NOSSAS REDES

Acreanidades

Conheça Bakunin Acriano, o Eremita

Bakunin Acriano, o Eremita, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Coluna ‘Cartas Comunistas e Capitalistas’

Comunista de 90 anos, ex-exilado, crítico literário e saudoso da tradicional máquina de escrever.

Depois de defender por décadas a ditadura do proletariado, aprendeu que o Brasil pode ser o meio para a insanidade.

Ignorado pela militância armada e golpista, rejeitado pela classe política de direita, de centro direita, dos corruptos e desprezado pelos companheiros, sendo abandonado em plena selva, durante uma fuga, sendo perseguido por fascistas que adoravam cometer bulling, ele se refugiou em meio aos indígenas, onde vislumbrou uma sociedade perfeita até o não-índio chegar e corromper os autóctones.

Depois da devastação da aldeia pela influência brasileira, ele foi se refugiando, chegando a morar com macacos, onças e até a cobra grande.

Ainda no século passado, sob a influência do conhecimento da floresta, tomou uma superdose de Daime e teve a miração de um Brasil melhor, tomou coragem e saiu andando, se despedindo das pacas, tatus, cotias e até do mapinguari e chegou na área urbana de Marechal Thaumaturgo, quando o efeito psicotrópico da ayahuasca já havia passado, então foi e se viu nu, em plena rua de terra, então veio a ressaca moral de voltar a civilização, mas já era tarde, pois outros humanos correram para prendê-lo por atentado ao pudor.

Alegou ele ao delegado que na selva não havia lojas e mesmo se existisse, um comunista é contra o capital, então buscaria, por meio de revolução a distribuição dos bens de forma igualitária. O argumento do Eremita não sensibilizou o policial que mandou o meliante para o presídio da capital, onde se sentiu como um preso político, em que os ideais libertários confrontam as regras opressoras do Estado.

Por ser atentado ao pudor um crime de menor potencial, ele acabou solto em meio a um mutirão de defensores públicos, então ele pensou que aquela alucinação poderia estar correta e o Brasil em via de uma mudança revolucionária, mas logo se decepcionou, porque os defensores públicos sofrem mais que ele em plena selva.

Na época em que Bakunin Acriano ganha a liberdade também era o dia em que um companheiro de luta chega ao poder, sim, ele foi liberto no dia da posse de Luiz Inácio Lula da Silva como presidente da Ré-publica, então foi o reinício do seu sofrimento entre os brasileiros urbanizados.

Por décadas ele tentou retomar a luta da esquerda, a Ditadura do Proletariado, mas os antigos camaradas já estavam envolvidos na política e desprezaram mais uma vez aquele Eremita que mais parecia Dom Quixote.

Mesmo sem acreditar não ter direito, passou a receber uma pensão pelo Estado em decorrência dos anos de luta armada e pela idade. Assim, ele passou anos buscando os antigos parentes, mas descobriu que todos haviam morrido, então, se isolou em um quartinho do Segundo Distrito, onde recebe muitas reclamações de vizinhos por fazer muito barulho ao retomar a antiga prática: a literatura, mas usando a velha máquina de escrever, uma Olivete recuperada e que muitas vezes sofre para garantir a tinta das fitas pressionadas pelos tipos contra o papel para que as letras possam ser impressas no papel.

Essa é a história de um homem abandonado pelos seus companheiros da esquerda.

Bakunin Acriano, o Eremita

(Personagem fictício que faz uma crítica à sociedade)

COLUNA 'CARTAS COMUNISTAS E CAPITALISTAS' é escrita por Bakunin Acriano, o Eremita. Talentoso aos 80 anos de idade, dos quais mais de 30 anos reside no Acre, por isso se diz acriano, onde é conhecido por "Eremita". Foi Comandante de Galvez na guerra pelas terras do Acre. Seu maior prazer, todavia, não é pela guerra. Mas escrever crônicas e críticas sobre a mídia e a política contemporâneas. Esse velho sábio participou da Revolução Russa e Cubana. Razão pela qual ficou durante 20 anos exilado em Amesterdã. Onde aprendeu a ler e usar máquina de escrever. Não gosta de computador, nem internet. Eremita se qualifica modestamente como luso-acriano. Ele, porém, guarda documentos que provam sua identidade como um ex-agente da KGB. (Personagem fictício que faz uma crítica à sociedade)

