NOSSAS REDES

Brasília

Rejeitada reclamação de juiz de Piracanjuba (GO) que pedia o retorno ao cargo

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento (julgou inviável) à Reclamação (RCL) 29322, na qual o juiz de Goiás Gabriel Consigliero Lessa pedia seu retorno ao cargo. O ministro explicou que a reclamação não é o meio processual cabível para questionar a medida de afastamento.

De acordo com os autos, o Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) apresentou ao Tribunal de Justiça (TJ-GO) representação contra o magistrado, titular do juizado Especial Cível e Criminal da Comarca de Piracanjuba (GO), por infração disciplinar. Entre as acusações estão a prática de assédio moral, perseguição, tentativa de coação e intimidação a servidores, inclusive com arma de fogo, usurpação de competência da Vara de Execuções Penais, tratamento desrespeitoso aos advogados, entre outros. O juiz foi afastado das funções em dezembro de 2017 por decisão do TJ-GO.

No Supremo, o magistrado alegou, entre outros pontos, que seu afastamento ocorreu sem que tivesse a oportunidade de apresentar o contraditório e antes da instauração do processo administrativo disciplinar. A decisão do TJ-GO, segundo o juiz, contraria decisão do STF tomada no julgamento da liminar na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4638. Na ocasião, o Plenário apreciou diversos dispositivos da Resolução 135/2011 do CNJ e afastou a incidência de regra que previa o afastamento cautelar do magistrado do cargo mesmo antes de instaurado o processo administrativo disciplinar.

Decisão

O ministro Dias Toffoli verificou que o afastamento cautelar do magistrado está fundamentado em elementos que evidenciariam práticas incompatíveis com o exercício da judicatura, existindo sindicâncias, um procedimento prévio e 22 procedimentos já iniciados na Corregedoria Geral de Justiça do Estado de Goiás. A temática do caso concreto, segundo o relator, não foi objeto da análise do STF no julgamento da ADI 4638, quando o Plenário, cautelarmente, afastou os efeitos do parágrafo 1º, artigo 15, da Resolução 135/2011 do CNJ. “Ao se referendar, em sede cautelar, a plausibilidade da tese de inconstitucionalidade da norma por violação aos postulados ‘da legalidade e do devido processo’, o STF não atrai para si a competência para, em sede reclamatória, conhecer e julgar originariamente ato praticado em sede de processo de caráter disciplinar contra magistrado vinculado à Corte de Justiça do Estado de Goiás”, afirmou.

O relator verificou ainda que a matéria não foi judicializada previamente à propositura da reclamação no STF. Esse fato, segundo Toffoli, revela a intenção de buscar diretamente no STF manifestação sobre o caso, que envolve análise de fatos e provas relacionados à atuação do magistrado e à função correicional desempenhada pelo TJ-GO. “[O juiz] deve manifestar sua pretensão por ação e vias recursais próprias, não se podendo valer da reclamação para provocar o exame per saltum do ato no STF ou se furtar às regras processuais de instauração da competência originária do STF”, concluiu.

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS VISUALIZADAS

WhatsApp chat