paz!” Finalizou. Por Andressa Oliveira.

 

Deputado Gehlen Diniz afirma que não vai se acostumar com violência no Estado

Deputado Gehlen Diniz afirma que não vai se acostumar com violência no Estado.

O deputado Gehlen Diniz relatou durante sessão ocorrida nesta terça-feira (10) que não vai se acostumar com os constantes homicídios ocorridos no Estado. O parlamentar também reclamou da postura do governador Tião Viana (PT) com o Poder Legislativo acreano.

Gehlen Diniz afirmou que a fala do secretário de Segurança Pública do Acre, Vanderlei Thomas, orientando a população a se acostumar com a onda de violência decorrente da briga entre facções por território foi infeliz. Disse ainda que não apenas não irá se acostumar com essa situação, como também convoca os acreanos a tirar o atual governo do poder, nas próximas eleições.

“Ouvir o secretário de Segurança dar essa declaração infeliz, onde ele sugere que nos acostumemos à violência, é trágico. Eu não vou me acostumar, os familiares das vítimas também não. Precisamos mudar esse governo que não tem solução para os problemas mais comuns”, rebateu.

O parlamentar também criticou a postura do governador Tião Viana de desrespeito com o Poder Legislativo. Ele alega que o chefe do Executivo publicou na imprensa que havia aprovado o projeto de lei que versa sobre o soldo dos policiais militares, quando na verdade o PL sequer havia chegado a Aleac para apreciação e votação dos deputados.

“Desrespeito grande é o governo publicar que o projeto sobre o soldo da Polícia Militar havia sido aprovado, quando o PL sequer havia sido enviado para cá. Na Aleac não havia chegado nada. O governo está se lixando para os deputados. Para que serve o Legislativo então? É um desrespeito até com quem compõe essa base falida do desgoverno do PT”, retrucou.

Gehlen Diniz finalizou seu discurso afirmando que este é o momento de mudança, onde a população acreana deve dar a resposta ao atual governo nas urnas, não reelegendo o sucessor do atual chefe do Executivo. Também denunciou a nomeação de parentes de pré-candidatos, publicadas na última semana no Diário Oficial.

“As eleições estão chegando e este é o momento de mudarmos, ou não adianta querer protestar agora. Exoneram os possíveis candidatos e já nomeiam familiares e amigos no cargo para continuarem recebendo dinheiro. O governador não está nem aí, ele pouco se importa com o povo e precisamos dar uma resposta à altura em outubro”, concluiu. Por Andressa Oliveira

ACRE

Piloto nega transporte de passageiro em avião que caiu em rio no Acre; destino da aeronave era o Pará

PUBLICADO

em

Pedro Neto afirmou que foi contratado por Wesley Lopes, copiloto, para levar a aeronave até o Pará e resolveu passar pelo Acre porque conhece a rota e os pontos de abastecimento. Avião caiu no Rio Tarauacá na última segunda-feira (20).

Pedro Rodrigues Parente Neto, piloto do avião que caiu no Rio Tarauacá, na cidade de mesmo nome, interior do Acre, na última segunda-feira (20), negou durante depoimento à Polícia Civil que a aeronave levava três pessoas no momento da queda. Segundo o depoimento prestado à Polícia Civil nesta quarta-feira (22), apenas ele e Wesley Evangelista Lopes estavam no avião.

“Lá pro dia 2 de maio o Wesley, eu não conhecia ele, ele mandou mensagem num grupo de spotted de avião, de entusiastas de aviação. Eu só tô nesse grupo pra tentar vender meu curso pro pessoal que gosta de avião. Aí ele me contratou pra fazer um planejamento pra ele”, disse em entrevista ao g1.

Neto disse então a princípio deveria voltar do Pará, mas como, segundo ele, não há locais de abastecimento na Amazônia, orientou Lopes a utilizar o Acre como rota. “Como meu planejamento ficou bom ele me chamou [para pilotar a aeronave]”, contou o piloto.

Ele contesta a versão de que a aeronave levava três pessoas, o que seria acima da capacidade. “Não tinha passageiro, esse cara que se machucou estava em um barco e se machucou afobado para tentar ajudar”, afirmou.

Contudo, conforme informações do Corpo de Bombeiros de Tarauacá, além do piloto e de Lopes, Genésio Rodrigues de Olinda, que mora no Jordão, estava na aeronave. Ele quebrou o nariz, foi atendido no hospital da cidade e transferido para Cruzeiro do Sul na terça-feira (21).

