NOSSAS REDES

ACRE

Acre registra 14 casos de feminicídio em um ano, diz Segurança Pública

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Nos últimos três anos o Acre registrou 28 casos de feminicídio. Relatório de ONG aponta que o Brasil vive uma epidemia de violência doméstica.

O Acre registou 14 casos de feminicídio em 2018. Os dados são da Segurança Pública do Estado (Sesp). Esse é o maior número de casos registrados no estado nos últimos três anos.

Em 2017 foram 13 casos de feminicídio registrados e em 2016 apenas um caso. O crime é configurado como feminicídio nos casos em que a morte da mulher foi motivada pela condição de gênero.

Um relatório da ONG Human Rights Watch aponta que o Brasil vive uma epidemia de violência doméstica. O estudo foi divulgado nesta quinta (17) e destaca o problema da violência generalizada contra as mulheres no Brasil.

O relatório da ONG cita dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O levantamento indica que houve o registro de 4.539 mortes de mulheres em 2017, sendo que a polícia registrou 1.133 como feminicídios. O relatório aponta que o número de feminicídios está provavelmente subnotificado.

Morta na frente dos filhos

Em dezembro de 2018, Eduilson dos Santos foi condenado, no dia 4 de dezembro, a 28 anos e seis meses de prisão em regime fechado pelo crime de feminicídio. Em 2010, Santos matou a mulher Maria Claudia Oliveira, de 30 anos, a golpes de terçado, na Vila Caquetá, na zona rural de Porto Acre.

O homem ficou foragido até 2018 e foi capturado em Mato Grosso. Maria foi achada morta abraçada a um bebê de nove meses. Os outros dois filhos do casal viram toda a cena.

Ainda no ano passado, Erbson da Costa Araújo foi condenado a 27 anos e Antônio Jailson Ribeiro dos Santos a 19 anos de prisão pelo feminicídio de Luana Santos da Costa, de 19 anos.

O crime teria sido causado por um acerto de contas após a jovem ter sido infiel. Luana foi morta a tiros em março de 2017, na Rua do Barro, no bairro Ayrton Sena, em Rio Branco. Durante as investigações, a Polícia Civil apontou que a jovem estava envolvida com o tráfico de drogas.

Dia da Não Violência Contra a Mulher

Em Rio Branco, uma lei de combate à violência contra a mulher recebeu o nome da vendedora Keyla Viviane dos Santos. A vítima foi morta com duas facadas, uma no peito e outra na virilha, pelo ex-marido, Adjunior Sena, de 32 anos, em frente à loja em que trabalhava. O caso ocorreu em março de 2016 e causou comoção.

Na época, uma câmera de segurança do estabelecimento flagrou toda a ação. Em junho de 2016, a Justiça do Acre condenou o ex-marido da vendedora a 27 anos e 6 meses de prisão pelo crime.

A lei nº 2.210 com o nome de Keyla foi sancionada sete meses após a morte dela e inclui no calendário oficial da cidade o dia 1º de março com o “Dia Municipal da Não Violência Contra a Mulher”.

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!
WhatsApp chat