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Atacado por Bolsonaro, Cacique Raoni contra-ataca anunciando aliança com movimento extrativista do Acre e outros

Folha de São Paulo, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Líderes indígenas dizem temer genocídio e apoiam cacique Raoni, atacado por Bolsonaro.

Manifesto lido ao fim de encontro em Mato Grosso condena políticas do governo e rechaça projeto de lei que permite mineração em terras protegidas.

Foto de capa: O líder indígena Raoni durante manifestações de estudantes pelo clima, em Bruxelas, na Bélgica.

Rubens ValenteBruno Santos
TERRA INDÍGENA CAPOTO-JARINA (MT)

Rodeado por caciques caiapós, Raoni estica a borduna na “casa dos guerreiros”, uma construção de madeira com telhado de palha e chão batido na aldeia Piaraçu, na Terra Indígena Capoto-Jarina, em Mato Grosso.

Ele discursa ao microfone: “Homem que se chama Bolsonaro, aproveita seu mandato porque minha luta é de uma vida inteira”.

Nesta semana, o cacique reuniu por cinco dias cerca de 600 indígenas de 45 etnias diferentes na aldeia caiapó, perto do rio Xingu, para defender a união do movimento indígena contra as políticas de Bolsonaro.

Indígenas participam nesta sexta (17) do último dia de encontro com lideranças na aldeia de Piraçu, às margens do rio Xingu, em Mato Grosso
Indígenas participam nesta sexta (17) do último dia de encontro com lideranças na aldeia de Piraçu, às margens do rio Xingu, em Mato Grosso – Bruno Santos/Folhapress.
.

Em manifesto lido nesta sexta-feira (17) ao final do evento, os indígenas afirmaram que está em curso “um projeto político do governo brasileiro de genocídio, etnocídio e ecocídio” e rechaçaram projeto de lei formatado pelo governo para permitir mineração e outros empreendimentos mesmo sem a aprovação dos indígenas —o texto ainda será enviado ao Congresso Nacional.

Bolsonaro conversa com índios Makuxi da reserva Raposa Serra do Sol (RR), ao sair do Palácio da Alvorada. Presidente defende a exploração de terras indígenas e tem interesse no terreno em RR, especialmente pelo seu potencial mineral. Pesquisa Datafolha, no entanto, mostra que a maioria absoluta dos brasileiros é contrária a essa política

Bolsonaro conversa com índios Makuxi da reserva Raposa Serra do Sol (RR), ao sair do Palácio da Alvorada. Presidente defende a exploração de terras indígenas e tem interesse no terreno em RR, especialmente pelo seu potencial mineral. Pesquisa Datafolha, no entanto, mostra que a maioria absoluta dos brasileiros é contrária a essa política

.

“Nós não aceitamos garimpo, mineração e arrendamento em nossas terras, não aceitamos madeireiros, pescadores ilegais, hidrelétricas, somos contra tudo aquilo que destrói nossas florestas e nossos rios. Escrevemos esse documento como um grito, para que nós povos indígenas possamos ser escutados pelos três Poderes da República, pela sociedade e pela comunidade internacional”, diz o manifesto lido no evento.

O encontro também foi uma demonstração de força de Raoni, várias vezes citado por lideranças jovens e idosas como o mais importante representante dos indígenas do país.

Bolsonaro afirmou que Raoni não representa os índios do país e passou a inflar outros nomes sem histórico no movimento indígena.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ao mesmo tempo, o governo esvazia, segundo os índios, a saúde indígena e a Funai (Fundação Nacional do Índio).