O g1 confirmou com um parente de Genésio que ele está bem e segue em Cruzeiro do Sul. O familiar reafirmou que o homem estava na aeronave que caiu no rio.

Copiloto Wesley Lopes já foi preso anteriormente por tráfico internacional de drogas — Foto: Arquivo pessoal

Copiloto Wesley Lopes já foi preso anteriormente por tráfico internacional de drogas — Foto: Arquivo pessoal

Na declaração, Pedro Rodrigues Neto, que se apresenta como dono da empresa Céu Livre Aerodesporto, especializada em ‘voos panorâmicos e cursos de pilotagem’, nas redes sociais disse que mora no Rio de Janeiro e foi contratado por Wesley Evangelista Lopes para levar a aeronave do Espírito Santo (ES) para uma cidade no interior do Pará (PA).

Avião de pequeno porte levava três pessoas, sendo um passageiro, o piloto e copiloto — Foto: Reprodução

Avião de pequeno porte levava três pessoas, sendo um passageiro, o piloto e copiloto — Foto: Reprodução

Investigação

 

O delegado Ronério Silva confirmou ao g1 que investiga se há algum crime envolvido no acidente aéreo. Ele deve ouvir ainda o copiloto Wesley Evangelista Lopes e Genésio Rodrigues de Olinda para levantar mais informações sobre o caso.

“Vou dar continuidade à investigação, não tem flagrante nenhum. Nossa investigação é criminal, o Cenipa investiga as causas. Vamos ficar só na parte criminal, não houve vítimas, qual seria a destinação da aeronave. Não foi encontrado nada, mas são atitudes suspeitas de um avião que teria o destino final o Pará, ter passado por aqui”, resumiu.

Queda

 

Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a aeronave tem capacidade para transportar duas pessoas, mas levava três. A situação do avião é considerada regular.

No entanto, ainda de acordo com a Anac, a aeronave não tem autorização para fazer táxi aéreo. Não há informação se era esse tipo de voo que era feito no momento da queda, que ocorreu próximo à Fazenda Santa Luzia. Ninguém morreu e o governo do estado publicou uma nota afirmando que está prestando o apoio necessário aos feridos.

O local onde a aeronave caiu fica a duas horas de distância da área urbana. Na tarde de segunda, bombeiros e populares retiraram a aeronave da água.

Avião foi retirado da água com ajuda de populares — Foto: Arquivo pessoal

Avião foi retirado da água com ajuda de populares — Foto: Arquivo pessoal

Um vídeo que viralizou nas redes sociais mostra mergulhadores dos bombeiros e alguns moradores ajudando na remoção.

Uma equipe do Sétimo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa VII) deve investigar o que ocasionou a queda do avião em Tarauacá. Em nota enviada ao g1, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), localizado em Manaus (AM), afirmou que os investigadores foram acionados para realizar a ação inicial da ocorrência envolvendo a aeronave.

“Na Ação Inicial são utilizadas técnicas específicas, conduzidas por pessoal qualificado e credenciado que realiza a coleta e a confirmação de dados, a preservação dos elementos, a verificação inicial de danos causados à aeronave, ou pela aeronave, e o levantamento de outras informações necessárias à investigação”, complementou.

O Cenipa frisou ainda que o posicionamento do órgão se dá somente a partir do fim das investigações, já que o objetivo, segundo eles, é de prevenir que novos acidentes com características semelhantes ocorram.

“A conclusão dessa investigação terá o menor prazo possível, dependendo sempre da complexidade da ocorrência e, ainda, da necessidade de descobrir os possíveis fatores contribuintes”, garantiu.

Continue lendo

ACRE

Inovação e Sustentabilidade: Aliados no Desenvolvimento Agrícola do Acre

PUBLICADO

em

Inovação e Sustentabilidade: Aliados no Desenvolvimento Agrícola do Acre

Localizado na região amazônica, o Acre ocupa um lugar de destaque no cenário agrícola nacional, não apenas por sua biodiversidade incomparável, mas também por sua busca incessante por soluções inovadoras e sustentáveis na agricultura. Em meio à vastidão da Amazônia, o estado se destaca como um laboratório vivo onde técnicas agrícolas adaptadas à realidade local são desenvolvidas e implementadas, muitas vezes servindo como modelo para outras regiões do país.

