NOSSAS REDES

BRASIL

Tite pensa em modificações no amistoso contra o Peru

Agência Brasil, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A Seleção Brasileira de Futebol se prepara para enfrentar o Peru pela terceira vez em 2019. Foram dois confrontos durante a Copa América e duas vitórias da equipe comandada por Tite. O técnico da seleção brasileira pensa em fazer algumas mudanças em relação ao time que começou a partida contra a Colômbia, na última sexta-feira (6). O resultado foi um empate em 2 a 2, com gols de Casemiro e Neymar. “Sabendo da grandeza do jogo, de repetir final de Copa América, a ideia é manter a estrutura básica, mas com modificações sim. Quero manter a estrutura da equipe, para um reencontro com a devida competitividade. Pode ser em torno de quatro atletas”, observou Tite.

“O Peru cresceu muito nas eliminatórias. Cresceu como equipe. Se consolidou. Gareca tem feito grande trabalho. Vai ser um grande jogo de novo. Pode perder algumas peças, o Guerrero, mas há outros jogadores com qualidade. Mantém-se a estrutura básica da equipe”, acrescentou Tite.

Depois de vencer os peruanos por 5 a 0 e 3 a 1 na Copa América 2019, o último resultado na final da competição, o técnico Tite sabe que para os peruanos pode haver um sentimento de revanche.

“Se eu estivesse do outro lado, teria esse sentimento de revanche, mas com lealdade. Não tem por que dar porrada. Quero jogar para mostrar que sou melhor. Se fosse o contrário, também teria. Como se faz de forma leal, é outra história. É salutar. Leva pressão”, afirmou.

A partida contra o Peru será à meia-noite desta terça-feira (10), horário de Brasília. O jogo será disputado no Los Angeles Memorial Coliseum, nos Estados Unidos.

ACRE

Governo Bolsonaro avalia mudar Constituição para congelar salário mínimo

Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O Ministério da Economia, de Paulo Guedes, analisa retirar da Constituição a obrigatoriedade de que o valor do salário mínimo seja corrigido pela inflação, para então autorizar o seu congelamento provisório em situações de “aperto fiscal”.  Uma das hipóteses é que o valor fique travado por dois anos. Proposta atualmente está em tramitação no Congresso. Informação foi confirmada nesta segunda-feira (16) por Bernardo Caram, da Folha de S.Paulo.

O salário mínimo já não tem mais a obrigatoriedade de ser reajustado acima da inflação, pois tal regra caiu esse ano no governo Bolsonaro. Agora, a nova mudança iria além, permitindo o congelamento do valor, sem reposição da inflação. No entanto, a Constituição define que o salário mínimo deve ter reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo.

A teoria de Paulo Guedes é que, como o governo tem gastos atrelados ao salário mínimo, como as aposentadorias, a medida traria alívio ao Orçamento em situações de “aperto fiscal”.

A medida será incluída na PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que altera regras fiscais e tem autoria do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ). O texto atualmente está na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara e é debatido por um grupo de parlamentares, representantes do Ministério da Economia e técnicos de Orçamento no Congresso.

FONTE: FOLHAPRESS

Continue lendo

BRASIL

Com o Brasil vivendo surtos de doenças, governo Bolsonaro quer reduzir compra de vacinas em R$ 393,7 milhões

Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Com o Brasil vivenciando um surto de sarampo, além do aumento dos casos de febre amarela, o Ministério da Saúde quer reduzir as despesas com a aquisição e distribuição de vacinas em R$ 393,7 milhões no próximo ano. A proposta de corte está contida no projeto de lei orçamentária que foi encaminhada pelo governo Jair Bolsonaro ao Congresso Nacional no final de agosto. 

O valor é 7% inferior aos R$ 5,3 bilhões previstos para este exercício e ainda poderá ser encolhido, já que R$ 1,4 bilhão, do total de R$ 4,9 previsto para 2020 terá sua liberação condicionada a uma aprovação legislativa extraordinária. 

Por meio de nota, o Ministério da Saúde que apesar do corte orçamentário “não faltarão recursos para a aquisição de vacinas”. Ainda segundo a pasta, o governo está “ampliando as aquisições e recompondo os estoques com preços mais baixos dos que inicialmente estavam previstos”, o que justificaria a redução orçamentária para   das vacinas no próximo ano. 

ESTADÃO

Continue lendo

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

WhatsApp WhatsApp Notícias