NOSSAS REDES

CRISE

Existe ou não, afinal de contas, doutrinação ideológica em nossas escolas?

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Observei o uso dos conceitos, a seleção factual, as fontes de informação, o viés ideológico é claro e brutal.

O projeto Escola sem Partido é um tema difícil de tratar. Ele produz um debate necessário e toca em um problema real, ainda que não necessariamente ofereça a melhor solução para este problema.

Meu ponto não é discutir o projeto, mas o tipo de debate que se criou ao seu redor. Acho curioso, em particular, um certo efeito avestruz que parece ter tomado conta de boa parte de nossa elite intelectual. A turma que simplesmente nega o fato óbvio de que existe um problema de doutrinação ideológica em nossas escolas.

Há várias estratégias nesta direção. Alguns dizem que até pode existir algum viés político em nosso ensino, mas que é difícil medir seu tamanho. Faltaria algo como um “doutrinômetro”, um método ou instrumento para medir quantas horas/aula de doutrinação os estudantes receberiam, ano a ano, país afora.

https://i1.wp.com/f.i.uol.com.br/fotografia/2018/10/22/15402550825bce6d6aa4843_1540255082_3x2_md.jpg?w=740&ssl=1

Outros apelam a argumentos com algum efeito retórico: se há doutrinação, como é possível que Bolsonaro tenha ganhado as eleições? Por esta lógica, deveria haver doutrinação quando Lula ganhava, com folga. Isto não quer dizer nada. É puro jogo de palavras sugerir alguma relação direta entre resultados eleitorais (por definição afetados por múltiplas circunstâncias) e o que se passa nas aulas de humanidades em nossas escolas.

Há ainda os que apelam ao argumento da irrelevância: temos mais o que fazer do que pensar em livros didáticos ou no que dizem os professores nas salas de aula. A reforma da Previdência, por exemplo, ou quem sabe o desmatamento da Amazônia. E por aí vai.

De minha parte, digo o seguinte: fiz uma pesquisa sobre o tema. Avaliei os livros de história e sociologia mais usados em nosso ensino médio. Observei o uso dos conceitos, a seleção factual, as fontes de informação e as indicações de livros e filmes. O viés ideológico é claro e brutal.

Exemplo rápido: FHC é um desastroso neoliberal (“apesar de tentar negar”), que vendeu nosso patrimônio em meio a “denúncias e escândalos por todos os lados”, e Lula, o primeiro presidente “que não é da elite”. Seu governo foi acusado de um certo “mensalão” amplamente explorado pela “imprensa liberal”.

https://i0.wp.com/f.i.uol.com.br/fotografia/2018/10/22/15402551365bce6da086dfa_1540255136_3x2_md.jpg?w=740&ssl=1

É só um aperitivo. Está tudo lá. O problema é real. Parte de nossa elite intelectual não se importa com isso simplesmente porque concorda com o viés político. Inclui-se aí boa parte da academia. Outro tanto não concorda muito, mas não quer se incomodar. Gente que descobriu o óbvio: o melhor jeito de escapar da patrulha ideológica é concordar com ela, ou ao menos fazer de conta.

Falácia bastante comum no debate sobre a doutrinação, na educação, é sustentar que a discussão se dá entre os que defendem a censura e os que defendem a liberdade de pensamento para os professores e alunos em sala de aula.

Sejamos claros: o professor, em sala de aula, não detém nada parecido com uma liberdade absoluta para expressar suas posições políticas e visões de mundo. Ele não é livre, por exemplo, para dizer aos alunos em quem eles devem votar nas eleições.

Foi este o sentido dado por Kant, no final do século 18, quando estabeleceu a distinção entre o que chamou de uso privado e uso público da razão. Qualquer um de nós, na condição de um cidadão, é perfeitamente livre para expressar suas convicções sobre a vida e o mundo da política.

O mesmo não é verdade quando fazemos um uso privado da razão, isto é, quando cumprimos um determinado papel social. O âncora de um programa jornalístico, por exemplo. Ele simpatiza com esta ou aquela posição política, não há problema, mas no exercício de sua função profissional trata a informação com isenção e apego aos fatos.

O mesmo ocorre com o professor. Sua função é promover o aprendizado e criar o melhor ambiente possível para o crescimento intelectual dos alunos.

Seu papel não é convencer os alunos sobre esta ou aquela doutrina ou posição política, religiosa ou cultural. Para usar a expressão de Max Weber em “A Ciência como Vocação”, ele não deve agir como “profeta ou demagogo”, usando de sua posição de poder e sua audiência cativa para fazer a cabeça dos alunos.

Isto é particularmente relevante para o ensino médio e fundamental, quando se está lidando com crianças e adolescentes no início de seu processo de formação intelectual.

Dito isto, não é claro que o projeto Escola sem Partido ofereça a solução mais adequada para o problema da doutrinação, em nossas escolas.

Confesso não gostar da ideia de incentivar que alunos denunciem seus professores a órgãos de Estado. Considero bizarra a imagem de alunos gravando professores para posterior acusações públicas ou coisas do tipo.

