NOSSAS REDES

LEI & ORDEM

Direitos Humanos: Coordenador de Caop e promotor visitam Deputada Presidente de Comissão na Aleac

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O coordenador do Centro de Apoio Operacional de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania, procurador Sammy Barbosa, e o promotor de Defesa dos Direitos Humanosm Leandro Steffen, cumpriram, na quinta-feira (17), mais uma agenda com o objetivo de definir prioridades de sua atuação, através do estreitamento das relações com as instituições que atuam na defesa e promoção dos direitos humanos no Acre.

A visita dessa vez se deu ao gabinete da presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputada Eliane Sinhasique.

Segundo Sammy Barbosa Lopes, esse tipo de atuação é inédito e mostra o empenho do Ministério Público acreano de trabalhar de forma conjunta e estar mais perto do cidadão. “Isso tudo tem um objetivo maior, que é nós definirmos um planejamento estratégico da área de defesa dos direitos humanos do Ministério Público do Acre, a fim de conseguirmos apontar as metas e os objetivos principais deste setor específico no Acre.”

Ainda conforme o procurador de Justiça, nos vários diálogos já foi possível identificar alguns pontos que requerem uma atenção maior da instituição. Ele menciona recorrentes conflitos pela posse de terra, principalmente na região do Alto Acre, a intolerância religiosa, além dos crimes de racismo.

Para a deputada Eliane Sinhasique, é necessário estreitar os laços entre as instituições que têm causas em comum, principalmente o parlamento. “Nós, como porta-vozes da população, temos muitas demandas a serem encaminhadas e que podem ser resolvidas não apenas com ações [judiciais], mas também através do diálogo. A gente pensa que o diálogo abre portas, encurta distância e resolve problemas”, defendeu.

Durante a reunião, a parlamentar transmitiu a preocupação das pessoas que são atendidas no Centro de Atendimento ao Deficiente Visual (Ceadv), as quais não aceitam a mudança de endereço do órgão, do bairro Estação Experimental para a Rua Alberto Torres, onde está funcionando atualmente o Centro de Ensino Especial Dom Bosco. “Esse novo espaço onde querem instalar o Ceadv é um espaço que, no entendimento dos deficientes visuais e dos próprios profissionais que atendem lá, não é adequado”, relatou. Veja mais aqui (Agência de Notícias do MPAC).

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS VISUALIZADAS

WhatsApp chat