NOSSAS REDES

CULTURA

Justiça Acreana condena 5 produtores por dano ao erário; dinheiro seria para eventos artísticos-culturais

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Cinco produtores culturais devem devolver recursos públicos.

Decisões apontam que os proponentes receberam apoio para contribuir com o desenvolvimento artístico-cultural do Acre, mas não cumpriram com suas obrigações.

O Juízo da 2ª Vara de Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco exigiu a prestação de contas de cinco produtores culturais no prazo de 15 dias. Também foi determinada a constituição de título executivo judicial para que cada investimento seja restituído, o que totalizou R$ 31.820,47.

No Processo n° 0700083-75.2017.8.01.0001 consta que o “I Festival de Cultura Caipira de Sena Madureira” foi classificado e aprovado, então recebeu R$ 3 mil por meio de certame estadual. O proponente vem sendo notificado desde 2003.

Da mesma forma, ocorreu com o projeto denominado “Esculpindo o Acre”, inscrito em 2002. Não prestou contas, nem ressarciu ao erário o aporte financeiro de R$ 3.719,00. O responsável requereu no Processo n° 0700085-45.2017.8.01.0001 a prescrição decenal, o que foi indeferida.

Esse mesmo argumento foi utilizado pelo demandado do Processo n° 0700794-80.2017.8.01.0001, mas também recusado pela juíza de Direito Zenair Bueno, titular da unidade judiciária. “Circulando Artes”, de 2001, foi contemplado por edital da Fundação Elias Mansour com R$ 5.631,00, sem o efetivo cumprimento da execução do projeto.

A exigência contemplou ainda a artista que apresentou o projeto “Boi Minas de Ouro”, beneficiado com R$ 6.556,00, em 2003. De acordo com os autos do Processo n° 0703681-37.2017.8.01.0001, ela chegou a prestar contas parcialmente, comprovando gastos de R$ 2.526,53, no entanto sua obrigação se estende aos valores inadimplentes.

Por fim, o último decreto condenatório refere-se ao Processo n° 0704110-04.2017.8.01.0001, na qual a pessoa identificada como representante legal do Município de Capixaba foi responsabilizada pela ausência de implantação de espaço do Sistema Municipal de Cultura, em 2014.

O convênio na ordem de R$ 15.441,00 tinha o objetivo de criar uma referência local. No entanto, o requerido seguiu inerte, deixou transcorrer prazos, não compareceu a audiências, não apresentou contas ou respostas.

Todos os autos foram remetidos ao Ministério Público para apuração de eventual ato de improbidade administrativa. As decisões foram publicadas na edição n° 6.305 do Diário da Justiça Eletrônico.

CULTURA

Prejuízo à humanidade: Incêndio destrói parte de Notre-Dame, ícone da cultura europeia

Folha de São Paulo, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Torre da igreja é consumida pelas chamas, mas estrutura principal foi preservada; Macron promete reconstrução.

Lucas Neves
PARIS

Quando o alarme soou na catedral Notre-Dame, no centro de Paris, pouco depois das 18h30 (13h30 no Brasil) desta segunda-feira (15), André Finot intuiu logo: o colosso gótico cuja construção consumira mais de 180 anos ardia em fogo.

Segundo o responsável pela comunicação da igreja, que recebe 13 milhões de visitantes por ano —é o monumento histórico mais frequentado da Europa— , cerca de 1.500 pessoas assistiam a uma missa recém-iniciada quando uma fumaça cinza e alaranjada começou a se desprender das vigas de sustentação do edifício. A multidão foi conduzida para fora sem incidentes.

Ainda não se sabe o que causou as chamas. Segundo o jornal francês Le Monde, o fogo teria se originado nos andaimes atualmente instalados na parte superior do prédio para trabalhos de restauração.

https://i2.wp.com/f.i.uol.com.br/fotografia/2019/04/15/15553512075cb4c6a779bed_1555351207_3x2_md.jpg?w=740&ssl=1

https://i0.wp.com/f.i.uol.com.br/fotografia/2019/04/15/15553497655cb4c1053f77e_1555349765_3x2_md.jpg?w=740&ssl=1

https://i1.wp.com/f.i.uol.com.br/fotografia/2019/04/15/15553501595cb4c28f65416_1555350159_3x2_md.jpg?w=740&ssl=1

Fumaça e chamas são vistas da catedral de Notre-Dame, em Paris.