Isto sem prejuízo de que as direções de escolas, secretarias e mesmo o Ministério Público façam o seu trabalho, quando abusos de qualquer ordem forem cometidos.

Que se coloque um cartaz nas salas de aula, contendo princípios consagrados na Constituição e nos documentos que regem nossa educação? Não vejo problema, mas desconfio que não irá adiantar muita coisa.

Seja qual for a solução a ser dada ao tema da doutrinação ideológica em nossas escolas, ela começa com o reconhecimento simples de que o problema existe e deve ser discutido com franqueza.

Dias atrás li um artigo sustentando que ideologização do ensino não tem nada a ver com a qualidade da educação oferecida a nossos alunos. Tem sim. Doutrinar, seja para que lado for, significa desprezar a lógica mais elementar do pensamento científico.

Significa abrir mão do cultivo de competências analíticas fundamentais à vida profissional e à vida do cidadão, que envolvem apego ao dado empírico, distanciamento crítico e recusa do viés de confirmação.

Não se trata apenas de induzir os alunos a apoiarem este ou aquele partido ou ideologia. Isto é ruim para a democracia, mas não é o maior problema.

A questão central é recusarmos um tipo de educação que forma torcedores, em vez de pessoas capazes de pensar com racionalidade, isenção e método. E que possam, a partir daí, defender com propriedade as ideias que julgarem mais apropriadas, em qualquer terreno.

Fernando Schüler

Professor do Insper e curador do projeto Fronteiras do Pensamento. Foi diretor da Fundação Iberê Camargo.

CRIME

Áudio de suposto membro do CV mostra como funciona a guerra de facções no Acre

Ac24horas, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Um áudio que passou a circular em grupos de WhatsApp mostra como a população de alguns bairros vivem em meio ao fogo cruzado provocado pela guerra de facções criminosas em Rio Branco.

Na conversa, um suposto criminoso do CV que estaria no presídio, fala sobre sua volta e de outros comparsas ao bairro Taquari. Ele afirma para uma moradora antiga e diz que outros moradores da comunidade podem ficar tranquilos que ninguém vai “mexer” com eles. O homem, ao que parece, em uma conversa por áudio de um aplicativo explica que ninguém que mora no Taquari vai sair e promete proteger os moradores.

O criminoso afirma que a briga é com integrantes de outras facções criminosas que estariam matando e humilhando os moradores. “Eu sou quero voltar. Quem mora no Taquari ninguém vai sair. Agora, os caras que são do Calafate que estão aí matando e humilhando as pessoas do bairro, nós vamos cair pra dentro”, diz no áudio.

O faccionado faz uma ameaça sobre moradores do bairro que estariam rasgando a camisa da facção que pertence. “Eu sempre desviei a minha comunidade de confusão. Agora se vocês aí da minha rua forem rasgar camisa eu tenho condições de colocar 15 armas e mais de 60 homens fortemente armados aí na parte alta”, diz o criminoso.

A culpa é da juíza, diz Iapen

Em nota, o Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen) afirmou que as fotos divulgadas em redes sociais são de um pavilhão do presídio Francisco de Oliveira Conde. Após uma revista, foram encontros 8 aparelhos celulares e drogas.

Segundo a nota, os detentos estavam no pavilhão “P” que não tem bloqueio de celulares.

Para evitar o uso de celular pelos presos, o pavilhão foi entregue sem tomadas. Porém, uma decisão da Vara de Execuções Penais, através da Juíza Luana Campos, obrigou a permissão do uso de ventiladores nas celas do pavilhão “P”, o que obrigou, por consequência, a instalação de tomadas no pavilhão.

O Iapen afirma que está tomando medidas para revogar a decisão da magistrada

Leia a nota:

NOTA

Na noite desta quinta-feira, 21, foram expostas em redes sociais fotos de detentos no interior de um pavilhão do Complexo Penitenciário Francisco de Oliveira Conde. Deste modo, os presos foram identificados, extraídos da cela e encaminhados ao isolamento cautelar na madrugada desta sexta-feira, 22.

Com eles, foram encontrados 08 aparelhos  celular e drogas.

Os apenados estavam no pavilhão “P”, obra entregue neste ano de 2019 e sem cobertura contratual do bloqueio de celulares, pois os aparelhos foram instalados no complexo no ano de 2017, quando as obras do pavilhão “P” não tinham sequer iniciado.

Sem cobertura de bloqueador de celular, a alternativa foi entregar o pavilhão sem tomadas.

Contudo, decisão da Vara de Execuções Penais, através da Juíza Luana Campos, obrigou a permissão do uso de ventiladores nas celas do pavilhão “P”, o que obrigou, por consequência, o uso de tomadas no pavilhão.

Diante dos fatos o IAPEN está tomando medidas para revogar a decisão da magistrada. De igual modo, tem trabalhado para reforçar as revistas na entrada dos presídios, a exemplo de portaria recente que possibilita que todos sejam submetidos a aparelho de scanner corporal – inclusive servidores.