A combinação única de condições climáticas, recursos naturais e diversidade cultural torna o Acre um campo fértil para a experimentação e o avanço da agricultura sustentável. Neste artigo, vamos explorar como o Acre está liderando o caminho no uso de tecnologia agrícola de ponta, práticas sustentáveis e conservação ambiental para impulsionar seu desenvolvimento agrícola e contribuir para a construção de um setor agrícola mais resiliente e responsável em nível nacional.



Tecnologia Agrícola: Eficiência e Produtividade

Na vanguarda da agricultura moderna, o Acre adota tecnologias avançadas para aprimorar sua eficiência e produtividade. Assim como as plataformas de jogos online, como a Brasil 777, fazem uso de algoritmos sofisticados para oferecer uma experiência de usuário otimizada, os agricultores acreanos empregam sistemas de monitoramento via satélite, drones e sensores inteligentes para analisar o solo, acompanhar o crescimento das culturas e identificar áreas propícias para o cultivo.

Essas ferramentas tecnológicas não apenas permitem uma tomada de decisão mais precisa, mas também auxiliam na otimização do uso de recursos, contribuindo para uma agricultura mais sustentável e eficiente. Além disso, a automação e a robótica estão revolucionando as práticas agrícolas, tornando os processos de plantio, colheita e manejo mais ágeis e precisos.

Um exemplo marcante dessa integração entre tecnologia e agricultura é o Programa de Desenvolvimento da Agroindústria do Acre (Proacre), que busca modernizar a produção agrícola no estado por meio da implementação de sistemas automatizados e práticas inovadoras. Essas iniciativas refletem o compromisso do Acre em se manter na vanguarda da agricultura sustentável, incorporando os avanços tecnológicos para impulsionar o desenvolvimento econômico e social da região.

Práticas Agrícolas Sustentáveis: Preservação e Resiliência

Práticas agrícolas sustentáveis são fundamentais para a preservação do meio ambiente e a garantia de uma agricultura resiliente. A agroecologia, o plantio direto e a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) são algumas das abordagens adotadas pelos agricultores acreanos.

Essas práticas visam conservar o solo, promover a biodiversidade e reduzir as emissões de gases de efeito estufa. A Embrapa Acre, em parceria com instituições locais, tem desenvolvido projetos de pesquisa e extensão voltados para a disseminação dessas técnicas entre os produtores rurais, contribuindo para uma agricultura mais sustentável e adaptada às condições locais.

Conservação Ambiental e Gestão de Terras: Protegendo a Amazônia

Como parte da Amazônia brasileira, o Acre desempenha um papel crucial na conservação ambiental e na gestão responsável das terras. Iniciativas como o Cadastro Ambiental Rural (CAR) e os pagamentos por serviços ambientais são ferramentas importantes para a regularização fundiária e a preservação das florestas.

Além disso, o Acre tem buscado promover o uso sustentável dos recursos naturais, incentivando práticas como o manejo florestal comunitário e a criação de reservas extrativistas. Essas medidas visam conciliar o desenvolvimento econômico com a conservação da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos fornecidos pela Amazônia.

Continue lendo

ACRE

Eleições 2024: Janaina Furtado é pré-candidata a vereadora – “elogiar sem bajular e criticar sem agredir”, é o segredo do bom mandato, diz

PUBLICADO

em

A Professora Janaina Furtado, atual Coordenadora Geral da SEE em Tarauacá, deve disputar uma das vagas na câmara municipal nas eleições de outubro. Ela apresentou recentemente seu nome ao partido do qual é filiada (Progressistas) como pré-candidata. O partido apresenta como precandidato a prefeito o médico Rodrigo Damasceno.

Janaína Furtado é uma jovem mãe de Tarauacá, foi vereadora por dois mandatos (Eleita em 2012 e reeleita em 2016), tem a fala firme de uma pessoa acostumada ao embate nas lutas da população. É com esse espírito que se colocou à disposição do ‘progressistas’ disputar o cargo de vereadora.



Os olhos ficam rasos quando se lembra de onde veio. Quando foi vereadora por dois mandatos consecutivos, empunhou bandeiras em todas as frentes de lutas do povo de Tarauacá. “Eu havia dito que não teria mais interesse em disputar a eleição e cuidar apenas da minha missão atual que é coordenar a educação estadual. Na última eleição em que fui candidata a vice prefeita, eu não perdi a eleição. Nós perdemos o Giovanni Acioly. Com o dilema que eu e minha família vivemos nos últimos 3 anos decorrente dos problemas de saúde do meu pai, que culminou com partida dele muito precoce, eu decidi voltar para o cenário da política do qual ele sempre foi meu grande incentivador. Fui vereadora por dois mandatos e nunca traí meus eleitores tendo relação incestuosa com a prefeitura e nem com outros poderes. Procurei honrar os que confiaram em mim, especialmente meus pais que foram meus primeiros professores”, declarou Janaina.

