NOSSAS REDES

CRISE

Terceira Guerra Mundial pode começar em 2019 (em um destes cinco locais)

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Em 2019, o mar do Sul da China, a Ucrânia, o golfo Pérsico e a península da Coreia vão continuar sendo as regiões mais quentes onde a Terceira Guerra Mundial pode começar, diz um especialista militar norte-americano.

Segundo sustenta o especialista em geoestratégia Robert Farley, professor do Colégio Militar dos EUA, em um artigo publicado na revista The National Interest, um dos “pontos quentes” do planeta é o mar do Sul da China, no qual se desenvolve há anos um confronto “surdo” entre os Estados Unidos, a China e o Japão.

O Mar do Sul da China, ou Mar da China Meridional, é alvo de disputas há anos entre diversos países da região: China, Taiwan, Malásia, Indonésia, Brunei, Vietnã e Filipinas. Estima-se que a enorme área, que inclui mar e ilhas, seja rica em petróleo e gás.

(dr) Lindsey Burrows / Civilsdaily

Localização dos territórios em disputa no Mar da China Meridional

Recentemente, a imprensa chinesa revelou também que o país está construindo “submarinos fantasmas” para defender o mar do Sul da China contra uma eventual guerra submarina com os Estados Unidos.

Os dois países estão envolvidos em uma guerra comercial, uma batalha que acontece em um contexto de sanções econômicas e disputas tarifárias. Mas, diz o especialista, levando em conta o nível a que as relações bilaterais já se deterioraram, o conflito pode escalar ainda mais e assumir contornos de confronto militar.

De acordo com o autor, a Ucrânia é outro local onde a Terceira Guerra Mundial pode ter início. Farley relembra o recente incidente no Mar Negro entre russos e ucranianos, que causou um aumento da tensão diplomática na região, com a Ucrânia acusando a Rússia de ter disparado contra navios ucranianos no Estreito de Kerch, que separa a Crimeia da Rússia e é ponto de acesso ao Mar de Azov.

O especialista acredita que a Rússia provavelmente não estaria interessada em alterar o atual status quo na região antes das próximas eleições na Ucrânia, que, por sua vez, podem também vir a introduzir incerteza. Tendo em conta as contínuas tensões entre os Estados Unidos e a Rússia, qualquer pequeno choque pode destruir o fraco equilíbrio existente na região nos últimos anos, alerta Farley.

A terceira região quente do planeta é o golfo Pérsico. Aqui, sustenta Farley, as tensões estão aumentando devido à pressão econômica dos EUA sobre o Irã, bem como aos conflitos no Iêmen e na Síria.

Considerando a importância estratégica da região, qualquer instabilidade nessa zona pode levar a um confronto aberto entre os Estados Unidos, a Rússia e até a China, diz o especialista.

O quarto lugar de tensão identificado pelo especialista é a península da Coreia. Apesar das recentes iniciativas de paz entre os EUA, a Coreia do Norte e a Coreia do Sul, que parecem ter posto fim à intensa guerra de palavras e troca de ameaças entre os presidentes norte-americano e norte-coreano em 2017, as relações entre Washington e Pyongyang podem se deteriorar a qualquer momento.

Além disso, outros atores regionais importantes — a China e o Japão — também têm manifestado posições divergentes a respeito da questão coreana.

A estes quatro pontos quentes no planeta, que segundo o especialista em assuntos militares podem em 2019 ser palco da eclosão de uma Guerra Mundial, junta-se um quinto ponto quente, que uma equipe de cientistas da ONU identificou em 2016 como podendo ser a causa provável da 1ª Guerra Nuclear na Terra.

O primeiro conflito nuclear no nosso planeta, dizem os cientistas, pode ocorrer não entre a Rússia e os EUA, mas entre a Índia e o Paquistão – devido a problemas crescentes em torno do acesso à água potável no subcontinente indiano e aos conflitos em torno da bacia do rio Indo.

Em conclusão, se a Humanidade quiser mesmo encontrar o local perfeito para se autodestruir, tem muitas opções para escolher.

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!
WhatsApp chat