Além de medidas de ordem e disciplina como os procedimentos operacionais padrão (POP), o IAPEN tem trabalhado incessantemente no combate à corrupção, seja através da mudança de normas e procedimentos, seja pela abertura de processos administrativos e demissões de servidores que não representam a maioria honrada e honesta.

Rio Branco – Acre, 22 de Novembro de 2019.

Lucas Gomes

Presidente IAPEN

Continue lendo

CRISE

La Paz fica sem frango, ovo e gasolina após partidários de Evo bloquearem estradas

Folha de São Paulo, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Partidários do ex-presidente bloquearam trechos de estradas para protestar contra Jeanine Añez, senadora de oposição que assumiu o cargo.

Flávia Mantovani e Bruno Santos.

Está acabando a carne em La Paz. Tanto o frango quanto o boi, ingredientes muito usados na culinária boliviana, já são difíceis de serem encontrados em mercados e restaurantes. Os ovos também escasseiam, assim como algumas verduras, leite e pão. Além disso, acabou a gasolina e o diesel nos postos de combustível, que estão fechados.

Trata-se do último efeito na sede do governo da crise política que se instalou no país desde as últimas eleições, seguidas da renúncia de Evo Morales após denúncias de fraude. Partidários do ex-presidente, que defendem que o país sofreu um golpe de estado, bloquearam trechos de estradas para protestar contra Jeanine Añez, senadora de oposição que assumiu o cargo. Caminhões-tanque e veículos que trazem alimentos, especialmente da região leste do país, estão bloqueados.

Em um grande supermercado do centro, cenoura, cebola e tomate acabaram; leite e pão estão no fim. A geladeira de carnes está totalmente vazia.

Na foto, geladeira de carnes vazia em supermercado na zona central de La paz, onde há desabastecimento.
Devido aos bloqueios nas estradas bolivianas que acontecem desde o início do mês, La Paz sofre com o desabastecimento de alimentos e combustível – Bruno Santos / Folhapress

Um supervisor conta que até sexta-feira (15) havia ainda algumas opções e os clientes faziam filas para comprá-las, mesmo com preços mais altos que o normal — o kg de frango subiu de 13,50 (cerca de R$ 8) bolivianos para 16,50 (R$ 10) e o preço do ovo, que era 80 centavos (R$ 0,50), quase dobrou e foi para 1,50 (R$ 0,90). Neste sábado (16) não havia sobrado nada.

“Estocamos uma quantidade de carne em casa. Mas agora está no fim”, diz a dona de casa Nataly Flores, 32. “As pessoas estão recorrendo a comida enlatada, tipo sardinha e atum.”

“Ironicamente lá em Santa Cruz, de onde vem a maioria dos alimentos, os preços baixaram, porque não conseguem escoar os produtos”, diz o marido dela, Ubaldo Jimenez, 42.

Sem matéria-prima, alguns restaurantes fecharam as portas e outros reduziram o horário de funcionamento. Em um centro comercial, o proprietário de um deles, German Sandoval, 30, não está servindo nenhum prato com frango. O local, que antes abria das 10h às 22h, agora funciona das 11h às 16h apenas.

No momento da visita da Folha, não havia quase ninguém na praça de alimentação, que geralmente lota no sábado à tarde. “Não há clientes. Além de tudo os bancos estão fechando por medo de saques nas manifestações e as pessoas não têm dinheiro vivo.”

O bloqueio do combustível acontece em El Alto, área nos arredores de La Paz que concentra muitos evistas. Na quinta-feira (14), havia filas nos postos. Agora, eles estão fechados, a não ser os que vendem gás natural, ainda disponível. Mas também houve problemas com esse produto: após a ruptura de um gasoduto perto de Cochabamba e sem poder fazer o reparo devido aos bloqueios, o governo suspendeu o abastecimento de indústrias para garantir o gás domiciliar.

Com tudo isso, taxistas aumentaram o preço das corridas e tornou-se quase impossível conseguir um carro pelo Uber.

O novo ministro de Hidrocarbonetos, Victor Hugo Zamora, empossado por Añez, disse que solucionaria a crise e dialogaria com o grupo que promove os bloqueios. Uma solução cogitada por empresários é enviar a carne por ponte aérea, em voos fretados de Santa Cruz para La Paz. Os frangos de um caminhão que a Folha encontrou abastecendo uma lanchonete já tinham vindo de avião, contou um funcionário.

Morador de La Paz, o motorista Johnny Ortega, 55, teve a família afetada duas vezes pelo desabastecimento. A esposa é dona de um restaurante que está fechado há dois dias por falta de ingredientes. Ele dirige um táxi e só tinha gasolina para terminar mais uma jornada de trabalho.

Pai de três filhas, pensava em comprar no mercado negro para continuar tendo renda. “Mas nem lá estamos encontrando”, afirmou. Segundo ele, o litro no mercado paralelo custa 15 bolivianos (cerca de R$ 9,10), quatro vezes mais que o valor original nos postos, que era de 3,70 (R$ 2,25).

Continue lendo

Super Promoções

WhatsApp chat