Na última sexta-feira (12), 16 estátuas de bronze que adornam os telhados da catedral foram retiradas para serem recuperadas. De acordo com os bombeiros, num primeiro momento, o incêndio estaria “potencialmente relacionado” às obras na edificação.

Mais tarde, eles diriam que o foco do incêndio havia sido o recinto conhecido como “floresta”, onde ficam as 1.300 vigas de carvalho que desde meados do século 13 sustentam o prédio –são sua “ossatura”. Elas “seguram” um teto de chumbo que teve dois terços de sua superfície destruídos nesta segunda-feira.

O emaranhado de madeira possui dimensões maiúsculas: mais de 100 metros de comprimento, 40 m de largura no transepto (e 13 m na nave), além de 10 m de altura.

“Esse lugar contrasta com o resto da catedral, quase todo feito de ferro e pedra. É orgânico, é onde há vida, cheiro de madeira seca há séculos”, dizia inconsolável, na praça em frente à entrada principal do templo, Olivier de Chalus, chefe dos guias voluntários da Notre-Dame. “Ali há silêncio, tranquilidade, enquanto se sente o burburinho da catedral embaixo.

Até a 1h (20h no Brasil), não havia registro de feridos. Parte da construção estava em obras havia cerca de um ano, mas o turno dos operários termina às 17h, então o canteiro já estava inativo no momento em que a porção superior foi tomada por chamas.

Alguns bombeiros, no entanto, receberam tratamento por inalação de gases tóxicos.

Um dos símbolos da Notre-Dame foi tragado pelo fogo: a Agulha (Flèche, em francês), torre fina e pontiaguda de 93 metros de altura. Sua queda deixou um rombo em algumas abóbadas do interior da igreja, e destroços da construção invadiam a nave, segundo era possível ver em imagens feitas pela imprensa francesa.

No entorno da Notre-Dame, que fica em uma ilha no meio do rio Sena (a Île de la Cité), o clima cerca de uma hora depois de o fogo se propagar era de consternação.

Olhos esbugalhados, centenas de pessoas tiravam fotos e faziam vídeos da igreja em chamas, e algumas choravam copiosamente. O silêncio solene da audiência era entrecortado por sirenes de carros de bombeiros, ambulâncias e viaturas policiais, além de berros de agentes que tentavam ampliar o perímetro de isolamento em torno do edifício, evacuando pontes e ruas de acesso próximas.

A atmosfera de desorientação e tensão lembrava muito a da noite de 13 de novembro de 2015, quando uma sequência de atentados, sobretudo na região nordeste da capital francesa, deixou mais de 130 mortos.

Na imprensa local, jornalistas recorriam a fórmulas como “Paris está desfigurada” e “o coração da cidade arde”.

A mesma emoção contaminou um pronunciamento do presidente Emmanuel Macron, diante da catedral, por volta das 23h30 (18h30 no Brasil).

“Vamos reconstruir Notre-Dame, porque é o que os franceses esperam, é o que a nossa história merece, é o que nosso destino pede”, afirmou, com a voz embargada, pouco depois de anunciar que um fundo para os trabalhos começaria a receber doações do mundo todo. Chefes de Estado e de governo de Alemanha, Reino Unido e Estados Unidos, entre outros, enviaram condolências aos franceses.

Antes, Macron adiou um anúncio que faria nesta segunda-feira (15), na TV, sobre medidas econômicas para aplacar os protestos liderados pelos “coletes amarelos”.

A metros de onde o presidente falou à imprensa, um barco dos bombeiros bombeava água do Sena para as quatro grandes mangueiras suspensas por guindastes com as quais os agentes tentavam extinguir por completo o fogo. A essa altura, para quem olhava da praça em frente, só restava fumaça.

Em meio à perplexidade generalizada, algumas boas notícias começavam a surgir. O arquiteto-chefe dos monumentos históricos franceses, Philippe Villeneuve, afirmou ao jornal Le Monde que a destruição havia sido menor do que o que se poderia temer.

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, seguiu linha semelhante. “O altar e sua cruz foram preservados. É menos horrível do que eu imaginava”, disse ao mesmo jornal.

A torre norte, que chegou a ser lambida por chamas no começo da noite, assim como a estrutura principal, estavam a salvo, segundo os bombeiros.

No fim da noite, na praça Saint Michel, a 100 metros da catedral, centenas de pessoas rezavam e entoavam cantos religiosos, numa vigília improvisada.