JANAINA FURTADO:

Janaina Araújo Furtado Accioly, casada, mães de 3 filhos, nasceu em 14 de julho de 1987, no Seringal Conceição, Rio Murú, em Tarauacá. Janaina foi alfabetiza pelos próprios pais, numa sala de aula que funcionava em sua residência. Lá, estudou até a quarta série. Depois, teve que vir morar na cidade para concluir os estudos. Estudou ensino fundamental nas Escolas José Augusto e Plácido de Castro (onde foi presidente do Grêmio Estudantil) e ensino médio na Escola Djalma Batista. Em 2010, concluiu o curso de graduação em pedagogia. Em 2015 ingressou no serviço público como professora concursada da rede municipal de ensino. Antes, porém, trabalhou como professora provisória no ensino de jovens e adultos. “Meus pais largaram a vida na Zona Rural vieram morar na cidade para que eu e minhas irmãs pudéssemos continuar nossos estudos. Eu vim para a cidade ainda muito jovem carregando dois sonhos, ou dois compromissos. Um era entregar aos meus pais o meu diploma da faculdade e o outro era o meu contrato de professora. Graças a Deus e a dedicação deles eu consegui”, disse Janaina.

Na Educação Janaina é atualmente a Coordenadora Geral do Nucleo Estadual de Educação. Já atuou professora do Ensino Infantil nas escolas José Augusto de Araújo e Aucilene Calixto, professora da EJA (Garis), professora do Programa Pro-jovem Urbano e Coordenadora Municipal da Educação de Jovens e Adultos. Exerceu ainda a função de Coordenadora Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres. No movimento comunitário foi vice-presidente dos Bairros Avelino Leal e Cohab. No movimento sindical é filiada ao Sinteac e sempre participou das lutas dos trabalhadores em educação. “Quando foi vereadora desde o primeiro dia do meu mandato procurei honrar o povo do meu município. Fui para as suas lutas. As lutas pela água, energia, ruas, esgoto, concurso público e por dignidade. Representei os servidores públicos. Pedi respeito ao povo no atendimento bancário. Me juntei à luta das mulheres, dos desportistas, dos fazedores de cultura, dos presidentes dos bairros e do povo de forma geral. Nunca me calei. Fiz proposições. Apresentei leis, projetos e não usei o mandato para meu benefício e da minha família. Não tive relação incestuosa com prefeito ou grupos políticos. Não subi escadas da prefeitura para pedir empregos para parentes e nem outro benefício para mim. Exerci o mandato com liberdade e coragem. Não sujei meu nome, nem dos meus eleitores e muito menos da minha família”, destacou Janaina.
À frente da educação estadual em Tarauacá há quase 3 anos, Janaina vem trabalhando muito junto com o governo do estado, para organizar e estruturar a rede estadual de educação em Tarauacá. Educação na zona urbana, educação no campo e educação escolar indígena formam o tripé dos esforços do governo para que todos tenham acesso a escolas com estruturas adequadas, profissionais capacitados, transporte escolar terrestre e fluvial, alimentação escolar, fardamento, material didático, formação e zelo. “Minha função como gestora da educação tem me trazido muitas experiências novas e desafiadoras, o que vai enriquecer mais ainda um possível mandato de vereadora”, pontuou.

Janaina conta ainda que foram oito anos de mandato sem precisar agredir, xingar, esculhambar ou coisa parecida para poder me expressar e ser ouvida. “O que faz um mandato digno é a sua conduta. Não há segredo nisso. Devemos sempre fazer o correto. Sermos justos. Elogiar sem ajoelhar e criticar sem agredir. Assim conquistamos o respeito das pessoas. 8 anos em que fui propositiva, atuante, dedicada, cuidadosa, critica. Apresentei projetos, votei leis, votei a favor de criação de cpis, abri mão de vantagens, denunciei, cobrei, fiscalizei enfim, trabalhei muito”, concluiu.

(Assessoria)

Continue lendo

MAIS LIDAS