Na aldeia Piaraçu, as lideranças indígenas reunidas por Raoni – incluindo Sônia Guajajara, Célia Xakriabá e Alessandra Munduruku– discutiram uma reação à política bolsonarista.

Coube ao sobrinho de Raoni, Megaron Txucarramãe, dar o tom dos próximos passos dos caiapós.

“Nós temos que reforçar, temos que impedir esse projeto [da mineração]. […] Preparar flecha, vamos preparar porque ele [Bolsonaro] vai querer botar Força Nacional, vai querer botar Polícia Federal, vai botar polícia para jogar pimenta na nossa cara. Mas temos que ir preparados.”

O enáuenê-nauê Kawaili Koll exortou a plateia: “Vamos nos preparar, vamos fazer flechas, bordunas. Ele, Bolsonaro, acha que índio é criança”.

Em uma entrevista coletiva, contudo, Raoni procurou abrandar o discurso.

“Esse encontro não é para planejar uma guerra, um conflito. Estamos aqui para defender nosso povo, nossa causa, nossa terra. Eu quero pedir mais uma vez que o ‘homem branco’ nos deixe viver em paz, sem conflito, sem problema. Eu nunca faria um encontro para atacar alguém. Estamos nos reunidos aqui para nos defender”, disse o caiapó, em tradução de Megaron.

“Vamos pedir para Bolsonaro respeitar nossos direitos. Se não respeitar, vamos pedir para os países da Europa e outros países para nos ajudar. É isso que temos que fazer”, disse Megaron.

Na quarta-feira (15), durante o encontro, Raoni anunciou uma aliança com o movimento extrativista do Acre, posando para imagens ao lado de uma das filhas do líder ambientalista Chico Mendes, assassinado em 1989, Ângela Mendes, e de Sônia Guajajara, da coordenação da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib).

O cacique Raoni (de cocar amarelo), a líder indígena Sonia Guajajara (de cocar azul) e Ângela Mendes (de branco), filha de Chico Mendes, posam para foto durante encontro nas margens do rio Xingu, em Mato Grosso – Bruno SantosFolhapress.

 

Em oposição a Raoni, a presidência da Funai, ocupada hoje por um delegado da Polícia Federal, decidiu desprezar o evento, ao não enviar nenhum representante e depois dizer, numa rede social, que o encontro era uma iniciativa “totalmente privada”, sem esclarecer que o governo comparece a vários fóruns de agropecuaristas, empresários e industriais.

À Folha Raoni disse que procurou pessoalmente, em Brasília, o órgão responsável pela política indigenista: “Eu tentei falar com o presidente da Funai e, como era período de recesso, então eu não consegui e fui ter contato com o assessor substituto dele para que comparecesse aqui nesse evento. Mas até agora não tive resposta e não tive presença dele nesse evento”.

Continue lendo

ACRE

Raoni e filha de Chico Mendes anunciam aliança contra ‘retrocessos’ de Bolsonaro

Folha de São Paulo, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Encontro de líderes indígenas em Mato Grosso ecoa Aliança dos Povos da Floresta, dos anos 1980, e terá carta aberta ao Congresso.

Rubens ValenteBruno Santos
TERRA INDÍGENA CAPOTO-JARINA (MT)

À beira do rio Xingu, em Mato Grosso, o cacique Raoni, uma das filhas do líder seringueiro Chico Mendes (1944-1988), Ângela, e a líder indígena Sônia Guajajara lançaram nesta quarta-feira (15) uma aliança contra políticas públicas do governo Jair Bolsonaro nas áreas ambiental e indígena.

Nos últimos meses, Bolsonaro fez diversos ataques contra Raoni, como dizer que ele não representa os indígenas do país. Uma das respostas do cacique caiapó foi realizar um encontro na terra indígena Capoto-Jarina, em Mato Grosso.

Organizado pelo Instituto Raoni e diversos parceiros não governamentais, o encontro reúne desde segunda-feira (13) cerca de 320 indígenas de diversas etnias e estados brasileiros. A reunião deve acabar nesta sexta-feira (17) com a divulgação de uma carta aberta a ser encaminhada ao Congresso e ao Ministério Público.