“É um símbolo da cultura francesa, a joia da coroa, mas também um dos centros do cristianismo no mundo”, disse o estudante mexicano de história da arte Luis Alvarez, 25. “Espero que incentive os governos a tomar conta melhor de seu patrimônio, a protegê-lo. Algo tem que acontecer.”

O médico aposentado François Beaugendre, 81, fazia coro. “Estou aqui em solidariedade com o povo francês. Espero que tenha sobrado algo. Não podem 800 anos de história desaparecer em uma hora.”

“Estava voltando de um jantar sobre uma peregrinação e quis parar aqui para rezar pelos bombeiros”, contou Vidalo Mélodie, 35, diretora de um hospital infantil. “A igreja é um lugar de alegria. Ver uma delas ir pelos ares é duro, ainda mais quando se trata de Notre-Dame, com seus sinos que ditam o ritmo da nossa vida aos domingos.”

https://i0.wp.com/f.i.uol.com.br/fotografia/2019/04/16/15554122225cb5b4fe9780c_1555412222_3x2_md.jpg?w=740&ssl=1

No fim da noite, autoridades ligadas à cúpula católica francesa e à gestão do patrimônio estimavam que a reconstrução integral da porção destruída poderia levar anos, e possivelmente mesmo décadas. E lembravam que a catedral octocentenária já foi palco de um incêndio, este de pequenas proporções, em 1944, também atingindo a Agulha.

Por volta das 23h, no horário do Brasil, após cerca de nove horas, os bombeiros conseguiram controlar as chamas.

Interior da catedral de Notre-Dame de Paris em 2012
Interior da catedral de Notre-Dame de Paris em 2012 – Patrick Kovarik – 12.dez.12/AFP.

https://i0.wp.com/f.i.uol.com.br/fotografia/2019/04/16/15553846285cb54934555ce_1555384628_3x2_md.jpg?resize=421%2C632&ssl=1Notre-Dame entre 1867 e 1890

https://i1.wp.com/f.i.uol.com.br/fotografia/2019/04/16/15553841435cb5474fa9933_1555384143_3x2_md.jpg?resize=421%2C632&ssl=1Foto de 1945 mostra um homem pintando a catedral de Notre-Dame

https://i0.wp.com/f.i.uol.com.br/fotografia/2019/04/16/15553841505cb547562cd93_1555384150_3x2_md.jpg?w=740&ssl=1Soldados americanos caminham e tiram fotos na ponte de l’Archevêché, próximo à catedral de Notre-Dame, em 1944

https://i0.wp.com/f.i.uol.com.br/fotografia/2019/04/16/15553841505cb54756dd29d_1555384150_3x2_md.jpg?w=740&ssl=1

Às margens do rio Sena, uma mulher pinta a catedral de Notre-Dame, em 1947

 

Continue lendo

AMAZÔNIA

Funai localiza 34 índios isolados e reduz tensão na Amazônia

Folha de São Paulo, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

 

Um grupo de 34 índios isolados da etnia korubo foi contatado em uma expedição realizada pela Funai (Fundação Nacional do Índio), o que reduziu as tensões na Terra Indígena Vale do Javari, na fronteira com o Peru, informou nesta sexta-feira (5) o órgão indigenista. O grupo, de 17 mulheres e 17 homens, entre adultos e crianças, corria risco de um conflito com índios da etnia matís.
“Não houve nenhum tipo de resistência ou confronto, pelo contrário, foi um contato super pacífico. Esses índios reencontraram seus irmãos, suas irmãs, seus parentes antigos, seus sobrinhos e agora um universo novo que vai ser aberto de diálogo com esses povos que passam a um contato mais perene e intermitente com o Estado”, disse Bruno Pereira, coordenador da missão e da CGIIRC, o setor da Funai em Brasília responsável pela relação com indígenas isolados ou de recente contato.

A expedição, iniciada no final de fevereiro, durou 32 dias desde a chegada a Tabatinga (AM). Após uma quarentena de onze dias para evitar a transmissão de doenças para os indígenas, a equipe trabalhou oito dias na mata atrás de sinais dos índios na região do rio Coari, com foco nos roçados que haviam sido localizados em sobrevoos e imagens de satélite. “Mas eles não estavam lá, estavam se deslocando para se alimentar de pupunha e atrás de um cipó que costumam usar. No primeiro momento [em 19 de março] eles não estavam com armas ou bordunas, nós também não. Houve bastante emoção nesse momento”, disse Pereira.
“Desde lá estamos entabulando o diálogo com os indígenas e marcando uma nova visita. Não há relatos de doenças até agora, mais de 14 dias [depois]. Eles estavam contagiados por uma malária, não fomos nós que levamos.
Fizemos três exames de malária. Uma malária suave que ainda não tinha estourado, estava meio encubada, podem ter adquirido pela visita dos matís ou de caçadores que andam perto do rio Coari”, disse Pereira.
A expedição envolveu 30 pessoas, incluindo índios da mesma etnia korubo que foram contatados em momentos anteriores e atuaram como intérpretes, uma equipe da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena) do Ministério da Saúde, além do apoio remoto do Exército, polícias Militar e Federal e outros órgãos públicos.
Uma expedição de contato dos índios, conhecidos como “korubo do Coari”, em referência ao rio homônimo da região, vinha sendo pedida há mais de quatro anos por indígenas matís, que chegaram a invadir uma base da Funai na região, em 2016, a fim de pressionar o órgão. Além disso, korubos contatados em anos anteriores também passaram a demandar um encontro com seus parentes ainda isolados.
A operação foi discutida no final do governo de Dilma Rousseff, planejada no governo de Michel Temer e agora desencadeada porque os matís voltaram a alertar a Funai, em uma carta à presidência do órgão, sobre o risco de confronto iminente com os isolados. Em 2014, um choque entre as duas etnias deixou dois matís mortos e um número indeterminado de vítimas entre os korubos. A Funai informou na época que ouviu dos korubos a informação de que oito deles morreram no revide. O órgão temia que um massacre pudesse se repetir a qualquer momento.

NÃO CONTATO

Uma expedição com esse porte e objetivo não ocorria há mais de 20 anos. Após o fim da ditadura militar, em 1985, como resultado de contatos catastróficos ocorridos durante o regime militar e antes dele, com a morte de milhares de indígenas até então isolados, a Funai colocou em prática a chamada política do não contato, que vigora até hoje. Lançada também como uma resposta às denúncias das altas taxas de mortalidade feitas por antropólogos, indigenistas e organizações não governamentais ao longo dos anos, ela tem como premissa não ir ao encontro dos isolados e agir apenas em casos pontuais, quando a etnia isolada sofre, por exemplo, uma ameaça concreta.
Em fevereiro passado, um sobrevoo da Funai na região do rio Coari identificou três malocas e cinco áreas de roça a apenas 21 km de uma aldeia dos matís. “O risco de não fazer [o contato] é delegar à sorte. E a sorte para a gente tem dado resultados práticos: foram conflitos e morte. É delegar ao destino, que pode ser oito dias, oito meses ou oito anos. Mas essa proximidade de 20 km de onde os korubos estão, dentro quase da aldeia matís, é um cenário catastrófico, falta um milímetro, um cabelo [para ocorrer um confronto]”, disse Pereira em fevereiro, antes de iniciar a expedição.