O cacique Raoni (de cocar amarelo), a líder indígena Sonia Guajajara (de cocar azul) e Ângela Mendes (de branco), filha de Chico Mendes, posam para foto durante encontro nas margens do rio Xingu, em Mato Grosso

O cacique Raoni (de cocar amarelo), a líder indígena Sonia Guajajara (de cocar azul) e Ângela Mendes (de branco), filha de Chico Mendes, posam para foto durante encontro nas margens do rio Xingu, em Mato Grosso – Bruno Santos/Folhapress.

O “pacto” do movimento extrativista com dois dos principais lideres indígenas do país faz referência, segundo Ângela Mendes, a um projeto que seu pai desenvolveu nos anos 1980 com líderes indígenas como Ailton Krenak: uma Aliança dos Povos da Floresta.

“Hoje o cenário nos preocupa muito mais do que 30 anos atrás. Mais do que nunca se faz necessária uma grande aliança. Nos juntar, somar a nossa força, minha, como filha de Chico Mendes, que continuo na luta e na defesa do legado dele, dos extrativistas, que lutaram ao lado dele, para se juntar ao grande legado e à grande história dos povos indígenas”, disse Ângela.

Ela pregou a “unificação das forças para que juntos possamos resistir”. “Porque eles têm o poder e a autoridade do Estado a favor deles, mas nós temos uns aos outros e a força das águas, das florestas e dos nossos ancestrais.”

Raoni afirmou que o documento a ser produzido pelo encontro será divulgado como resposta aos ataques de Bolsonaro aos povos indígenas.

“Acho que todo mundo sabe, o Brasil inteiro deveria saber, ele [Bolsonaro] está atacando todo mundo, não só os índios. Ele ataca os índios mais forte ainda. […] Eu fiz esse encontro e desse encontro vai sair um documento para mandar para fora [da terra indígena], para o Brasil ver o que estamos fazendo, defender a nossa terra. Para ele parar de falar mal da gente”, disse Raoni. As declarações do cacique, em caiapó, foram traduzidas à imprensa por um assessor.

“Nós estamos reunidos aqui nessa mobilização [para] elaborar um documento e eu quero pegar essa equipe, esse grupo [de líderes], para levarmos esse documento ao Congresso e eu quero perguntar para ele [Bolsonaro] por que ele está falando mal dos índios”, disse o cacique.

“[Mostra] que nós não vamos deixar barato e não vamos aceitar negociar nossas vidas. E que somente juntos, povos indígenas e populações tradicionais e outros movimentos de mulheres, de quilombolas, LGBT, de mulheres da periferia, é que vamos conseguir fortalecer essa unidade na luta.”

O líder extrativista e amigo de Chico Mendes, Júlio Barbosa, também participou do anúncio da aliança. Segundo ele, “o problema que os povos indígenas enfrentam hoje com essa política neoliberal de desmonte do governo federal não é diferente do que estamos passando com as reservas extrativistas”.

“Chegamos à conclusão de que cada um de nós isolado, cuidando da própria casa, não vamos conseguir avançar muito com esse sistema político aí instalado”, disse Barbosa.

“Temos hoje no país 682 territórios destinados a populações extrativistas. Desses, 350 estão na Mesa da Câmara dos Deputados com pedido de desafetamento [redução de áreas] ou até de revogação da criação desses territórios”, disse Barbosa.

Em nota divulgada em rede social, a Funai (Fundação Nacional do Índio) minimizou o encontro promovido por Raoni ao dizer que “é um evento totalmente privado e em nada está alinhado à política institucional desta fundação”.

“Como entidade oficial do Estado brasileiro nas questões indígenas, a Funai não participa de eventos particulares ou sequer apoia iniciativas que são alheias ao projeto governamental do órgão.”

Continue lendo

+30 mil seguidores

TOP MAIS LIDAS

Advogados Online