A missão foi acompanhada por korubos anteriormente contatados em 1996, 2014 e 2015. Havia parentes korubos que não se viam há anos. A intenção era pedir aos isolados que deixem de frequentar áreas, roças ou malocas ocupadas pelos matís, a fim de evitar um massacre. Os korubos detêm apenas bordunas, e por isso ficaram conhecidos como “caceteiros”, mas os matís já possuem armas de fogo.
“Conseguimos fazer o primeiro diálogo entre matís e korubos. São relações constituídas que envolvem casamento, relações espirituais. Começamos a explicar que não andassem mais naquela região. Eles não entendiam que eram as mesmas pessoas que tinham visitado novamente, suas roças, frutas e iniciando os roçados. Houve o entendimento, a gente conseguiu dialogar nesse sentido com eles e eles disseram que não vão mais andar para lá”, disse Pereira.
Os korubos que já mantinham algum tipo de contato com a população não indígena eram, ao todo, 88 pessoas. Sobre os isolados, não havia número preciso, mas a Funai estimava cerca de 28 no grupo do Coari (dez homens, doze mulheres e seis crianças). Eram 34. Em contrapartida, há mais de 500 matís na região. Outros 30 a 40 korubos vivem em outro grupo isolado, perto do rio Curuena _o segundo grupo não será foco da operação.
CONFLITOS
O Vale do Javari, com seus 8,5 milhões de hectares e cerca de 5 mil índios de sete etnias diferentes, é considerada a região do planeta onde mais existem grupos indígenas isolados. De 28 grupos isolados confirmados no país pela Funai, onze estão no Javari. Há outras 26 informações sobre isolados ainda em estudo na Funai. Embora saiba onde esses grupos estão, a Funai procura manter distância, fazendo apenas o monitoramento sobre eventuais agressões ao território indígena, como caçadores de animais silvestres e ladrões de madeira.
Considerando a política do não contato, a decisão de ir ao encontro dos “korubos do Coari” foi precedida de um intenso debate entre indigenistas do órgão. Eles optaram por desencadear a operação antes que a região habitada pelos matís e korubos seja o palco de uma carnificina. A Folha apurou que a expedição vem sendo discutida há muitos meses, não sendo uma ação determinada por membros do governo Jair Bolsonaro. Eles foram informados pelos técnicos da Funai e passaram a manter o aval político e o apoio financeiro e logístico à expedição.
A última expedição do gênero, desencadeada com o propósito de contato de um grupo isolado, ocorreu em 1996, quando uma expedição liderada pelo sertanista Sidney Possuelo foi ao encontro de um grupo isolado korubo que havia matado a golpes de borduna um morador da comunidade de Monte Alegre. Esses índios, que passaram a ser conhecidos como o “grupo da Mayá”, em referência a uma liderança indígena, recebeu acompanhamento médico e sua população quase dobrou nas últimas duas décadas. Eles foram transferidos para um local perto do rio Ituí, dentro da terra indígena.
Muitos anos depois, em 2014, um grupo de seis korubos isolados foi contatado por índios kanamaris que navegavam pelo rio Itaquaí. No mês seguinte, temendo surtos de doenças que poderiam dizimar os outros korubos que estavam na mata, a Funai fez uma rápida abordagem e contatou outros 15 indígenas. Eles foram reunidos ao “grupo da Mayá”.
A emergência em relação à segurança física dos “korubo do Coari” começou a ser delineada a partir de 2006, quando os matís começaram a se aproximar do rio Coari após a morte da mulher de um cacique. Os matís intensificaram o uso de embarcações entre varadouros conectados ao Coari. Em agosto de 2013, de forma inédita os próprios matís conseguiram gravar em vídeo um contato com alguns korubos.
No final de 2014, o pior aconteceu, quando korubos do Coari e os matís da aldeia Todowak, instalada à beira do rio, entraram em conflito armado. Dois líderes matís, Dame e Ivan, foram mortos pelos korubos. Os matís prometeram vingança e saíram em busca dos isolados. A Funai reconhece que korubos morreram no confronto, mas corpos não foram encontrados.
Em 2015, os matís fizeram um contato por iniciativa própria com um grupo de mais de 21 korubos isolados. A Funai fez um atendimento de saúde às pressas para evitar mortes causadas por doenças. No organismo de um índio isolado ou de recém-contato, por exemplo, um simples resfriado pode evoluir rapidamente para uma pneumonia fatal caso não seja combatido a tempo. Curados, os índios foram reunidos ao “grupo de Mayá” no rio Ituí.
As relações entre a Funai e os matís se deterioraram, a ponto de os índios invadirem o prédio da coordenação do órgão em Atalaia do Norte (AM) em janeiro de 2016. Em fevereiro daquele ano, uma entidade representativa de índios no Javari enviou uma carta à presidência da Funai para pedir providências. Eles disseram que procuram “evitar o conflito”, mas os isolados “Não tem entendimento sobre a nossa cultura”. Os matís disseram que a Funai deveria “trabalhar no sentido de realizar o monitoramento do território dos isolados e atuar na nossa aldeia para garantir um bom atendimento aos índios isolados quando efetuarem contato atrás dos seus representantes indicados”.
Em junho do ano passado, novamente matís chegaram muito perto dos korubos, dos quais tomaram redes de pesca, mas não houve relato de mortes. Ao longo de meses, a Funai estudou os prós e contras do contato no Javari e constatou “risco alto” em quatro indicadores importantes: “relatos de avistamento de isolados no entorno, proximidade comprovada com tensionamento/incidência de doenças infectocontagiosos, demanda/vontade/determinação do reencontro com seus ex-corresidentes e diálogo propositivo limitado entre os matís e a Funai”.
“Em julho do ano passado, houve uma tentativa de contato, clara, [os matís] conseguiram pegar as redes dos índios. Chegaram muito perto deles. Tentaram cercá-los e não conseguiram. Tudo bem, não morreu ninguém, mas se tiver um novo confronto, os matís vão responder da forma deles, tradicional”, disse Pereira.

Continue lendo

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

Fale Conosco